Quando, por medo do conflito, deixamos a injustiça prevalecer…

Por Edith Sanchez

Um dia tem 24 horas e as horas passam revelando várias situações que podem levar a conflitos.

Você está em uma fila e de repente alguém, com a maior cara de pau, passa na sua frente. Ou o lojista tenta cobrar mais por algo que você sabe que custa menos. Ou seu chefe lhe dá uma ordem impossível de cumprir, porque acordou de mau humor.

Todos temos a liberdade de escolher a qual ou qual dessas situações conflitantes responderemos. Às vezes “compramos a briga” porque parece justa ou razoável. Outras vezes, deixamos passar, porque não vale a pena gastar energia em algo sem grande importância.

“O homem é descoberto quando enfrenta com um obstáculo.”-Antoine de Saint-Éxupery-

No entanto, existem pessoas que não fazem essa escolha. Ou melhor, eles escolhem antecipadamente desistir de qualquer situação que envolva ter que enfrentar o outro.

Eles não apenas escapam dos debates, mas também reivindicam, exigem ou repudiam qualquer conduta que envolva um conflito direto. O que há neles é mais do que medo. O que eles experimentam é um sentimento de desamparo que vai além do razoável.

Às vezes eles nem estão conscientes do medo. Eles simplesmente dizem que preferem estar em paz e não têm raiva de ninguém. Se eles trabalham em um grupo, por exemplo, e um dos membros da equipe flagrantemente não faz sua parte, essas pessoas assumem a tarefa que o outro deixou de realizar apenas para evitar uma disputa. Eles farão o trabalho que não lhes pertence, tudo para não entrar em conflito.

A estratégia de evitar conflitos

Evitar conflitos é uma estratégia válida, desde que você evite um mal maior. Se você sabe que o outro é absolutamente intransigente em algum assunto, e não vale a pena discutir. Ou, se uma regra que você não gosta estiver em vigor, mas você foi avisado de que é imóvel, de nada adiantará iniciar um confronto.

No entanto, existem muitos outros casos em que o que está em jogo é algo muito mais relevante. Seus direitos, por exemplo. Ou sua dignidade, ou o respeito que você merece.

Leia mais: O medo do fracasso nunca será maior do que a dor do arrependimento!

Nesses casos, você perde muito mais por não iniciar um conflito do que por evitá-lo.

Conscientemente, você sabe que uma injustiça está sendo cometida, algo ilegal está sendo feito ou um ato de denegrir está sendo permitido. Mesmo assim, algumas pessoas ficam caladas e fingem continuar como se nada tivesse acontecido.

As consequências são graves, não apenas porque um ato ofensivo é admitido, mas também porque afeta o equilíbrio emocional.

Por mais que alguém tente seguir seu caminho, sem dar importância à injustiça cometida contra ele, algo por dentro reivindicará uma ação.

Isso resultará em frustração, desconforto, intolerância, angústia ou talvez uma doença física.

Por outro lado, esses tipos de atitudes alimentam e nutrem relações sociais perversas. Hoje você deixa ir, mas amanhã isso não para.

Quem abusa não para, porque o outro não oferece resistência. Pelo contrário: ela sentirá que possui o campo livre para avançar sua lógica.

Evitar conflitos não significa resolvê-los. Nem sequer os contorna.

A evasão aprendida

Evitar passar por …

Eles são comportamentos que foram aprendidos e instilados na maioria das vezes.

Acredita-se falsamente que reter, reprimir ou calar a boca são respostas válidas e até desejáveis. A criança não nasce reprimida. O bebê faz tudo, menos reprimir. É o seu ambiente que o ensina a fazê-lo, porque, em suma, dessa maneira as pessoas exercem mais controle sobre ele.

Quem evita conflitos não recebe mais paz ou tranquilidade em troca. O que eles fazem é “suportar” e “acumular” .

O que geralmente acontece é que a embarcação fica cheia até transbordar por uma causa mínima. É quando quem está sempre em silêncio explode e deixa aterrorizados os que o rodeiam.

Às vezes, essas explosões, após uma longa contenção, podem ter consequências muito graves.

Se calar diante das injustiças, consegue, em primeiro lugar, destruir sua auto-estima. Sem perceber, você alimenta a ideia de que está desamparado diante de todas as circunstâncias. E toda vez que você evita, você se sente menos capaz. Você também machuca seu corpo.

Aqueles que são excessivamente contidos, que evitam conflitos a todo custo, são muito propensos a desenvolver gastrite, úlceras, problemas musculares e doenças auto-imunes.

O conflito relevante nunca deve ser evitado. Também não é saudável ir ao outro extremo e reagir em uma atitude de confronto diante do menor problema. Existem maneiras de contornar, processar e resolver conflitos. Assim como você aprende a evitá-los, também pode aprender a gerenciá-los . De fato, o conflito é positivo porque nos permite crescer, amadurecer e obter independência. Além disso, aqueles que olham de frente para o conflito geralmente são pessoas mais satisfeitas e felizes.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO SEU AMIGO GURU. Com informações La Mente es Maravillosa.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!