Parei de querer mudar o outro e passei a mudar o meu comportamento em relação àquilo que me incomoda! Perdoar me ajudou a sarar minhas dores! Mas me afastar daquilo que eu não comungo e afeta a minha sanidade, foi transformador!

O perdão me ensinou o real sentido da palavra: RESPEITO!

Ao respeitar o outro como ele é, passei a exigir que me respeitem também.

Dizem que respeito não se exige, se conquista. Mas existem pessoas invasivas ao extremo, que por mais que você se coloque, imponha limites, elas dão um jeitinho de invadir a sua vida com as suas “querencias”.

Tem gente que nunca vai te respeitar, nunca vai te dar o valor devido, porque possuem “prazer” em apontar o que ainda podemos fazer melhor! E se passarmos a vida tentando agradá-las perderemos um tempo precioso que não volta, não se repete, e que só pertence a nós! E vamos combinar que tentar suprir as expectativas alheias é doentio, chega a ser angustiante viver ao lado de alguém que quer fazer da sua vida uma novela para comentar com as amigas!

Buda é um dos seres que mais me fazem pensar o quanto que é importante a busca pelo autoconhecimento durante a vida! Ele me ensinou que devemos ser a mudança que queremos ver no mundo. A partir desse ensinamento passei a conduzir meus passos. Não me atrevo a querer me fazer entender por quem não tem capacidade nem empatia o suficiente.

Muitas vezes me vi triste por não entender o motivo de algumas pessoas se colocarem no papel de juízes da vida alheia. E eu acabava fazendo o mesmo, julgando a atitude delas.

Grande parte dos momentos em que nos sentimos tristes, se repararmos bem, estamos remoendo algo que aconteceu conosco ou que “alguém” nos fez passar porque deixamos que nos fizessem!

Culpamos os outros por tudo, e parafraseando o saudoso Renato Russo, “isso é absurdo!”, todos são crianças como nós! Engatinhando, se apoiando pelas paredes da vida, tentando dar o primeiro passo! Alguns já se adiantaram, ao passo que as horas estão galopando à nossa frente. Outros, ainda insistem em permanecer costurando o cordão umbilical, e não “cortam” com medo da vida que precisam viver!

Mas esse apego absurdo, e repito, doentio, é um estado infantil que mantemos, e que impede que olhemos para nós com a seriedade que a vida exige.

O problema é que muitos acreditam que a vida é uma piada de mal gosto! E por pensarem assim, fazem dela um “bang bang”, de caça aos vilões, de indicação de culpados, e adivinhem quem é o mocinho da história que criaram para viver? Eles, é claro!

Todos que atrapalharem as suas vontades, mesmo sem intenção, serão os culpados, e devem ser condenados, e eles, sempre serão os coitatinhos! E por se sentirem assim, “pobres coitados”, tentarão até a “morte”, mudar o outro para que ele faça a sua vontade!

Parece piada, mas não é! Existem milhares de pessoas assim, que não descansam até conseguirem que o outro faça da vida dele o que ela quer que ele faça, mas não é o que ele quer! É triste de ver!

São todos grandes comediantes da piada que fazem da vida!

Entendam: a vida não é uma piada de mal gosto, ela pode ser sim engraçada, mas as vezes, fazemos piadas com coisas que não tem graça nenhuma!

Falamos mais do que precisamos, damos opinião sem que ninguém as solicite, julgamos, condenamos, sem dó nem piedade! E muitos ainda acham bonito ser assim!

Outros, graças ao santo Deus, entendem que é preciso mudar de atitude, e decidem romper com esse ciclo tóxico de maledicência invasiva, e de ego exacerbado!

Buscam a mudança interna a todo custo, mesmo que para isso precisem transformar todas as áreas de sua vida!

Lançam mão da coragem e se agarram na fé de que dias melhores sempre virão!

Clichês a parte, quem tem fé vive na esperança de que algo muito bom se aproxima! E confia nisso, piamente, não desanima, nem com as pancadas que a vida dá!

Não tentam mudar o outro, respeitam, mas se afastam caso a presença do outro afete a sua sanidade mental!

Saibamos avaliar situações e oportunidades, e nos coloquemos a serviço de um bem maior! Quando doamos também recebemos da vida! E quando nos desvencilhamos da vontade de querer mudar o outro, e nos atentamos para o que em nós precisa ser mudado, a vida começa a sorrir pra gente!

Sejamos gratos e reconheçamos que sem a natureza e a energia vital não somos nada!

Podemos ficar tristes com as situações que nos incomodam, mas não devemos permanecer na tristeza por muito tempo.

Sabemos que o peso das desigualdades é castigante, que as injustiças são enormes, mas nos armemos de empatia para que possamos promover ações que transformem esse mundo em um lugar melhor!

Sejamos criativos, pro-ativos, multitarefas, e corajosos!

A coragem é uma virtude que se conquista com a vontade!

Leia também: O medo do fracasso nunca será maior do que a dor do arrependimento!

Façamos o bem sem olhar a quem e vivamos a vida com alegria! Ela saberá nos recompensar com momentos felizes, nos instantes mais improváveis.

Basta que saibamos perdoar, que paremos de tentar mudar o outro, e que passemos a aceitar as diferenças, as vontades, e principalmente, que deixemos de lado certas “desimporâncias”.

Perdoar não só fará você se sentir melhor desintoxicando a sua vida do sofrimento em que se encontra, mas também lhe mostrará que o respeito às vontades e escolhas alheias é a maior prova de amor que podemos dar ao outro!

Caso não se sinta preparado para perdoar, caso as escolhas que o outro fez lhe afete o brio e o orgulho esteja ferido, caso a sua interferência em sua vida te incomode profundamente, apenas se afaste, para preservar a sua saúde mental!

O perdão vem com o tempo, e a distância ajudará a absolver os culpados, acolher os aprendizados, e a seguir em frente!

Texto de Iara Fonseca, exclusivo para o Seu Amigo Guru. Fica proibida a reprodução para fins comerciais.
Foto: David Kattenburg/Ahed Tamimi)

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, palestrante, produtora e editora de conteúdo do Resiliência Humana e do Seu Amigo Guru. Seu interior é intenso, sempre foi! Transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhores, para nós, e para o outro!