Você não é uma mãe ruim, você é apenas humana!

Por Amanda Upton

Quando minha filha era pequena, recebi uma mensagem de uma amiga de que deveria segurá-la no colo sempre que ela quisesse se sentir segura, porque só podemos segurá-las por pouco tempo.

Imediatamente pensei no momento em que minha filha agarrou minhas roupas e pediu para ser segurada enquanto eu carregava uma panela quente do forno para o balcão, ou quando eu estava descarregando mantimentos do carro enquanto minha filha gritava em seu assento de carro, ou nas muitas vezes que ela pediu, mas que eu só precisava recuperar meu espaço por apenas um minuto.

Eu queria jogar meu telefone do outro lado da sala quando recebi a mensagem dela. Eu não posso abraçá-la toda vez que ela quer ser abraçada, eu queria gritar. Eu simplesmente não posso.

Esta mensagem é semelhante à “aprecie cada momento, eles crescem tão rápido” expressão que mães com filhos muito mais velhos que o nosso (que aparentemente esqueceram os dias enlouquecedores da maternidade) gostam de dizer.

Às vezes eu só quero dizer “besteira” quando alguém diz isso. Nem todo momento vale a pena valorizar. Alguns momentos são realmente péssimos.

Como na noite passada, quando eu gritei com minha filha. Fiquei brava. Bati minha mão contra a parede, disse “NÃO” muito alto e subi as escadas com força.

Fui superada por uma grande emoção e perdi o controle. Eu estava tao brava. Daisy chorou e eu fiquei lá em cima, respirando e voltando para mim mesma. Eu senti tanta raiva, mas por que eu estava com tanta raiva?

Eu tinha acabado de fazer dois jantares porque Daisy se recusou a comer o primeiro, depois apenas escolheu no segundo! Ou como ela disse que ainda estava com fome e precisava de mais comida, mas disse não a todas as opções que lhe apresentei da geladeira, freezer e despensa! Isso não parece fora do comum ou vale uma explosão tão irritada. Então, por que eu estava com tanta raiva?

Depois de alguns minutos respirando e tomando espaço, segurei Daisy e disse a ela que sentia muito e que a amava.

Expliquei a ela, o melhor que pude, o que estava sentindo e que possuía esses sentimentos – eles não eram dela. Ainda assim, me senti mal, errada, envergonhada, como se eu fosse uma mãe horrível. Eu me perguntei se algo estava errado comigo porque fiquei muito chateada.

Depois que Daisy adormeceu, sentei na minha cama e escrevi no meu diário. Queria entender melhor minha raiva para que não parecesse tão estranha e errada. Eu queria deslizar sob sua forte correnteza e observá-la por dentro. O que aprendi me surpreendeu de certa forma, mas também fez sentido.

Daisy tem quase quatro anos e está na pré-escola cinco dias por semana agora. Isso significa que tenho mais tempo e espaço do que nunca para perseguir meus objetivos, estejam eles relacionados ao trabalho, casa ou à comunidade.

Minha filha também dorme a noite toda, então estou mais descansada do que nunca (veja, você vai dormir de novo, eu prometo!).

Diferente do primeiro ou mesmo do segundo ano da maternidade, tenho energia novamente. O nevoeiro cerebral da nova maternidade aumentou e eu estou pronta para ser desafiada de novas maneiras. Estou ansiosa para aprender, crescer, fazer e me tornar. Em suma, estou de volta ao mundo novamente e é ótimo.

Minha filha é uma garota ferozmente independente, extrovertida, forte e corajosa que está se tornando sua própria pessoa.

Todos os dias faço estratégias, suborno e arranjo-a para comer, vestir-se, escovar os dentes, vestir a fralda e o pijama, ficar na cama, entrar no carro, ficar na sala de aula no início da escola e depois sair a sala de aula quando a escola terminar, compartilhar seus brinquedos, arrumar uma bagunça … a lista continua. Seu trabalho constante e cansativo.

Amo minha filha até a lua ida e volta um trilhão de vezes e, ao mesmo tempo, considero ser mãe uma das coisas mais difíceis que já fiz.

Passei por uma mudança de identidade, como todas as novas mães, depois que ela nasceu, o que me fez questionar tudo, acima de tudo quem sou e o que quero.

A novidade, a loucura e a magia da maternidade exigiam que eu colocasse tanto de mim a um lado para cuidar desse novo ser. Tudo isso eu fiz de bom grado e com uma quantidade indescritível de amor.

Agora, gosto do novo tempo, espaço e energia que me abriram como resultado de Daisy estar na escola. Eu preciso, desejo e faço disso uma prioridade como nunca antes.

Eu sinto que sou duas pessoas vivendo em um corpo. Um de mim está no mundo, impulsionado por uma profunda ambição de criar e servir.

O outro eu está em casa perseguindo minha filha pelo quarto com uma fralda em uma mão e pijama na outra, tentando distraí-la e fazê-la rir para que eu possa prepará-la para dormir mais uma vez.

Um está se movendo rápido. Um está se movendo devagar.

Um quer dar um tempo na maternidade às vezes. O outro ama ser mãe mais do que qualquer outra coisa.

Um quer mudar o mundo. O outro quer se aconchegar no sofá e deixar que outra pessoa mude o mundo.

A energia deles não se alinha. Suas necessidades não correspondem, e uma geralmente recebe mais atenção que a outra.

Quando isso acontece, quando a parte de mim que anseia por voar deve, em vez disso, fazer dois jantares em vez de um e repetir a mesma rotina antes de dormir uma e outra vez, desmorono.

Eu não posso fazer isso, eu digo. Não posso ser mãe e estar no mundo ao mesmo tempo. Eu não posso fazer isso. Eu fico com raiva. Eu fico triste. Sinto culpa e vergonha. Eu me perco de emoção e faço minha filha chorar.

Ontem à noite percebi que sou simplesmente humana. Eu não estou errada ou sou uma mãe ruim. Eu sou humana.

Estou navegando em dois mundos, e é novo, e não sei o que estou fazendo e, como resultado, estou falhando de novo e de novo. Mas estou aprendendo onde estão meus limites, como e quando preciso cuidar de mim mesma e como é massiva a experiência de ser mãe.

Estou aprendendo a me amar por tudo isso, a permanecer em um lugar de amor, mesmo quando sinto vontade de correr, me esconder ou me envergonhar.

Estou aprendendo o quão profundo meu amor é e quão profunda é minha dedicação à minha filha.

Estou vendo como estou comprometida com ela, conosco, sempre dando um passo para trás, refletindo, recuperando o foco e tentando novamente.

Minha consciência está crescendo, assim como minha capacidade de me amar até nos momentos mais difíceis.

E isso vale a pena valorizar.

*Via Thought Catalog. Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!