Você já precisou fingir ser quem não era para se adaptar a uma situação social?

“Quando a diferença não for mais vista como negativa ou causa de rejeição, as pessoas poderão parar de usar máscaras e se relacionar mostrando como realmente são”.

O cotidiano parece estabelecer que para se inserir socialmente é necessário obedecer a uma série de parâmetros considerados “normais”. Justamente por isso, o mascaramento pode se tornar um aliado ou uma laje.
Mascaramento: colocar uma máscara para caber

Viver em sociedade tem grandes vantagens para nós como espécie. Na verdade, a interação com os outros é essencial para a manutenção de nossa saúde física e psicológica.

No entanto, para nos encaixarmos e sermos aceitos pelo grupo, somos forçados a entrar no molde estreito da “normalidade” aparente . Assim, aqueles que diferem disso em algum sentido são forçados a usar o mascaramento , uma estratégia que pode ser muito prejudicial.

Você já sentiu que precisava colocar uma máscara, fingir ser quem não era para se adaptar a uma situação social? Talvez quando, no luto, você teve que sorrir e ser muito mais gentil do que gostaria no trabalho; Ou talvez daquela vez que você fez uma lista de tópicos adequados para conversar com as pessoas que acabou de conhecer.

De alguma forma, as pessoas neurodivergentes precisam fazer essa camuflagem todos os dias para se encaixar na sociedade . Um fenômeno que podemos acompanhar, por exemplo, na série Amor no espectro do autismo.

O que é mascaramento?

O mascaramento é uma estratégia de enfrentamento de adaptação do comportamento ao que é socialmente esperado.

É uma espécie de camuflagem social que as pessoas realizam para parecerem socialmente competentes e se ajustarem ao que se entende por normalidade.

Dessa forma, escondemos os sinais de divergência e nos obrigamos a agir neurotipicamente. Estamos falando de um costume que, em sua justa medida, pode ser muito adaptativo, mas que também pode nos limitar muito quando acabamos dissolvendo completamente nossa identidade no contexto.

Entendemos por neurotípico aquelas pessoas que apresentam um desenvolvimento neurológico típico; isto é, eles pensam, sentem e agem como o faz a maior parte da população. Por sua vez, as pessoas neurodivergentes têm uma compreensão e uma interpretação diferentes da “normalidade”. Embora sua visão seja tão válida quanto a dos demais, é comum que sofram de mal-entendidos e sejam forçados a “fingir” para evitar a rejeição.

Como isso se manifesta?

Para entender melhor em que consiste o mascaramento, vamos colocar alguns exemplos:

“Obrigando-se a fazer contato visual ao conversar”.

“Modulando a voz para tornar a conversa mais atraente”.

“Forçando gestos e expressões faciais adequadas ao contexto que não surgem naturalmente”.

“Gastando esforço excessivo pensando sobre quando falar, como respeitar sua vez de falar e que tipo de comentários podem ser rudes ou desrespeitosos”.

Quem usa o mascaramento para se encaixar?

Como comentamos, são as pessoas neurodivergentes as mais frequentemente forçadas a realizar esse tipo de camuflagem social. Assim, são acima de tudo, aqueles que estão dentro do espectro do autismo que mais usam o mascaramento.

As mulheres tendem a fazer isso com mais frequência e habilidade; eles tendem a ser mais capazes de adaptar seu comportamento e, portanto, são frequentemente subdiagnosticados.

Além disso, aqueles que sofrem de outros tipos de transtornos psicológicos, como TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) ou DBP (transtorno de personalidade limítrofe) também recorrem ao mascaramento.

Mesmo a população em geral pode usar essa estratégia em determinadas situações, especialmente aqueles que têm dificuldades ou falta de habilidades sociais.

Consequências e problemas associados

À primeira vista, o mascaramento pode parecer muito funcional; e, de fato, cumpre sua função adaptativa. Permite um maior sucesso social e pode até impedir que diferentes pessoas sofram de bullying na escola ou no trabalho. No entanto, a longo prazo, pode ter consequências graves para a saúde mental.

Por exemplo:

Ter de estar constantemente agindo ou fingindo produz um grande esgotamento psicológico.

Portanto, após períodos de interação social, a pessoa pode se sentir exausta, oprimida e precisar de um tempo sozinha para se recarregar.

Para se camuflar você precisa concentrar toda a sua energia no cumprimento de certas diretrizes pré-estabelecidas: fazer contato visual, revezar, escolher as palavras com cuidado … Tudo isso pode tornar difícil para a pessoa realmente prestar atenção ao conteúdo da conversa que está acontecendo. Portanto, a experiência não é tão profunda ou significativa quanto poderia ser.

Quando o mascaramento é mantido diariamente e por muito tempo, pode levar a episódios de ansiedade, depressão e até dissociação. E é que a pessoa é desligada de seus verdadeiros pensamentos, sentimentos e impulsos por ter que constantemente dirigi-los e modificá-los.

Por fim, o maior problema é que essa estratégia não alivia o desconforto do indivíduo nem acrescenta nada à sua experiência particular. Isso apenas invalida sua visão de mundo para adaptá-la à dos outros.

Empatia e tolerância pela diversidade

A maneira de reverter essa situação que muitas pessoas vivenciam é, simplesmente, cultivar a empatia.

Como sociedade, temos que nos abrir para a diversidade, entender que existem diferentes formas de interpretar o mundo e que todas são válidas.

É importante que aprendamos a nos colocar no lugar do outro e a entender sua perspectiva, para não forçá-lo a fingir para se relacionar em nossos termos. Mas até chegarmos nessa sociedade ideal, muitas máscaras vão ter que rolar, não acham?

Você já precisou usar uma máscara social, ou seja, já precisou fingir ser quem você não é para não receber críticas por ser quem você é?

Conte pra gente!

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações LM

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!