Você alcançará sua melhor versão quando amar a vida mais do que ama seus medos

Enquanto caminhava por uma rodovia nos arredores da cidade do Arizona, Vivian Gornick vivenciou” um evento incomum que fez sua cena desmoronar”, em suas próprias palavras. Aos 60 anos, a proeminente jornalista e escritora fez uma descoberta intrigante: ela percebeu que nunca havia” se comprometido sem limites com a vida”.

Ela conta em seu livro “A mulher singular e a cidade” que tinha grandes objetivos e queria mudar muitas coisas em si mesma, mas era mais fácil para ela sonhar acordada,” desejar que as coisas fossem diferentes para ser diferente”, do que se comprometer com mudar e começar a trabalhar.

No fundo, foram seus medos que a impediram. Esses medos atávicos que todos carregamos e que, embora nem sempre reconheçamos, tornam-se um limite que nos impede de ser quem poderíamos e gostaríamos de ser.

Gornik fez questão de levar a tarefa a sério. E ele compreendeu que, para viver plenamente, precisava “amar a vida mais do que amava seus medos”.

Apego ao medo

Por mais absurdo que possa parecer, não nos limitamos às coisas e relacionamentos que nos fazem sentir bem.

Também podemos apegar-nos a situações que nos prejudicam, porque contribuem para a manutenção de um equilíbrio que, embora seja precário ou mesmo insatisfatório, é o único que conhecemos e nos dá uma certa segurança.

Os medos nos ajudam a permanecer em nossa zona de conforto. Eles são uma espécie de guardiões.

Eles nos alertam que se não dermos atenção a eles, iremos por nossa própria conta e risco.

Na verdade, muitas vezes os cenários que se desenrolam esses medos diante de nossos olhos são tão terríveis que acabam nos convencendo de que somos melhores sob sua proteção.

Portanto, nos apegamos a esses medos como se fossem uma tábua de salvação.

Talvez percebamos que esses medos não nos permitem seguir em frente, mas também percebemos – pelo menos inconscientemente – que também não teremos que correr muito risco. Assim, mantemos um equilíbrio medíocre durante grande parte da vida.

Nossos medos, que a princípio deveriam cumprir apenas uma função protetora, tornam-se culpa e desculpa, uma barreira e escudo com o qual nos mantemos “protegidos da vida”, mesmo que permanecer seguros implique não viver plenamente.


O medo mais paralisante

Quando se trata de chegar à nossa melhor versão, existe um medo altamente paralisante: o medo de não estar à altura.

Não se trata de medo de falhar, mas de medo de tentar, mas de ficar a um pé da meta.

Fiz bem, mas não o suficiente.

Ter feito um esforço e perceber que não poderíamos alcançar a meta desejada.

O que nos assusta não é o “fracasso” em si, mas o que essa tentativa fracassada diz sobre nós, o golpe em nosso ego.

Para evitar que esse medo se materialize, muitas vezes preferimos evitar o risco, ficar na nossa zona de conforto, onde não crescemos, mas pelo menos nos sentimos seguros.

Optamos por não nos comprometer.

Fazemos as coisas necessárias, as coisas essenciais, mas não nos entregamos totalmente à conquista da meta.

Dessa forma, se os piores presságios se concretizarem, teremos uma desculpa para proteger nosso ego dolorido.

Deixando ir para ser a melhor versão de você mesmo

A única maneira de alcançar nossa melhor versão e viver mais plenamente é superar nossos medos.

Não significa livrar-se deles completamente, mas seguir em frente apesar deles.

Devemos estar cientes de que muitos de nossos medos mais profundos e paralisantes se formaram em nossos primeiros anos de vida.

Naquela época, eles tinham uma função protetora porque éramos vulneráveis, mas agora eles provavelmente não têm razão de existir.

Outros medos que moldam nosso mundo podem nem mesmo vir de nossas experiências diretas, mas foram herdados de nossos pais ou outras figuras de autoridade.

Nossos pais podem nos transmitir não só o medo de voar ou espaços fechados, mas também medos muito mais limitantes como o medo do fracasso, de não estar à altura ou rejeição social.

Superar esses medos é uma decisão consciente que envolve apostar em nós mesmos e nos comprometer com nosso crescimento para nos dar a oportunidade de chegar aonde podemos ir e ser tudo o que podemos ser.

Portanto, podemos ” voltar para aquele lugar no espírito onde é aceitável fazer o esforço”, como disse Gornick.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RP. *Foto de Hamid Tajik no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!