Vivemos melhor com alguns (mas bons) amigos. A chave está na profundidade dos relacionamentos

De Lucas Rodríguez

Ter um par de amigos em quem podemos confiar e falar sobre nossos problemas supera aqueles milhares de amigos nas redes sociais. A ciência diz isso.

A amizade é um conceito em que podemos não pensar o suficiente, mas é um fenômeno que ocorre quase exclusivamente nas pessoas.

Todos os seres vivos procuram combinar e formar relacionamentos com outros membros de sua espécie, porque de outro modo eles não poderiam se reproduzir e seus números começariam a declinar.

Mas um relacionamento em que as duas pessoas só desfrutam da companhia uma da outra é algo que é visto apenas em alguns animais, mas de nenhuma maneira ocorre entre as pessoas.

Sendo um conceito tão particular, enquanto um tão comum que às vezes nós tomamos como certo, a amizade é algo que devemos dar muito mais importância. Especialmente porque a verdade é que não sabemos muito bem como isso realmente funciona.

Felizmente para nós, há algo criado por nós mesmos chamado ciência, que está lá para fazer todo o trabalho que deveríamos estar fazendo, particularmente referindo-se a aprender como as coisas funcionam e chegar ao fundo das dúvidas que a vida cotidiana nos gera.

Como sempre foi capaz de chegar ao fundo das coisas, a ciência estudou o tema da amizade, gerando resultados bastante diferentes do que o senso comum pode nos dizer.

Sem ir mais longe, com a amizade, não é uma questão de quantidade, mas de qualidade: é melhor ter um casal de amigos muito bons do que muitos amigos que não conhecemos muito bem.

O especialista em relações sociais Tim Kasser estudou a maneira como criamos nossos relacionamentos amigáveis, em um estudo publicado como um livro.

A conclusão a que ele chegou é que a necessidade de amizade pode ser qualificada em duas classes: popularidade e afinidade.

O primeiro diz respeito a ter muitas pessoas que podemos ver regularmente, sem ter que falar em profundidade com elas.

A segunda é procurar pessoas com quem entendemos e temos muito em comum, uma coisa para criar um elo tão poderoso, que possamos ser vulneráveis ​​e curtir sem ter medo de críticas.

A especialista em psicologia social do MIT, Sherry Turkle, também analisou o efeito que as redes sociais exercem sobre o conceito de amizade.

Em particular, o Facebook, que nos dá a opção de se conectar com milhares de amigos, tende a ser usado por pessoas que relatam uma vida menos feliz e mais dependente de substâncias. Ela foi específica em não dizer que o Facebook torna as pessoas solitárias, mas usado por uma pessoa que já sofre com isso, pode agravar seus sintomas.

Essa é a verdade: é melhor ter um par de melhores amigos com quem compartilhar experiências de vida, do que muitos com quem não podemos falar sobre coisas mais profundas do que episódios de amigos ou sucesso em nosso trabalho.

*Via UPSCL. Traduzido e livremente adaptado por REDAÇÃO Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!