Quando aprendi a importância de viver o presente, de aprender com o passado para construir um futuro melhor, passei a receber muitos presentes da vida e a construir um futuro melhor!

Um dos presentes que recebi recentemente foi um curso chamado “Planejamento Integral e Integrado para o Desenvolvimento do Ser”, desenvolvido pela Révoa Desenvolvimento Humano e Organizacional, ministrado pela Tatiana Brechani e pela Paola Miorim.

Duas mulheres repletas de talentos e que possuem uma das qualidades que eu mais admiro no ser humano: A GENEROSIDADE.

Foto: Paola Miorim e Tatiana Brechani/Karen Kroll

Tatiana tem um extenso currículo e Paola também, são pessoas envolvidas em causas sociais e ambientais, mulheres empenhadas em promover a consciência humanitária, em formar cidadãos para agirem de forma integral e integrada no mundo onde estão inseridos!

Elas trabalham para que outras pessoas possam acordar para a necessidade de agir em benefício do todo, e não apenas em benefício próprio, mas acreditam na importância de cuidar de si, e por isso, também ajudam aqueles que só pensam no outro e deixam de lado suas questões internas!

A contribuição delas é valiosíssima para que as pessoas passem a fazer o bem para si mesmas e para os outros HOJE, e comecem a dar importância para o que realmente importa AGORA!

Seus cursos ajudam as pessoas a pararem de postergar e procrastinar! As motivam a deixarem de serem indiferentes aos problemas sociais, ambientais e econômicos do mundo, para serem agentes transformadores em suas comunidades!

E nesse processo de amor já formaram muitas pessoas que se tornaram protagonistas do bem, a serviço do bem!

Bem… Essas sempre foram também algumas das minhas intenções nesse mundo, então… Estava eu em casa pensando na vida, tentando articular as ideias para o novo ano que está chegando quando recebo uma mensagem amorosa inbox da Tatiana me convidando para participar desse curso, de uma maneira muito gentil e benevolente. Ela apareceu como uma luz, uma estrela guia!

Ao aceitar participar eu pensei: “Quem muito ajuda também precisa ser ajudado”.

Me considero uma pessoa boa, e nem é me achando não, é porque sou incapaz de fazer o mal para alguém, até para aqueles que já me fizeram muuuuiiiiiito mal, e olha que eu já sofri muito na mão de, não foram uma nem duas não, foram muitas pessoas. Mas não sou capaz de retribuir na mesma moeda não.

Prefiro a máxima de Jesus, mas não sou bobinha de ficar dando a face o tempo todo também. Eu dou a outra face, a pessoa fez de novo, “eu me afasto e me defendo de você”.

As pessoas pensam que pessoas boas não possuem problemas, não sentem tristezas, e nem magoam os outros.

Isso não é verdade!

A verdade é que pessoas boas também já fizeram parte da história triste de alguém.

Pessoas boas também são taxadas como vilãs por um ou outro que não as compreenderam, ou que esperavam dela uma atitude que ela não é capaz de tomar ainda, ou nem querem tomar, que seja!

E eu, estava sentindo que, mesmo tendo passado um ano inteiro aconselhando, ajudando, e me doando para os meus leitores e amigos, nada do que eu vinha fazendo estava sendo o suficiente.

Essa sensação de que eu deveria agir diferente estava me deixando insatisfeita, mas eu não sou uma pessoa naturalmente insatisfeita, pelo contrário, sou muito feliz com o presente que a vida me dá diariamente… Por isso, não acreditava que eu estava precisando de ajuda realmente. Mas eu estava.

E explico o motivo:

Durante o decorrer do ano eu tive que passar, acho que como todos vocês também, por diversas privações e provações, sempre relacionados a relacionamentos abusivos e tóxicos.

Ah, tá na moda falar de relacionamentos tóxicos né, mas sabe, que bom que está, as pessoas precisam acordar para a necessidade de se afastar de pessoas que são invasivas e insistentemente controladoras.

Se afastar dessas pessoas é uma libertação, faz bem demais para a alma!

E acordar para isso é simplesmente sensacional!

Mas voltando para o curso, quando cheguei lá, não sabia o que iria encontrar. Só estava aberta ao aprendizado edificante, e a Tati já sabia que eu iria escrever sobre ele, porque ela mesma me pediu, então, me entreguei a ele com a minha natureza autêntica.

Os questionamentos começaram! E as perguntas tinham a intenção de remexer o baú de memórias e de limitações que deixamos lá, empoeirando, bem no fundo dele.

Elas perguntavam:

Você está presente no que você faz?

O que você já deixou de fazer por sentir medo?

Quanto tempo você passa consigo mesmo?

Você sente que está progredindo ou retrocedendo?

Você promove mudanças conscientemente ou elas são produtos das circunstâncias?

Todas essas perguntas foram me despertando, e intercaladas com exercícios de atenção plena, me colocaram totalmente no momento presente. Pude perceber que por mais que eu “acreditasse” que eu estava vivendo o presente, (lá em casa, antes de receber a mensagem da Tati, lembram?), eu não estava.

Sabe por quê?

Porque eu estava me sentindo insatisfeita, um pouco, mas estava. E depois do curso percebi que a insatisfação é a prova crucial de que não estamos vivendo o presente de forma integral e integrada.

Isso não foi ensinado no curso, é minha divagação mesmo. Que eu constatei sozinha!

Entendi que não podemos viver o presente insatisfeitos, que a insatisfação presente é fruto de amarguras do passado ou de angustias pelo futuro.

Podem dizer: “ah, mas eu estou totalmente insatisfeito com o meu presente, meu trabalho é horrível, minha esposa é isso ou aquilo, minha sogra me odeia, não me sobra dinheiro e até falta… E tudo isso no presente, nem to ligando para o passado, e muito menos pensando no futuro, tá tudo errado agora!

Aí lanço aqui como resposta uma metáfora dita pela Tatiana durante o curso:

“A onda do mar vai e volta, mas ela nunca volta para o mesmo lugar”.

A minha interpretação para isso é:

Por mais que estejamos passando por problemas no presente, os problemas nunca serão os mesmos, o que sempre parecem iguais são as nossas atitudes e reações frente a eles.

Quando mudamos de atitude, quando reagimos de forma diferente, eles também mudam e tudo se transforma.

A importância de exercitar a atenção plena no momento presente!

No curso aprendi algumas ferramentas muito úteis para se tornar integrado e se integrar no mundo. Técnicas de mindfulness para poder vivenciar plenamente o presente! Pude sentir meu corpo, minha mente, e pensa no que eu venho fazendo da minha vida!

Ao participar de um curso poderoso desse, cada um vai ter o seu próprio “insight”, e todos são pessoais e intransferíveis.

Por isso, recomendo muito que procurem a Tati e a Paola e consumam os conteúdos delas, aliás, a Tati tem um página lindíssima chamada Metáforas dos Dias, onde ela compartilha seus poemas que nos tocam profundamente.

A vida, por vezes, nos traz simultaneamente, complexas contrariedades, mas se não estamos com a atenção plena no presente, acabamos não percebendo que, constantemente, ficamos absorvendo problemas que não são nossos, pois temos a “mania” de nos meter na vida dos outros, e no caminho que elas escolheram viver.

Essa “mania” é uma necessidade que muitos de nós tem em querer ajudar, mesmo que a outra pessoa não esteja pedindo a nossa ajuda!

É um atropelo achar que podemos ajudar e forçar uma ajuda que não foi solicitada!

Mas percebi nesse curso, que ninguém pode ajudar quem não pediu a sua ajuda.

Que acreditar que o outro precisa de ajuda só porque ele não está integrado no jeito que a gente acredita ser o melhor, é apenas um julgamento, uma interferência arbitrária, e até uma forma prepotente de achar que “você é melhor, ou está melhor emocionalmente, e por isso, pode e deve ajudar”.

Muitas pessoas se sentem insatisfeitas no presente por conta das atitudes dos outros.


Foto: Karen Kroll

Precisamos praticar a técnica da atenção plena também para passar a nos preocupar com as nossas próprias atitudes, com o que podemos fazer por nós, para sermos melhores para o todo, e principalmente, para quem, realmente nos solicitar ajuda.

Aprendi que devo parar de emitir minha opinião quando ela não foi solicitada! E mesmo quando me pedirem, aprendi que devo ser bem cuidadosa para não parecer que sou a dona da verdade.

Aprendi também que devo ouvir mais e falar menos.

“Ahhhh”, vão dizer, “você ainda não sabia disso?”

Saber eu até sabia, mas praticar já é uma outra coisa, não é mesmo?

Sempre fui muito conselheira e até por conta disso estou a frente do Seu Amigo Guru junto com o meu amigo e sócio Robson Hamuche e alguns ótimos colaboradores. Mas entendi, praticando Mindfulness, que nem todos querem, e nem precisam ouvir os conselhos que tenho para dar, porque nem todos necessitam deles!

E que as vezes, o que algumas pessoas precisam é apenas te ver ali do lado delas, e algumas outras, que você apenas as escute, sem proferir nenhuma crítica, e nenhum tipo de aconselhamento.

Se você está aí preocupada com um parente ou amigo, isso é para você:

Aprender a viver a nossa própria vida e a deixar que o outro viva a vida dele, da maneira que ele julgar ser melhor, é libertador!

Essa é a melhor forma que temos de ajudar o outro a viver os processos dele integralmente: Deixando ele ser quem ele é, e deixando que ele faça suas próprias mudanças no seu próprio tempo!

É assim que a vida se dá!

Cada um na sua luta interna e caminhando externamente com a sua noção de integridade!

Quem é você? Você sabe dizer? Sem que os outros digam pra você? Sem se apegar ao que os outros dizem que você é?

Você consegue respirar e acalmar suas emoções para enxergar as situações claramente? Me diz se você consegue?

A Paola Miorim explicou que todos temos uma grande dificuldade em explanar sobre quem somos.

“Quando perguntamos ao outro quem eles são, logo eles respondem: Eu sou mãe e dona de casa!; Sou engenheiro, diretor-presidente de uma construtora!; Dizem quem são profissionalmente ou na vida, sua história e hábitos! Mas isso tudo não é a pessoa! Tudo isso é quem você está, e o papel que desempenha no mundo!”, explicou ela.

E continuou…

“Quem você é em essência, vai além do que você faz, de todos os papéis que você representa!”.

Você é aquilo que você sente quando está sozinho

Sabe aquele momento em que ninguém está te vendo? Onde você está só com os seus pensamentos?

Os seus pensamentos moldam os seus sentimentos, consciente e inconscientemente, e formam quem você realmente é!

Não é o sucesso, a posição profissional, ou a quantidade de dinheiro que formam quem você é! É o seu olhar para o presente, o seu jeito de ver a vida, e como você se sente e sente ela!

Todas essas considerações de fim de ano me fizeram questionar algumas coisas:

O que te angustia Iara?

Porque as vezes você sente falta de coisas que nunca teve?

Por que tantas pessoas estão em busca de um sentido para as suas vidas, se encontram perdidas e sem propósitos, e por conta disso, não conseguem se sentir bem internamente?

Brechani respondeu que a gente tem três tipos de inteligência. A intelectual, a emocional e a espiritual! E que muitos utilizam apenas uma, ou duas! Mas que é preciso que aprendamos a usar as três consistentemente! Nem mais uma, nem mais a outra.

A inteligência emocional me permite avaliar se estou me comportando bem com aquela situação em que estou vivendo, e a espiritual me permite saber se eu quero estar naquela situação realmente!

Aprendendo com a vida!

O que a vida te ensinou até aqui?

Quem foram os personagens mais importantes na sua história?

Quais talentos você conseguiu desenvolver e quantas dificuldades você ultrapassou?

O que você deixou de ser quando cresceu?

A nossa incapacidade de viver!

“É a incapacidade de lidar com os próprios sentimentos e emoções, e de aceitar os dos outros!” Paola Miorim

“É trabalhar duro para pagar outras pessoas para viver por você!” Tatiana Brechani

A nossa incapacidade de viver é o maior motivo para as nossas doenças mentais, já disse magistralmente Viviane Mosé, por isso, devemos aprender a viver, coisa que não se ensina na escola, infelizmente.

E como aprendemos a viver para nos sentirmos plenamente felizes e satisfeitos com a nossa própria vida?

Citarei aqui as 4 coisas que julguei serem mais importantes, e que foram ensinadas no curso, que devemos começar a fazer, se quisermos estabelecer mudanças significativas em nossas vidas:

1- Foco no presente


Foto: Karen Kroll

“Tudo o que você faz tem que fazer sentido para você! Você deve sempre estar a serviço e fortalecer as comunidades com a sua presença!” Tatiana Brechani

Quando estamos demasiadamente preocupados com o futuro a ansiedade nos cega a visão, nos paralisa a ação, e nos mantém reféns da incerteza.

Quando estamos amargurados, e insistimos em remoer desavenças e desafetos do passado, o sofrimento e a tristeza nos domina, e nos coloca em estado de depressão, pois acabamos depreciando a vida que tivemos, e deixamos de aprender as lições significativas advindas dela.

Mas…

“QUANDO APRENDEMOS COM O PASSADO E DECIDIMOS FOCAR NO PRESENTE, PASSAMOS A CONSTRUIR UM FUTURO MELHOR!”

Iara Fonseca

2- Ações efetivas

É quando passamos a nos colocar em ação focando apenas no presente. Simplesmente colocamos tudo para funcionar!

3- Atuação com significado


Foto: Karen Kroll

Quando estamos agindo de forma integral e integrada nos desapegamos do que não é importante, passamos a desenvolver o nosso ser e a nos sentir plenamente felizes, pois nossas ações são impregnadas de significados que nos dizem muito.

Atenção para o fato de que se sentir plenamente feliz não é nunca se sentir triste! É conseguir ver o lado bom da tristeza, mesmo que isso lhe pareça, aparentemente, impossível! É se felicitar com a lição que ela traz.

4- Não desistir dos sonhos!


Foto: Karen Kroll

“Ocupe os espaços e construa as relações” Tatiana Brechani

Quando estamos focados no presente e agimos efetivamente em ações que geram significado, não desistimos dos nossos sonhos facilmente!

Criamos o hábito de coletar as tarefas que precisam ser feitas diariamente!

Aprendemos a processar essas tarefas que devem ser feitas no dia, fazendo, delegando, agendando, ou se forem ações muito grandiosas, passamos a planejá-las!

Passamos a enxergar o que não devemos fazer, a descartar o que já não faz mais sentido, ou até mesmo, fazer uma lista de “um dia talvez” farei, selecionando o que guardaremos como “referência” para quando precisarmos!(Isso tudo aprendi com a Paola)

“A Mente deve ser como a água, sempre limpa!” Paola Miorim

E você, o que tem pra fazer hoje? Muita coisa?

Que tal começar Aprendendo a Viver?

Quem tiver interesse em fazer esse curso maravilhoso é só entrar em contato com a Tati e com a Paola CLICANDO AQUI para mergulhar nesse trabalho de transformação!

Para entrar no próximo ano com um gás a mais, que te motive a construir um futuro melhor, é preciso estar disposto a viver o presente e aprender com o passado!

Só assim será possível construir um futuro verdadeiramente feliz! Se insistirmos em remoer o passado e a temer o futuro continuaremos batendo as cabeças e nos sentindo insatisfeitos com tudo!

Que 2020 traga uma forte conexão interior para todos nós! Que nossas ações se tornem efetivas e repletas de significados!

Feliz 2020 para todos nós!

Sou grata por tudo e por todos que passaram pelo meu caminho! Eu nunca aprenderia nada sozinha!

E por conta disso tudo que aprendi, vou ali desfrutar os presentes que a vida tem para me oferecer hoje!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, escritora, editora chefe e criadora de conteúdo dos portais RESILIÊNCIA HUMANA e SEU AMIGO GURU. Neurocoaching e Mestr em Tarot. Para contratação de criação de conteúdo, agendamento de consultas e atendimentos online entrem em contato por direct no Instagram.