Seja diferente dos outros:

“Hoje todo mundo quer ser diferente dos outros. Mas, nesse desejo de ser diferente, continua o mesmo ”, escreveu o filósofo Byung-Chul Han.

Ser autêntico praticamente se tornou um imperativo social, um imperativo que internalizamos a tal ponto que muitos o tornaram o motivo de sua vida.

E se estivéssemos errados? E se essa busca por diferenciação nos igualar cada vez mais? E se esse discurso normalizado nos afastar progressivamente de nossa essência, fazendo com que nos tornemos exatamente o que pretendemos evitar?

O terror do mesmo

A aspiração pela autenticidade e a necessidade de diferenciação vêm do nosso profundo desejo de transcender.

Precisamos viver em sociedade e, portanto, compartilhar alguns de seus valores e respeitar algumas de suas normas comportamentais. Mas também precisamos do oxigênio psicológico que advém da liberdade de escolha que nos permite ser nós mesmos.

Como resultado, o mesmo nos assusta porque é sinônimo de indiferenciação, é como se o nosso “eu” fosse diluído na massa, perdendo a nossa identidade, aquilo que nos faz a nós mesmos.

No fundo, o terror do mesmo é uma expressão sublimada do medo da morte.

Diferenciar-nos dos outros não apenas nos permite sobressair, mas nos reafirma como pessoas únicas e garante a sobrevivência do ego encapsulado em nossa mente.

É claro que querer ser nós mesmos não é ruim.

Não é ruim procurar quem somos e expressá-lo.

O problema começa quando essa busca por diferenciação e autenticidade nos leva a um labirinto sem saída que leva à homogeneização.

Os atopos perdidos

Sócrates era um filósofo singular. Tão único que seus discípulos se referiam a ele como um atopos, uma palavra de origem grega que era comumente usada para indicar “fora do lugar”, “estranho” ou “inédito”, mas também indicava “o outro que não tolera nenhuma comparação” porque cada atributo que Destina-se a usar para realizar o paralelismo seria necessariamente falso, desajeitado e mortificante.

Sócrates era, portanto, incomparável e único. Isso não é o mesmo que ser diferente ou autêntico.

Byung-Chul Han explica a diferença:

“Singularidade é algo totalmente diferente de autenticidade. Autenticidade assume comparabilidade. Quem é autêntico, é diferente dos outros”. No entanto, um atopos é incomparável, o que significa que “não apenas é diferente dos outros, mas é diferente de tudo que é diferente dos outros”.

Atopos é uma pessoa muito confiante, que não precisa ser comparado ou buscar a confirmação externa de sua singularidade. Assim, ele consegue se libertar da necessidade de ser diferente, porque simplesmente é, com letras maiúsculas.

Não é um mero trocadilho. Nem uma disquisição terminológica ou um discurso filosófico, mas uma diferenciação importante que se perdeu ao longo dos séculos – provavelmente com todas as intenções – para evitar a singularidade de uma sociedade que precisa desesperadamente de homogeneização.

De fato, Byung-Chul Han considera que a proliferação do mesmo é a patologia que nossa sociedade sofre, uma sociedade que expulsa a negatividade representada pelo outro sem abrir mão da repressão para recorrer a mecanismos psicológicos mais sutis.

Em um regime totalitário, é fácil distinguir os mecanismos de expulsão dos diferentes, pois são utilizados repressão, coerção, censura e restrição de todos os tipos de liberdades.

Em uma sociedade aparentemente livre, esses mecanismos são mais complexos, mas eles nos ligam com a mesma força, embora com cordas invisíveis.

Liberdade sem libertação

Nossa sociedade nos dá liberdade sem libertação. Ela nos pede para nos diferenciarmos, mas apenas dentro de certos limites. Ele pede que sejamos autênticos, mas nos obriga a nos comparar.

Ela nos pede para sermos únicos, mas também para competir com os outros. Oprimidos por essas contradições, não é de estranhar que acabemos silenciando nossa singularidade.

“A cultura da comparação constante de equalização não permite nenhuma negatividade dos atopos. Tudo o torna comparável; isto é o mesmo. Isso impossibilita a experiência do outro atópico. A sociedade de consumo visa eliminar a alteridade atópica em favor de diferenças heterotópicas consumíveis […] A diversidade é um recurso que pode ser explorado. Dessa forma, ele se opõe à alteridade, que é relutante em todo uso econômico”, disse Byung-Chul Han.

Ou como Noam Chomsky disse: “eles entenderam que era mais fácil criar consumidores do que enviar escravos”. Cada vez que nos comparamos, reduzimos nossa riqueza e singularidade a padrões que consideramos válidos, como se fossem mais inteligentes, mais ricos, mais sociáveis ​​ou mais ousados ​​do que outros significassem alguma coisa. Quando nos comparamos, assumimos o controle da sociedade e a consideramos válida – mais ou menos conscientemente – se afastando um pouco mais da nossa essência.

Infelizmente, estamos tão imersos nesse tipo de pensamento que não percebemos que vivemos em um estado de “conformidade aprimorada”, um mecanismo que é muito mais eficiente do que a homogeneização repressiva das sociedades totalitárias, porque nos mantém no círculo Vicioso de competição social, aceitando os padrões de comparação que marcam nossos objetivos na vida e que foram impostos por outra pessoa.

Byung-Chul Han explica a armadilha que oculta esse mecanismo:

“A autenticidade gera diferenças negociáveis. Isso multiplica a pluralidade de bens com os quais a autenticidade se materializa.

Os indivíduos expressam sua autenticidade, especialmente através do consumo.

O imperativo da autenticidade não leva à formação de um indivíduo autônomo e soberano. O que acontece é que o comércio o monopoliza completamente.”

Isso fecha o ciclo.

Quanto mais confirmação externa de nossa autenticidade procurarmos, mais dependeremos dessa confirmação.

E quanto mais diferentes queremos ser, mais somos comparados com os outros e não nos tornaremos singulares. Como resultado, “o eu se afoga em si mesmo”.

E o que poderia ter sido uma emocionante aventura de descoberta pessoal se torna uma réplica cinza do mesmo.

Fonte:

Han, B. (2017) A expulsão do diferente. Barcelona: Herder Editorial.

*Via Rincon Psicologia. Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!