“Uma maneira de melhorar a si mesmo é aprimorar uma habilidade que você já possui”.

Infelizmente, muitas pessoas fracassam em seus objetivos porque estão focando em seus pontos fracos, em vez de trabalhar e desenvolver os seus pontos fortes. Esse é um erro clássico que muitos cometem e que os levam a desistir dos seus sonhos.

Como você gostaria de melhorar a si mesmo? Provavelmente todos nós paramos para nos fazer essa pergunta (talvez por volta do Ano Novo). Talvez você pretendesse começar a se exercitar ou parar de procrastinar. Ou foi perder peso? Ou trabalhando em um caso de baixa auto-estima?

Esses são os objetivos que as pessoas costumam listar em fóruns on-line sobre autoaperfeiçoamento e compartilham um tópico comum.

Ao considerar o que eles gostariam de melhorar em si mesmos, as pessoas focam direto nos pontos fracos.

Infelizmente, se você perguntar às pessoas o que elas fazem para atingir o sucesso, a maioria diz:

“Eu olho para o que me deixa infeliz ou para o que estou insatisfeito” ou “Penso nas áreas da minha vida em que tenho lutado, foco em tudo o que ainda não sou bom”.

Algumas pessoas acreditam que você deve se conscientizar de seus maus hábitos e se concentrar em reconhecer suas falhas para atingir o sucesso, quando na verdade, focar nos pontos fracos, é exatamente o que as estão levando para o fracaso.

Mas por que damos tanta atenção para melhorar nossas fraquezas? Por que não focamos em desenvolver os nossos pontos fortes?

Novas pesquisas dos psicólogos Andreas Steimer e André Mata lançam luz sobre essas questões.

A equipe descobriu que as pessoas acreditam que podem mudar suas fraquezas mais do que seus pontos fortes.

Em um estudo, as pessoas listaram um traço de personalidade que viam como uma força central (algo de que realmente gostavam em si mesmas).

Eles também listaram um traço de personalidade que eles viam como uma fraqueza central (algo que eles realmente não gostavam em si mesmos).

Então, essas pessoas responderam a perguntas sobre como esses traços são mutáveis. Por exemplo, eles responderam o quanto concordavam que esse traço “é uma parte de mim que não posso mudar muito”.

Os resultados mostraram que as pessoas pensavam que seriam capazes de trabalhar mais seus pontos fracos do que seus pontos fortes.

Claro, um primeiro passo para o auto-aperfeiçoamento é muitas vezes pensar sobre o que você pode controlar. Basta pensar em como a Oração da Serenidade (que ficou famosa pelos Alcoólicos Anônimos) pede sabedoria para saber a diferença entre o que podemos e o que não podemos mudar.

Acreditar que as fraquezas são mais mutáveis ​​do que as forças pode nos levar por esse caminho de escolher enfrentar nossas fraquezas em vez de escolher aperfeiçoar os nossos pontos fortes.

Isso pode ter suas desvantagens, no entanto.

Podemos acabar perdendo muito tempo tentando nos livrar de um mau hábito.

Apesar de nossas melhores intenções, essas escolhas, muitas vezes, falham. Essas resoluções visam pontos fracos que são realmente difíceis de mudar.

Psicólogos que estudam a “síndrome da falsa esperança” descobrem que as pessoas confiam demais em sua capacidade de mudar, e isso as leva a estabelecer metas irreais para si mesmas.

Alguém pode decidir que quer se tornar mais estudioso e prometer passar todas as noites de sexta-feira na biblioteca. Quando eles são tentados a ir à festa de aniversário de um amigo em uma noite de sexta-feira, eles podem jogar a toalha e desistir completamente de seu objetivo.

Se eles tivessem estabelecido metas mais razoáveis ​​(por exemplo, estudar uma hora extra por semana), poderiam ter conseguido manter seu plano de auto-aperfeiçoamento.

De fato, os pesquisadores que conduziram o estudo sobre crenças sobre pontos fortes e fracos descobriram que quanto mais distante alguém estava de quem queria ser, mais acreditava que poderia mudar a si mesmo para se tornar essa pessoa ideal.

Ainda mais interessante: que oportunidades podemos perder se simplesmente aceitarmos a existência de nossos pontos fortes?

Negligenciar a prática dos pontos fortes – deixar de trabalhar as coisas boas que já temos – pode destruir uma fonte de felicidade.

Alguns pesquisadores testaram programas chamados “intervenções positivas” que dão às pessoas a chance de descobrir, explorar e praticar seus pontos fortes.

Em um desses programas, as pessoas fazem um teste para identificar seus cinco principais pontos fortes de caráter e, em seguida, recebem a tarefa de usar esses pontos fortes de uma maneira nova e diferente todos os dias durante uma semana.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que praticavam seus pontos fortes dessa maneira eram mais felizes e menos deprimidas seis meses depois.

Negligenciar os pontos fortes também pode ter consequências negativas.

As pessoas podem acreditar que suas fraquezas serão perdidas com o tempo, mas que suas forças estarão sempre lá. Por causa disso, podemos não estar muito motivados para trabalhar os nossos pontos fortes.

Imagine uma pessoa que sente que é uma pessoa particularmente gentil e que isso nunca vai mudar. Ela ou ele pode não ter tempo para cultivar a bondade ainda mais – por exemplo, para se esforçar para ser voluntário ou ajudar outras pessoas.

Talvez essa pessoa, em vez disso, deixe esses hábitos de lado e – aos desfocar da sua “bondade” – realmente se torne menos gentil com o tempo. Se não nos engajarmos ativamente com nossos pontos fortes, podemos vê-los desaparecer, sim.

Então o que nós podemos fazer?

Felizmente, pesquisas mostram que nossas próprias crenças sobre o que podemos e o que não podemos mudar podem ser mudadas.

Mudar essas crenças molda como as pessoas lidam com todos os tipos de contratempos em suas vidas, desde notas baixas até separações, e também molda os objetivos das pessoas.

Por exemplo, se as pessoas acreditam que a inteligência pode ser desenvolvida, elas assumem problemas mais desafiadores para melhorar sua inteligência.

Se optarmos por pensar em nossa capacidade de desenvolver nossos pontos fortes, podemos buscar diferentes oportunidades de autocrescimento que capitalizem nossos pontos fortes.

Uma maneira de melhorar a si mesmo é aprimorar uma habilidade que você já possui.

*DA REDAÇÃO SAG. Foto de Jack Finnigan no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!