Trauma materno precoce: Quando a mãe transfere o seu sofrimento ao filho!

O trauma materno precoce refere-se ao conjunto de situações traumáticas vivenciadas pela mãe e seu impacto na relação com o filho . Isso acontece principalmente durante os primeiros anos de vida de ambos.

O trauma registrado na infância da mãe e não resolvido por ela pode desencadear uma patologia que se refletirá no filho. Essa situação ocorreria porque o evento traumático carece de representação no psiquismo materno.

A este respeito, Sigmund Freud afirmou: “a herança arcaica do ser humano não inclui apenas predisposições, mas também conteúdos, vestígios de memória do que foi vivido pelas gerações anteriores. Com isso, tanto o alcance quanto a importância do patrimônio arcaico seriam aumentados substancialmente”.

A experiência do trauma

O que é específico sobre o trauma materno precoce é que ele foi vivenciado pela mãe, mas pode levar à transmissão subsequente para o filho. A consequência comum é que isso se manifeste por meio de uma condição psicossomática em seu filho.

O comportamento da mãe é inconsciente e envolve violência emocional invisível. Porém, como não é visível, é vivida pela criança como uma presença materna excessiva ou ausente que afeta seu aparelho psíquico.

Essa situação acaba se refletindo no corpo da criança e em sua constituição subjetiva. Portanto, a subjetividade materna está relacionada à subjetividade da criança de forma que ambas ficam em estado de vulnerabilidade .

Os aspectos que deram origem ao trauma materno precoce, e que não foram elaborados na época, procuram ser processados ​​por meio da relação com o filho, em busca de sentido.

Esse processo de trauma desencadeia uma afeição angustiada e alienante da mãe para com o filho porque ela transfere seu sofrimento no filho..

Transmissão de trauma materno precoce

Em condições normais, a mãe cumpre a tarefa de permitir ao filho a ilusão necessária por ele para criar objetos de desejo. Mas então você deve desiludi-lo gradualmente, de modo que a criança transite da dependência total para a independência própria.

Seguindo esse processo, o bebê poderá elaborar sua própria constituição subjetiva. No entanto, a interferência do trauma não processado da mãe pode levar a um efeito alterado , que na criança se expressa como doença.

Na criança há, de forma natural, um processo de integração psique-soma que busca a unidade como indivíduo . Quando a experiência individual do bebê não é respeitada, o processo de integração é distorcido.

Identificação traumática

Pelo que já foi dito, a relação mãe-filho configura-se como elo traumático inconsciente de identificação projetiva. Nessas condições, os traumas maternos da infância emergem continuamente como uma experiência de desamparo psíquico.

A natureza traumática da experiência da mãe é o resultado da impossibilidade de representar simbolicamente o evento que gerou o trauma original. É como uma ferida que não fecha por falta de sentido.

Sobre isso, Freud afirma: “o fator determinante da angústia automática é uma situação traumática, e esta é, essencialmente, uma experiência de desamparo de si mesmo diante de um acúmulo de excitação, seja de origem externa ou interna, que não pode processo”.

A repetição não resolvida

O fato de o trauma materno precoce não ser resolvido tem a ver, em parte, com o fato de ter acontecido em uma idade muito jovem. Portanto, toda vez que a mãe se depara com situações semelhantes ou associadas a traumas, sua reação será semelhante.

Assim, Freud complementou o que foi dito com a seguinte apreciação: “o perigo do desamparo psíquico se adapta ao período da imaturidade do ego, assim como o perigo da perda do objeto à falta de autonomia do primeiros anos da infância”.

É assim que a ausência de elaboração da situação traumática cria um vazio que a leva a repetir uma angústia automática. Este é precisamente o indicador de que sua experiência passada não foi submetida à elaboração psíquica.

Por sua vez, essa experiência será expressa como uma ausência de separação do trauma vivido pela mãe e das situações vivenciadas com seu filho. Por não promover a individualidade da criança, assume-se como uma presença intrusiva que vincula a criança ao seu trauma.

Assim a ferida se perpetua, por um caminho diferente.

“O trauma não é causado pela morte, mas pela vida. Pode-se morrer sem saber. O nascimento envolve o trauma da compreensão”. -Richard Matheson.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações LM

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!