Trauma do “vigário”: O preço que se paga por carregar a dor dos outros!

São histórias terríveis que deixam uma marca emocional profunda em quem as conhece, causando traumas indiretos.

Foi o caso de Peter Connelly, uma criança de apenas 17 meses que morreu em 2007, em Londres, depois de sofrer mais de 50 ferimentos em um período de apenas oito meses causados ​​em seu ambiente familiar.

Os ferimentos foram tão flagrantes que os profissionais responsáveis ​​pelo caso sofreram um grande choque psicológico, relatando também um forte sentimento de culpa e uma sensação de inutilidade, revelaram posteriormente psicólogos da Universidade de Sheffield.

No entanto, não é necessário estar em contato com esses casos extremos para experimentar o trauma do “vigário”.

A empatia, aquela capacidade que nos une e nos permite nos colocar no lugar do outro, pode nos pregar peças quando carregamos a dor e o sofrimento dos outros, principalmente se sabemos que nada podemos fazer para aliviá-los.

Então, o desconforto do outro se torna nosso caminho da cruz e desenvolvemos um trauma psicológico.

O que é trauma do vigário?

É um conceito cunhado por McCann e Pearlman em 1990 para se referir à exposição indireta a um evento traumático que acaba gerando efeitos deletérios na pessoa.

Na verdade, a psicologia reconhece que é possível experimentar PTSD de “exposição repetida a detalhes aversivos” sobre um evento particularmente doloroso.

Também conhecido como trauma secundário ou trauma indireto, pode se manifestar tanto em nível psicológico quanto físico, muitas vezes causando uma mudança na percepção que a pessoa tem de si mesma, do mundo e dos outros.

Embora sejamos todos suscetíveis ao desenvolvimento de trauma vigário, as pessoas que costumam estar mais expostas à dor e ao sofrimento em seu trabalho, como psicólogos, profissionais de saúde, assistentes sociais, advogados e policiais e agentes de resgate, correm maior risco enfrentando esse problema.

No entanto, qualquer pessoa em um relacionamento significativo com um sobrevivente de trauma pode experimentá-lo.

O caminho que leva ao trauma indireto

Às vezes, o caminho para o trauma vicário é direto e rápido.

Podemos ser participantes de uma experiência traumática tão terrível que nos deixa em estado de choque.

Outras vezes o caminho é progressivo, nós o percorremos ao longo do tempo, e é até possível que não haja uma única história traumática, mas várias histórias de vida que se entrelaçam em nossas mentes.

No entanto, independentemente das histórias que geraram o trauma, todos tendemos a seguir o mesmo “caminho emocional”.

Geralmente, tudo começa com uma grande empatia pela vítima.

Essa empatia não significa simplesmente compreender suas experiências, mas se colocar no lugar deles e experimentar sentimentos semelhantes aos do sobrevivente do trauma.

Como resultado, muitas vezes acabamos estabelecendo um vínculo emocional com a vítima.

Estamos comprometidos com ela a ponto de nos sentirmos responsáveis ​​por seu bem-estar. Esse vínculo emocional profundo nos impede de estabelecer a distância psicológica necessária para proteger nosso equilíbrio emocional.

Por outro lado, é comum que as experiências vividas pela vítima se tornem um foco de angústia.

Eles podem se reativar repetidas vezes e até entrar em nossos sonhos, como se nós mesmos tivéssemos vivenciado o trauma.

Também é comum reagirmos com muita raiva, desenvolvemos a sensação de que a vida não tem sido justa, o que acaba mudando nossa percepção do mundo.

Começaremos a pensar que o mundo é um lugar hostil, inseguro e caótico.

Nesse ponto, já estaremos mergulhados em uma espiral descendente, não podemos pensar racionalmente, mas somos arrastados pela experiência traumática.

Iremos sofrer um grande esgotamento da empatia, uma espécie de fadiga da compaixão devido à carga emocional que carregamos e que geralmente ocorre quando não despendemos tempo suficiente conosco, mas sim nos imergimos totalmente no cuidado e apoio do pessoa traumatizada, que acaba nos oprimindo emocionalmente, deixando-nos sem recursos para a nossa própria cura emocional.

No final, essa experiência também muda nossa percepção de nós mesmos.

Começamos a pensar que somos folhas movidas pelo vento, desenvolvemos um locus externo de controle, nossa percepção de autoeficácia diminui e o desamparo aprendido aumenta .

Nestes casos, quando interagimos com as vítimas e suas histórias de vida, todos os nossos recursos são alterados, principalmente aqueles relacionados ao atendimento de nossas necessidades de segurança, confiança, estima, privacidade e controle, que são os que mais impactam. mais significativo em nossas vidas e bem-estar emocional.

Sintomas de trauma vigário, afundando sob o peso do sofrimento

O trauma indireto pode ter um impacto significativo na saúde mental de quem o sofre, uma vez que não só gera um autêntico cataclismo emocional, mas muitas vezes também abala as crenças e convicções sobre as quais construímos nossa visão de mundo.

Embora cada pessoa responda ao trauma vicário de maneiras diferentes e algumas sejam mais afetadas do que outras, os sintomas mais comuns são:

Sintomas emocionais. Pessoas com trauma vicário podem experimentar sentimentos duradouros de dor, ansiedade ou tristeza.

Algumas pessoas podem ficar muito irritadas, ter mudanças repentinas de humor ou ficar com raiva com frequência por causa de coisas sem importância.

Eles também começarão a se sentir inseguros e provavelmente perderão a esperança e o sentido da vida. Eles podem até se sentir culpados e acreditar que não são dignos de amor ou pensar que sua vida é inútil.

Sintomas cognitivos. O trauma indireto costuma causar dificuldades de concentração, que acabam se manifestando como problemas de memória e pequenas distrações.

O que ocorre é que a mente está totalmente voltada para eventos traumáticos, sofre com pensamentos intrusivos, de forma que há uma diminuição considerável no desempenho cognitivo que acaba sendo valorizado em outras esferas da vida, principalmente no trabalho.

Isso tornará qualquer tarefa assustadora, o que colocará mais estresse em seu sistema psicológico.

Sintomas comportamentais. O trauma indireto pode transformar uma pessoa gentil e otimista em uma pessoa cínica e pessimista.

Também é provável que a pessoa se isole e experimente uma sensação de desconexão com os outros e com o mundo em geral.

Em alguns casos, você pode recorrer a alimentos, álcool ou drogas para lidar com uma situação insuportável e evitar coisas que reativem as memórias da experiência traumática. Problemas para dormir são comuns.

Sintomas fisiológicos. O trauma vicário não se limita ao plano psicológico, mas costuma causar uma ativação fisiológica que acaba cobrando seu preço.

A somatização desse estresse e sofrimento emocional pode causar diferentes reações, desde dores de cabeça emocionais a erupções cutâneas, azia, úlceras ou tensão muscular devido ao estresse.

É possível evitar o trauma vigário?

Não podemos deixar de sentir empatia, especialmente quando vemos uma pessoa sofrendo ou conhecemos sua terrível história.

No entanto, existe uma preocupação empática que nos permite ajudar o outro mantendo o equilíbrio emocional e existe uma empatia que só gera angústia e nos arrasta para o fundo do abismo.

É importante aprender a diferenciá-los e não cruzar a linha tênue que os separa.

Ficar atento às nossas reações e pensamentos emocionais nos ajudará a perceber que estamos nos envolvendo demais, a ponto de nos machucar.

Aplicar estratégias de autocuidado é uma forma de recarregar nossa “bateria emocional”.

Isso significa aproveitar o nosso tempo livre e criar momentos apenas para relaxar.

Um estudo desenvolvido na Boise State University revelou que os principais fatores de risco para o desenvolvimento de trauma vigário são o estresse a que a vítima é submetida, mas também a incapacidade de reconhecer nossas experiências de estresse traumático secundário e uma cultura de trabalho pouco saudável. no caso de indivíduos servindo como pessoal de apoio a sobreviventes.

Na verdade, para as pessoas expostas a essas situações por meio do trabalho, é essencial que mantenham um equilíbrio razoável entre o trabalho e a vida pessoal.

Um estudo realizado na Monash University revelou que ter redes sociais é particularmente importante para evitar traumas vicários, uma vez que muitas vezes são as pessoas ao nosso redor que percebem os primeiros sinais de sofrimento e envolvimento excessivo e nos alertam para eles.

Em todo caso, devemos ter em mente que quando nos deparamos com traumas que outras pessoas vivenciaram e ajudamos as vítimas, não existe apenas a possibilidade de desenvolver um trauma indireto, mas também de desenvolver resiliência vicária.

Traumas são transformadores, não há dúvida, mas seu impacto nem sempre precisa ser exclusivamente negativo. Histórias de resiliência e crescimento positivo que emanam de eventos traumáticos podem se tornar uma fonte de motivação indireta.

Fontes:

Begic, sim. et. Al. (2019) Fatores de risco e proteção para estresse traumático secundário e burnout entre visitantes domiciliares. Revista de Comportamento Humano no Ambiente Social ; 29 (1): 137-159.

Newell, JM et. Al. (2016) Respostas do clínico aos traumas do cliente: uma revisão cronológica de construções e terminologia. Abuso de violência traumática ; 17 (3): 306-313.

Horwath, J. & Tidbury, W. (2009) Treinamento da força de trabalho após uma revisão de caso sério: lições aprendidas com uma morte por doença fabricada e induzida. Revisão de abuso infantil ; 18 (3): 181-194.

Dunkley, J. & Whelan, TA (2006) Traumatização vicária: Status atual e direções futuras. British Journal of Guidance & Counseling ; 34 (1): 107-116.

McCann, IL & Pearlman, LA (1990) Traumatização vicária: Uma estrutura para a compreensão dos efeitos psicológicos do trabalho com vítimas. Journal of Traumatic Stress ; 3: 131-149.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RP. *Foto de Francisco Gonzalez no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!