Trate seus filhos com cuidado: eles são feitos de sonhos

A infância tem seu próprio ritmo, sua própria maneira de sentir, ver e pensar. Poucas afirmações podem ser tão erradas quanto tentar substituí-las por nossa maneira de sentir, ver ou pensar, porque os filhos nunca serão cópias de seus pais.

Nossos filhos são crianças do mundo e são feitas de sonhos, esperanças e ilusões para construir em suas mentes livres e privilegiadas.

Há poucos meses saiu na mídia uma notícia que nos intriga e nos convida a refletir. No Reino Unido, muitas famílias preparam seus filhos de 5 anos para que, aos 6, eles possam fazer um teste de admissão que lhes permite ingressar nas melhores escolas de elite. Um chamado “futuro promissor” agora anda de mãos dadas com a perda da infância. Ao se transformar em “adversários”, crianças que deveriam brincar nos parques.

De que vale uma criança que sabe nos dizer como são chamadas as luas de Saturno, se não sabe como lidar com sua tristeza ou raiva? Vamos educar as crianças que são sábias nas emoções, crianças cheias de sonhos e não de medos.

Hoje em dia, muitos pais e mães continuam com a ideia de “acelerar” as habilidades dos filhos , de nos estimular cognitivamente, de colocar Mozart neles enquanto ainda dormem no útero . Agora, essa necessidade de criar filhos saudáveis ​​pode ser o mesmo que criar filhos saudáveis . Criaturas que com apenas 5 ou 6 anos já sofrem o estresse de um adulto.

Nossos filhos e a competitividade do meio ambiente

Todos sabemos que, nestas sociedades em constante mudança e competitivas, precisamos acima de tudo de pessoas capazes de se adaptar a essas demandas. Também não temos dúvidas de que as crianças britânicas que conseguem entrar nas melhores escolas de elite terão um bom emprego amanhã. No entanto, é preciso também nos perguntar …

Todo esse custo emocional valeu a pena? Perdendo sua infância? Seguindo as orientações que seus pais programaram para eles desde os 5 anos?

Deve-se dizer que até o momento não existem estudos conclusivos que sustentem a ideia de que “acelerar” certas habilidades, como a leitura, em crianças de 4 anos seja tão positivo ou tenha um impacto de longo prazo em seu desempenho escolar. O que se consegue em muitos casos é que os pequenos passem a conhecer dimensões como frustração, stress e sobretudo, ter que se ajustar às expectativas dos pais.

As crianças são feitas de sonhos e devem ser tratadas com cuidado. Se insistirmos em preencher seu tempo com objetivos a cumprir e habilidades a assumir, a cada dia estaremos quebrando um pouco suas asas.

Aqueles com quem talvez amanhã ele realizasse seus próprios sonhos. Se lhes dermos obrigações de adulto quando ainda são crianças, também arrancaremos as asas dos seus papagaios, para os prender ao chão, fazendo-os perder a infância.

Paternidade e amor, duas palavras que viajam o mundo de mãos dadas. Criar e construir uma família são as melhores aventuras que podemos desfrutar ao longo de nossas vidas.

Uma paternidade que respeita os tempos, os afetos e os sonhos do filho

Diante da aceleração do aprendizado e das habilidades, existem aquelas outras abordagens que hoje começam a surgir com bastante força, como, por exemplo, a “paternidade respeitosa” ou “a paternidade lenta”.

Deve-se dizer, é claro, que antes de optar pela aceleração, seria sempre mais adequado facilitar as primeiras aproximações. Algumas abordagens relacionavam-se, por exemplo, em levar livros para crianças de 3 ou 5 anos sem forçá-las a ler ou começar a aprender.

Nossa obrigação mais importante para com as crianças é dar-lhes um “raio de luz” e depois continuar nosso caminho. María Montessori

A curiosidade é a maior motivação do cérebro de uma criança, portanto, é oportuno que pais e educadores se posicionem como facilitadores da aprendizagem e não como agentes de pressão.

Vamos agora examinar mais de perto essas abordagens interessantes de criação de filhos que respeitam os ciclos naturais da criança e suas necessidades.

Parentalidade lenta

O “Slow Parenting” ou parentalidade em fogo lento é o reflexo fiel daquela corrente social e filosófica que nos convida a abrandar, a estar mais atentos ao que nos rodeia. Por isso, na educação, promove-se um modelo mais simplificado e paciente, com o qual respeitar os ritmos da criança em cada etapa evolutiva.

Os eixos básicos que definem a parentalidade lenta seriam os seguintes:

– A necessidade básica de uma criança é brincar e descobrir o mundo.

– Não somos os “amigos” de nossos filhos, somos suas mães e pais. Nosso dever é amá-los, orientá-los, ser seu exemplo e facilitar seu amadurecimento sem pressão.

-Lembre-se sempre de que “menos é mais”. Que a criatividade é a arma das crianças, que um lápis, um papel e um campo têm mais potência que um telefone ou um computador.

-Divida o tempo com seus filhos em espaços silenciosos.

Paternidade respeitosa

Temos certeza de que você já ouviu falar de pais respeitosos. Embora o mais conhecido dessa abordagem seja o uso do reforço positivo sobre a punição ou a repreensão clássica, esse estilo educacional contém muitas outras dimensões que vale a pena levar em consideração.

Você tem que educar sem gritar.

O uso de recompensas nem sempre é adequado: corremos o risco de nossos filhos se acostumarem a sempre esperar recompensas sem compreender o benefício intrínseco do esforço, da realização pessoal.

Dizer “não” e impor limites não vai gerar nenhum trauma, é necessário.

A paternidade respeitosa faz uso intenso da comunicação, escuta e paciência.

Uma criança que se sente cuidada e valorizada é aquela que se sente livre para preservar os sonhos da infância e transformá-los na idade adulta.

Respeitemos a sua infância, respeitemos aquela fase que dá raízes às suas esperanças e asas às suas expectativas.

*DA REDAÇÃO SAG. COM INFORMAÇÕES LLM

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!