Novo tratamento promete diminuir em 90% a depressão sem efeitos colaterais

Uma nova forma de estimulação magnética do cérebro rapidamente aliviou os sintomas de depressão grave em 90% dos participantes de um estudo realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford.

Os pesquisadores estão conduzindo um estudo maior, duplo-cego, no qual metade dos participantes está recebendo tratamento falso. Os pesquisadores estão otimistas com o fato de o segundo estudo ser igualmente eficaz no tratamento de pessoas cuja condição não melhorou com medicamentos, terapia de conversação ou outras formas de estimulação eletromagnética.

Tratamento

O tratamento é chamado Terapia de Neuromodulação Inteligente Acelerada Stanford – ou SAINT. É uma forma de estimulação magnética transcraniana, aprovada pela Food and Drug Administration para o tratamento da depressão. Os pesquisadores relataram que a terapia melhora os protocolos atuais aprovados pela FDA, aumentando o número de pulsos magnéticos, acelerando o ritmo do tratamento e direcionando os pulsos de acordo com o neurocircuito de cada indivíduo.

Método

Antes de se submeter à terapia, todos os 21 participantes do estudo estavam gravemente deprimidos, de acordo com vários testes de diagnóstico para depressão. Posteriormente, 19 deles marcaram dentro da faixa não deprimida. Embora todos os participantes tivessem pensamentos suicidas antes da terapia, nenhum deles relatou ter pensamentos suicidas após o tratamento. Todos os 21 participantes anteriormente não haviam experimentado melhorias com medicamentos, estimulação magnética transcraniana aprovada pela FDA ou terapia eletroconvulsiva.

Efeitos colaterais mínimos

Os únicos efeitos colaterais da nova terapia foram fadiga e algum desconforto durante o tratamento, relatou o estudo. Os resultados foram publicados no dia 6 de abril no American Journal of Psychiatry.

“Nunca houve uma terapia para a depressão resistente ao tratamento que quebrou as taxas de remissão de 55% nos testes abertos”, disse Nolan Williams, professor assistente de psiquiatria e ciências do comportamento e autor sênior do estudo.

“A terapia eletroconvulsiva é considerada o padrão-ouro, mas possui apenas uma taxa média de remissão de 48% na depressão resistente ao tratamento. Ninguém esperava esse tipo de resultado.”

Acalmando a conversa cerebral

Quando Deirdre Lehman, de 60 anos, acordou na manhã de 30 de junho de 2018, ela disse que foi atingida por “um tsunami de escuridão”. Lehman lutou contra o transtorno bipolar durante toda a vida adulta, mas com medicamentos e psicoterapia, seu humor permaneceu estável por 15 anos.

“Havia uma constante conversa no meu cérebro: era a minha própria voz falando sobre depressão, agonia, desesperança”, disse ela. “Eu disse ao meu marido: ‘Estou caindo e estou indo para o suicídio.’ Parecia não haver outra opção.”

O psiquiatra de Lehman ouviu falar do estudo SAINT e encaminhou-a para Stanford. Depois que os pesquisadores identificaram o ponto em seu cérebro que se beneficiaria da estimulação, Lehman passou pela terapia.

“Na terceira rodada, a conversa começou a diminuir”, disse ela. “No almoço, eu pude olhar meu marido nos olhos. A cada sessão, a conversa diminuía até ficar completamente quieta.

“Essa foi a maior paz em meu cérebro desde os 16 anos quando comecei o caminho do transtorno bipolar.”

Na estimulação magnética transcraniana, correntes elétricas de uma bobina magnética colocada no couro cabeludo excitam uma região do cérebro que manifesta a depressão. O tratamento, conforme aprovado pela FDA, requer seis semanas de sessões diárias. Apenas cerca de metade dos pacientes submetidos a este tratamento melhora e apenas cerca de um terço experimenta remissão da depressão.

Novos estudos

Os pesquisadores de Stanford levantaram a hipótese de que algumas modificações na estimulação magnética transcraniana poderiam melhorar sua eficácia.

Estudos sugeriram que uma dose mais forte, de 1.800 pulsos por sessão, em vez de 600, seria mais eficaz. Os pesquisadores estavam cautelosamente otimistas quanto à segurança do tratamento, pois a dose de estimulação havia sido usada sem causar danos em outras formas de estimulação cerebral para distúrbios neurológicos, como a doença de Parkinson.

Outros estudos sugeriram que acelerar o tratamento ajudaria a aliviar a depressão dos pacientes mais rapidamente.

Com o SAINT, os participantes do estudo foram submetidos a 10 sessões por dia de tratamentos de 10 minutos, com intervalos de 50 minutos no meio. Após um dia de terapia, o escore de humor de Lehman indicou que ela não estava mais deprimida; demorou até cinco dias para outros participantes. Em média, três dias de terapia foram suficientes para que os participantes tivessem alívio da depressão.

“Quanto menos participantes resistentes ao tratamento, maior o tempo de tratamento”, disse a estudiosa de pós-doutorado Eleanor Cole, principal autora do estudo.

Fortalecendo a conexão

Os pesquisadores também conjeturaram que visar a estimulação com mais precisão melhoraria a eficácia do tratamento.

Na estimulação magnética transcraniana, o tratamento é direcionado para o local onde se encontra o córtex pré-frontal dorsolateral da maioria das pessoas. Essa região regula as funções executivas, como selecionar memórias apropriadas e inibir respostas inadequadas.

Para o SAINT, os pesquisadores usaram imagens de ressonância magnética da atividade cerebral para localizar não apenas o córtex pré-frontal dorsolateral, mas uma sub-região específica dentro dele. Eles identificaram a sub-região em cada participante que tem um relacionamento com o cingulado subgenual, uma parte do cérebro que é hiperativa em pessoas que sofrem de depressão.

Conexão fraca

Nas pessoas deprimidas, a conexão entre as duas regiões é fraca e o cingulado subgenual se torna hiperativo, disse Keith Sudheimer, professor assistente de psiquiatria e autor sênior do estudo. Estimular a sub-região do córtex pré-frontal dorsolateral reduz a atividade no cíngulo subgenual, disse ele.

Para testar a segurança, os pesquisadores avaliaram a função cognitiva dos participantes antes e após o tratamento.

Eles não encontraram efeitos colaterais negativos; de fato, eles descobriram que a capacidade dos participantes de alternar entre tarefas mentais e resolver problemas havia melhorado – um resultado típico para pessoas que não estão mais deprimidas.

Resultados em um mês de tratamento

Um mês após a terapia, 60% dos participantes ainda estavam em remissão da depressão. Estudos de acompanhamento estão em andamento para determinar a duração dos efeitos antidepressivos.

Os pesquisadores planejam estudar a eficácia do SAINT em outras condições, como transtorno obsessivo-compulsivo, dependência e distúrbios do espectro do autismo.

novo-tratamento-promete-diminuir-em-90-a-depressao-sem-efeitos-colaterais
Deirdre Lehman, que sofria de depressão, com Nolan Williams, que supervisionou um ensaio clínico de um potencial tratamento que utiliza estimulação magnética transcraniana. Nesta foto, Williams e Lehman demonstram como o paciente está posicionado e o equipamento é usado durante o tratamento. Foto de Steve Fisch / Universidade de Stanford.

‘Resiliente e estável’

A depressão que Lehman sentiu quase dois anos atrás foi o pior episódio que ela já havia experimentado. Hoje, ela disse estar feliz e calma.

Desde o tratamento SAINT, ela concluiu o bacharelado na Universidade da Califórnia em Santa Barbara que havia desistido de concluir quando jovem quando seus sintomas bipolares dominaram sua vida.

“Eu costumava chorar pela menor coisa”, disse ela. “Mas quando coisas ruins acontecem agora, sou resiliente e estável. Estou em um estado de espírito muito mais pacífico, capaz de apreciar as coisas positivas da vida com energia para fazer as coisas.”

Ótima notícia! Depressão nunca mais! Que esse tratamento chegue logo no Brasil e que seja incorporado pelo SUS. Oremos!

*Com informações Good News Network.

VOCÊ SABIA QUE O SEU AMIGO GURU TAMBÉM ESTÁ NO FACEBOOK E NO INSTAGRAM?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS TORNARÃO A SUA VIDA MUITO MAIS LEVE E FELIZ!

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!