“Você precisa trabalhar sob pressão!” As sequelas na saúde mental do estresse destrutivo!

A capacidade de trabalhar sob pressão é uma habilidade de trabalho altamente exigida. Há até mesmo muitas pessoas que se orgulham de dizer que são capazes de trabalhar sob pressão de tempo e mostrar isso em seu currículo.

Não há dúvidas de que o mercado de trabalho mudou muito nas últimas décadas. Múltiplas tarefas pendentes, prazos cada vez mais apertados e demandas por disponibilidade quase total fazem do trabalho contra o relógio a norma, e não a exceção. Em uma sociedade que valoriza a produtividade acima de tudo, não poderia ser de outra forma. No entanto, se não pararmos, a pressão do tempo nos esmagará. Literalmente.

As consequências de trabalhar sob pressão por muito tempo

Até certo ponto, é normal que o trabalho gere algum nível de pressão. Trabalhar, às vezes, exige esforço, envolve a superação de obstáculos, a resolução de problemas e, às vezes, a superação de nós mesmos. Isso supõe um gasto considerável de energia e um certo nível de tensão. Portanto, é importante aprender a lidar com o estresse dos prazos e ser capaz de enfrentar a pressão quando devemos melhorar nosso desempenho.

No entanto, esse nível de pressão não pode ser sustentado por muito tempo, nem deve se tornar a norma.

Todos nós temos um nível de tolerância ao estresse e, quando o ultrapassamos, as consequências de trabalhar contra o relógio não demoram a aparecer.

Muito em breve passaremos do eustresse, aquela dose positiva de estresse que nos motiva, fornece energia e até ativa a nossa criatividade, para o distresse, um estresse destrutivo a nível mental e físico.

O estresse de trabalhar sob pressão faz com que nosso desempenho despenque. Não só cria exaustão, mas também, muitas vezes, nos bloqueia, leva à irritabilidade e frustração.

De fato, pesquisadores da Universidade Johannes Gutenberg descobriram que a pressão do tempo no trabalho pode ser pior do que aumentar as horas de trabalho. Os funcionários que foram pressionados a trabalhar mais rápido apresentaram níveis mais altos de estresse e irritabilidade, também em casa, e seu engajamento no trabalho caiu.

Outro estudo realizado na Universidade da Calábria revelou que trabalhar sob pressão de tempo afeta nosso desempenho cognitivo, tanto verbal quanto lógico. Então, como é possível que também haja pesquisas mostrando que trabalhar sob pressão é uma coisa boa?

A explicação vem de um experimento realizado na Alemanha ao longo de oito semanas em que se descobriu que trabalhar inicialmente contra o relógio teve um efeito positivo para as pessoas que o encararam como um desafio.

No entanto, eles também descobriram que com o passar das semanas esse efeito positivo foi revertido. Eles concluíram que “ embora um aumento de curto prazo possa ser benéfico por um período de tempo, a exposição estável e prolongada à pressão do tempo reduz o comprometimento com o trabalho e desmotiva os trabalhadores ”.

Em suma, trabalhar sob pressão de tempo nem sempre é ruim, mas quando isso se tornar a norma, pagaremos o preço.

Precisamos aprender a trabalhar sob pressão, mas também precisamos aprender a dizer “não”.

Por muito tempo, trabalhar sob pressão foi considerado uma habilidade desejável. No entanto, essa imagem está mudando graças a novos estudos psicológicos que mostram que prazos apertados e altas cargas de trabalho reduzem o desempenho e, claro, afetam a saúde psicológica e física dos trabalhadores.

Um ritmo frenético de trabalho, em que começamos uma corrida inútil contra o relógio, não é sustentável nem desejável.

O trabalho deve ser, na maioria das vezes, uma fonte de satisfação profissional e pessoal, não um poço de estresse e desconforto. A pressão arterial deve ser mantida dentro de limites razoáveis ​​e saudáveis.

Precisamos entender que a pressão para terminar o quanto antes – ou para ontem – acaba sendo contraproducente. Afeta nossos resultados, aumenta as chances de cometermos erros e nos leva a realizar trabalhos que estão longe da excelência que poderíamos almejar com prazos mais razoáveis.

Precisamos estar cientes de nossos limites e não concordar em assumir nosso próprio “campo de trabalhos forçados”, como o chamou o filósofo Byung-Chul Han.

Vivemos em uma sociedade de desempenho e é fácil ser levado a acreditar que se somos incapazes de trabalhar sob pressão de tempo, aceitando prazos quase desumanos, não estamos à altura da tarefa. Não é assim. É uma falácia.

A sociedade e as máquinas podem funcionar o quanto quiserem, mas todo ser humano tem limites. Esses limites não o tornam uma pessoa pior ou melhor, mais ou menos valiosa, mas simplesmente humana.

Precisamos reconhecer quando estamos prestes a ultrapassar esses limites, especialmente se trabalhar sob pressão começar a se tornar a norma.

Rejeitar essa pressão permanente não significa que somos menos capazes, mas apenas que precisamos de mais tempo para fazer nosso trabalho melhor e com mais conforto.

Significa, acima de tudo, que valorizamos nosso equilíbrio mental e nossa saúde acima das expectativas e pressões. E, talvez, com alguma sorte, isso signifique que estamos dando um passo para mudar um modelo de trabalho que não é sustentável – nem desejável.

Fontes:

Baethge, A. et. Al. (2019) “Alguns dias não vão acabar nunca”: Trabalhar mais rápido e por mais tempo como condição limite para os efeitos de desafio versus impedimento da pressão do tempo. Revista de Psicologia da Saúde Ocupacional ; 24(3): 322-332.

Baethge, A. et. Al. (2018) Uma questão de tempo? Efeitos desafiadores e dificultadores da pressão do tempo no engajamento no trabalho. Trabalho e Estresse ; 32(3): 228-247.

De Paola, M. & Gioia, F. (2016) Quem tem melhor desempenho sob pressão do tempo? Resultados de um experimento de campo. Revista de Psicologia Econômica ; 53: 37-53.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RT. Foto de Yosi Prihantoro no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!