Não ter nada em comum não significa o fim: Como a diferença pode salvar seu relacionamento.

Não ter “nada em comum” é frequentemente entendido e experimentado como incompatibilidade, ou ser tão diferente que não podemos coexistir harmoniosamente. No entanto, embora a diferença em um relacionamento seja inevitável, o conflito que frequentemente a acompanha não é.

O conflito prospera em nossa incapacidade de tolerar a diferença, que por sua vez se origina de um medo cerebral antigo e profundamente enraizado.

Nossos ancestrais reptilianos com seus cérebros básicos reagiram às diferenças no ambiente como um perigo potencial.

À medida que evoluímos e aprendemos que viver em grupos e cuidar uns dos outros conferia vantagens de sobrevivência significativas, ser diferente parecia uma ameaça porque corria o risco de ser rejeitado e isolado da segurança dos outros.

Portanto, não é nossa culpa que a diferença nos faça sentir alertas e na defensiva, mas torna-se nosso problema quando permitimos que essas emoções básicas controlem nosso comportamento.

Um dos motivos pelos quais o conflito prospera é porque muitas vezes nosso foco está totalmente na outra pessoa ou na situação que está desencadeando nossa resposta à ameaça.

Isso é útil nas raras (para a maioria de nós) ocasiões em que as pessoas e situações ameaçam a vida. No entanto, na maioria das vezes, as emoções de ameaça são estimuladas não por perigos reais, mas por memórias de experiências social e psicologicamente dolorosas que nos sensibilizaram para a desaprovação, crítica e julgamento.

Quando celebramos a diferença, afastamos nossa atenção do outro e voltamos para nós mesmos.

Esta ‘virada para dentro’ nos ajuda a aprender e distinguir entre as ameaças que devemos reagir rapidamente – como fugir de um ataque – e aqueles com os quais podemos lidar acalmando nossas emoções – como ficar com raiva por ser criticado.

Para a maioria de nós, as ameaças às quais devemos reagir rapidamente são, felizmente, poucas.

Cultivar a indiferença não é ruim como pensamos, é uma forma de desapegarmos, ela aumenta à medida que abandonamos ou afrouxamos nosso apego ao modo como as coisas “deveriam” ser.

Shoulds, mostos e deveres controlar e restringir a forma como entendemos nosso mundo e nossas relações.

Quando somos indiferentes , sustentamos a ‘verdade’ levianamente e nos tornamos abertos a múltiplas possibilidades de viver e nos relacionar.

Quando estamos centrados e calmos, a indiferença é sentida como um desapego compassivo onde podemos amar, ‘sem a sombra do interesse próprio cruzando abaixo da superfície como um tubarão mal-humorado’. (Hollis, 1998).

O psicólogo William James descreveu a indiferença como ” toda visão do mundo que faz com que o infinito e a continuidade sejam sua essência”.

James estava descrevendo estados de consciência nos quais categorias, divisões e polarizações se tornam desnecessárias e sem importância quando começamos a ver a interconexão, comunalidade e unidade de todas as coisas.

Esse tipo de consciência surge quando somos capazes de nos centrar e nos acalmar e quando somos capazes de permanecer receptivos às nossas experiências sem julgar, criticar ou rejeitar prematuramente.

A indiferença é um estado de espírito não fixo ou preocupado com preocupações do passado ou do futuro, mas que está presente, aberto e curioso.

Então, por exemplo, quando você me critica, eu não me defendo mais ou ataco você, mas sim receba suas críticas com aberta curiosidade – afinal, suas críticas não vão me matar e você pode ter ideias com as quais posso aprender.

Quando o seu parceiro o aborrece ou aborrece porque está sendo ou fazendo algo que você não gosta, quer ou espera, você pode experimentar a primeira prática que nos leva à indiferença, que é o retorno ao nosso centro.

Funciona assim:

Percebemos que estamos ameaçados, o que significa prestar atenção ao nosso corpo e à nossa vida interior de forma mais aberta e frequente.

Usamos nossa respiração para apoiar uma resposta reguladora de ameaça em nossos corpos, o que significa entender como a respiração funciona e praticar bem a respiração.

Interrompemos nosso hábito mental de julgar, analisar ou criticar o que está acontecendo dentro, para e ao nosso redor com uma conversa interna gentil e usando nossa respiração como um ponto focal, ou âncora, para nos ‘segurar’ no centro quando ficar distraído ou oprimido.

Continuamos a falar com nós mesmos suavemente e respirar regularmente até que nosso corpo e mente se acalmem.

Nós nos perdoamos se não podemos fazer isso e se momentaneamente – ou significativamente – nos perdermos na ameaça.

Tentamos novamente.

Assim que formos capazes de acalmar nossas emoções de ameaça, podemos dar o próximo passo em direção à indiferença, que é entender por que ela nos angustia. Isso envolve uma exploração mais profunda de nossas muitas memórias e associações inconscientes.

Por exemplo, quando a espontaneidade de meu parceiro me enfurece porque gosto de planejar com antecedência, posso descobrir, por meio de uma investigação mais profunda, que minha necessidade de ter controle e ordem na vida é um legado de como sobrevivi à imprevisibilidade do alcoolismo dos pais.

À medida que praticamos a indiferença, começamos a notar as muitas polaridades que nos levam ao conflito, como espontâneo-controlador, introvertido – extrovertido, submisso-dominante, ordem-caos, vocal-silencioso, compromisso-liberdade.

E aprendemos que os problemas surgem quando vivemos nos extremos dessas polaridades sem reconhecer ou aceitar o pólo oposto e o contínuo intermediário.

Quando podemos prometer amar ‘a diferença’, nossos relacionamentos vão florescer.

Referências

Hollis, J. (1998) The Eden Project: In Search of the Magical Other. Livros Inter City.

James, W. (1977) The Varieties of Religious Experience. Collier Books.

Wickremasinghe, N. (2021) Estar com os outros: maldições, feitiços e cintilações. Triarchy Press

*Com informações PT

https://www.psychologytoday.com/us/blog/spellbound/202101/having-nothing-in-common-doesnt-spell-the-end?fbclid=IwAR2BGxopv9wADXIY4gmE3KzNvTTEHNbbATs-j0h2wAN6GdMk0tH2caagUsE. *Foto de Julian Wan no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!