Eles dizem que você é uma pessoa muito intensa e sensível? Há quem veja nessa forma de ser um problema porque não entende bem como você é.

Na verdade, o problema não é com você.

“Eles me dizem que sou uma pessoa intensa, que faço drama e que tendo a superestimar o que acontece comigo.”

Esse sentimento é familiar para você?

A verdade é que em nosso universo interno somos todos sensíveis e temos emoções na superfície. A diferença é que há quem tenha traços mais particulares em seu modo de ser e de lidar com o que sente.

Há quem não reprima o que sente e o expresse abertamente, sem filtros.

Há aqueles que vivenciam de forma mais profunda toda aquela gama de emoções que definem o ser humano e às vezes caem na ambivalência. Eles podem sentir um certo equilíbrio na tristeza e até uma certa angústia nos momentos felizes.

Agora, há algo de errado se alguém se identificar com esse perfil psicoemocional?

A realidade é não. No entanto, é claro que vivemos em um mundo acostumado – quase obcecado- a definir o que é “normal”.

A personalidade intensa é percebida como imprevisível e difícil de controlar ou entender. Isso significa que aqueles que vivem, sentem e agem por meio desse padrão são frequentemente vistos com preocupação.

Nós o analisamos.

A intensidade emocional é um traço que aparece com frequência em pessoas altamente empáticas e com perfil altamente sensível.

Sou uma pessoa intensa: o que posso fazer?

Quando me dizem que sou uma pessoa intensa, fico chateada e, como esperado, não me cai bem.

É muito comum encontrar aqueles números acostumados a rotular os outros. Além disso, outro fato aparece. A sociedade não aceita ou compreende aqueles que expressam abertamente suas emoções ou respondem com mais sensibilidade a qualquer evento.

São aqueles raros avis que são difíceis não só de entender, mas também de dominar. Eles são imprevisíveis, excessivamente apaixonados e exibem uma vitalidade fora do padrão em um mundo acostumado à disputa. Também para esconder o que você sente. Portanto, ter personalidades que vibram de maneira diferente pode ser visto como uma ameaça às vezes.

Então, como agimos quando ouvimos frequentemente esse comentário?

Entenda quem você é para saber que não tem problema

A personalidade intensa está relacionada à alta sensibilidade e outros traços que compõem um perfil próprio. De fato, a Universidade Vanderbitt e o hospital de Massachusetts publicaram um estudo sobre o assunto anos atrás. Referia-se ao desenvolvimento de uma escala para sua detecção.

Estamos diante de uma tipologia de personalidade com características mensuráveis ​​e identificáveis. Vejamos abaixo as dimensões que os definem.

Profundidade emocional e paixão. Toda emoção, seja de valência positiva ou negativa, é vivida intensamente. Além disso, são pessoas muito comprometidas e apaixonadas no que fazem.

Alta empatia e sensibilidade . O traço de alta sensibilidade, tanto emocional quanto fisiológica, está presente nesse perfil de personalidade. Ou seja, podem ser incomodados por sons, cheiros e luzes intensas.

Alta percepção e observação. Eles também são pessoas muito intuitivas.

Em média, esse padrão de personalidade se correlaciona com a extroversão.

Sua alta imaginação, criatividade e dinamismo se destacam . Eles são homens e mulheres muito ativos que precisam se conectar com seu ambiente.

Da mesma forma, outra característica particular são as crises existenciais. Em geral, tendem a questionar muitos aspectos da realidade que os cerca: sociedade, relacionamentos, sentido da vida, etc.

Também é importante referir-se à ambivalência emocional mencionada acima. Ou seja, aquela sensação de ter pensamentos e emoções de valência positiva e negativa é algo comum neles.

Uma característica de pessoas muito intensas é o êxtase: uma emoção avassaladora que manifestam quando apreciam a arte, seu trabalho, amizade ou amor. Essa maneira efusiva de aproveitar a vida pode ser desconcertante ou intimidadora para os outros.

Por que isso é um problema para os outros?

De fato, quando me dizem que sou uma pessoa intensa, a primeira coisa que sinto é que há um problema em mim. No entanto, é melhor ser claro sobre um detalhe.

A intensidade emocional não é uma patologia. Na realidade, esses tipos de comentários respondem ao costume de aplicar o epíteto “demais” a quase qualquer comportamento que vá além do que é considerado “normal”.

Eva é “muito intensa”. Pablo é “muito tímido”. Laura é “muito dramática”. Ernesto é “muito impulsivo”.

Parece que, em média, todos nós temos dificuldade em nos encaixar nesse ponto intermediário em que não atraímos atenção ou não somos apontados.

Desta forma, e no que diz respeito à personalidade intensa, é comum que experimentem certos altos e baixos nas suas relações sociais.

São perfis muito dinâmicos que precisam de grande estímulo intelectual. Isso significa que nem todos conseguem acompanhá-los, que são vistos como “muito hiperativos, apaixonados, mutáveis”.

Da mesma forma, dada a sua grande empatia e profundidade emocional, muitas vezes têm problemas em seus relacionamentos afetivos. Nem sempre se sentem amados como deveriam ser, são muito sensíveis às críticas e frequentemente sofrem decepções.

A alegria, a paixão e a vitalidade que as pessoas emocionalmente intensas experimentam são diretamente proporcionais ao sofrimento que às vezes podem sentir. Tudo é vivido de forma efusiva.

Que aspetos deve ter em conta?

Na verdade, se me dizem que sou uma pessoa intensa, o problema central não está aí. O que os outros podem pensar não é relevante. Afinal, o que é a vida se não a vivenciamos de forma autêntica, intensa e apaixonada? Basicamente nada, uma folha levada pelo vento.

Agora, há outro aspecto decisivo. A sensibilidade da personalidade intensa dificulta às vezes a adaptação , a manutenção de relações sociais satisfatórias e a imunidade às injustiças deste mundo. É difícil regular as emoções, principalmente quando se leva à tristeza, decepção, contradição ou angústia.

O desafio para esses homens e mulheres é aproveitar ao máximo seus dons.

Isso acontece desenvolvendo habilidades para gerenciar emoções e ajustar expectativas mais realistas sobre as pessoas e a própria vida.

Pode-se nascer com asas nas costas, mas às vezes, voando muito alto, perdemos a perspectiva das coisas.

*DA REDAÇÃO SAG. VIA TC.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!