Tudo mudou; está diferente. Mas segura firme, e faça uma oração. Tenha calma, tenha esperança. Deus não abandona ninguém.

Dá vontade de chorar, de sair correndo. O olhar fica buscando, o coração se revira um tanto.

Dá vontade de passar uma borracha e não ver mais o que está acontecendo.

Agradeça por conseguir atravessar tudo isso sabendo que há um grande propósito.

Eu sei, é confuso, por vezes doído. Mas vai passar, porquê há a mão de Deus tocando seu íntimo.

Não descuide, continue acreditando.

Peço por você, por seus familiares, por seus amigos, por todos que continuam lutando.

É a fé que mostra o poder da força, da cura, da transição.

Fique bem. Eu também estou tentando.

Que essa coisa enroscada no peito se dissolva, e que, você sinta essa luz divina atravessando sua porta.

Tenha calma, tenha esperança. Deus não abandona ninguém.

Durma em paz e que os bons espíritos lhe concedam serenidade espiritual.

Estou junto; também sinto as mesmas coisas que você.

Com o tempo a gente aprende a soltar tudo ao vento, a cessar a guerra, a abraçar a paz; a gente amadurece com transparência sem medo do que pensam ou dizem sobre nós.

Vamos nos tornando menos dependentes de atitudes, de afeto, de atenção.

Deixamos de agradar, para sermos mais humanos conosco indo de encontro ao que realmente faz nossa alma fluir sem peso, sem medida, sem ostentação ou sentimento de culpa.

A gente aprende que o melindre não leva a nada, e que, fechar a cara pra vida, só resulta em um espírito menos maleável e indisposto a crer mais em si.

A gente vai se moldando, se adaptando ao agora, sem querer trazer aquele excesso de coisas tóxicas, que só fizeram a gente viver sempre na desconfiança ou na dor emocional.

A gente se junta, se remenda, se nutre e deixa o sol bater no rosto sentindo que Deus nos afiançou e nos deu grandes livramentos antes condenáveis por nós mesmos.

E quando a gente percebe a estação em que nos encontramos, quem nos rodeia, quem nos presenteia com alegria, quando damos mais de nós compartilhando troca de afeto e respeito, o calor humano passa a ser mais vital.

Com o tempo deixamos de questionar tanto, deixamos de querer impressionar, de querer ser o centro das atenções, pra viver uma vida de mais calmaria interior, diminuindo a barulho externo, diminuindo expectativas, diminuindo o foco em coisas sem serventia.

A maturidade chega e a gente continua aprendendo mesmo que nos julguem incapazes, mesmo que nos tornem tiranos ou bandidos.

Não precisamos de holofotes, aplausos, falsos tapinhas nas costas.

Com o tempo a gente para de implicar com o que não precisa, pra viver o que é necessário.

A gente cresce e não se apequena pra caber no ego, na vaidade ou na maldade de ninguém.

A gente cresce mais saudável, mais bonito, mas fiel ao que precisamos em nosso momento.

A gente se solta, se desamarra, se coloca em outro estágio espiritual.

É a vida ensinando, são as situações nos mostrando, são nossos instintos aflorando desmascarando coisas que antes não víamos.

Vivemos sem tantos planos, sem tanto alarde, sabendo das nossas opções e o que realmente serve para cada um de nós.

Sem tantos nós, ajeitando nossas camadas, prestando mais atenção ao que realmente importa, vamos nos importando menos com coisas pequenas.

O tempo é nosso aliado, nossa cura, nossa visão interior.

É paz mental.

E dentro dessa paz, faça uma oração com o coração cheio de amor! Deus não abandona ninguém! Ele só envia as lições que precisamos aprender com o tempo.

*Foto de Ashkan Forouzani no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Sil Guidorizzi
Sou Paulista, descendente de Italianos. Libriana. Escritora. Cantora. Debruço-me sobre as palavras. Elas causam um efeito devastador em mim. Trazem-me â tona. Fazem-me enxergar a vida por outro prisma. Meu primeiro Livro foi lançado em Fevereiro de 2016. Amor Essência e Seus Encontros pela Editora Penalux. O prefácio foi escrito pelo Poeta e Jornalista Fernando Coelho. A orelha escrita pelo Poeta e jornalista Ivan de Almeida. O básico do viver está no simples que habita em mim.