Temos que vencer “o dragão do ódio, que faz tanto mal, e o dragão da mentira”, diz arcebispo de Aparecida

Em missa solene na manhã desta 4ª feira (12.out), Dia de Nossa Senhora Aparecida, o arcebispo de Aparecida (SP), Dom Orlando Brandes, se referiu ao ódio, à mentira, ao desemprego e à incredulidade como “dragões” e disse que Maria irá vencê-los.

“Maria venceu o dragão. Temos muitos dragões que ela vai vencer. O dragão que é o tentador, o dragão que já foi vencido, a pandemia, mas temos o dragão do ódio, que faz tanto mal, e o dragão da mentira, e a mentira não é de Deus, é do maligno, e o dragão do desemprego, o dragão da fome, o dragão da incredulidade”, explanou o arcebispo.

Enquanto o candidato a presidência, Jair Bolsonaro promovia um evento particular com os seus apoiadores no mesmo horário bem perto dali, na tentativa de enfraquecer o dia de Maria, Dom Orlando fez questão de enaltecâ-la.

“Com Maria, vamos vencer o mal e vamos dar prioridade ao bem, à verdade e à Justiça que o povo merece porque tem fé e ama Nossa Senhora Aparecida”.

A fala foi recebida como uma indireta ao atual Presidente da República, Jair Bolsonaro, que compareceu à cidade e tentou tumultuar e persuadir os visitantes para comparecer ao seu “comício” e macular a festa da fegura feminina mais importante para a Igreja Católica.

O seu opositor, Lula, optou por não pedir votos no dia da virgem santíssima.

ARCEBISPO

Ao final da missa, questionado, o arcebispo esclareceu que o Presidente era bem-vindo e demonstrou respeito:

“Não posso julgar as pessoas, mas nós precisamos ter uma identidade religiosa. Ou somos evangélicos ou somos católicos, então precisamos ser fiéis a nossa identidade católica, mas seja qual for a intenção, (ele) vai ser bem recebido, porque é o nosso presidente e é por isso que nós o acolhemos”, disse o religioso.

Dom Orlando pediu para que todos exerçam o poder do voto e que respeitem o resultado das urnas.

“Nós vamos ter que acolher aquele que for eleito com o voto e o poder do povo. Vamos votar. É a democracia que ainda existe. O poder do voto, a soberania do povo. Isso que nós devemos falar, devemos ajudar o povo a votar.

Mas o arcebisbo deixou claro que não devemos inventar mentiras para benefício próprio.

“Há uma diferença entre buscar a verdade e buscar interesses. É muito diferente a verdade da ideologia. A gente tem que ser muito sincero. Nós temos um compromisso ético com a verdade, com a verdade na política. Mas a política caminha muito pelos caminhos ideológicos, que são de grupos e interesses, às vezes, pessoais”, afirmou.

Em tempos de fake news e negação de Deus, o arcebispo frixou:

“Isso que é importante: distinguir a ideologia e a verdade. Para nós, a verdade é nosso senhor Jesus Cristo e o Evangelho”.

ASSISTA:

*DA REDAÇÃO SAG. COM INFORMAÇÕES UOL E G1.

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!