Tecnologia revolucionária neutraliza a radioatividade em torno de Chernobyl em 47%

Como se comprometeram a fazer em abril passado, por ocasião da 35ª comemoração do acidente de Chernobyl, a empresa Exlterra, com sede na Suíça, relatou resultados espetaculares após um ano de descontaminação em um terreno de 2,5 acres (1 hectare), localizado no zona de exclusão radioativa em torno da fábrica na Ucrânia.

A Exlterra anunciou no mês passado que a poluição radioativa no solo diminuiu 47%, e no ar acima do solo em média 37%, um ano após a instalação de sua tecnologia NSPS (Nucleus Separation Passive System).

A empresa acredita que a remediação total da área é “seriamente concebível em quatro anos” – sem mover qualquer terra ou usar quaisquer produtos químicos.

Sustentabilidade é a linha seguida pela Exlterra (pronuncia-se excel – terra), que foi cofundada em 2013 pelo polonês-americano Andrew Niemczyk. Até agora, suas novas tecnologias não são apenas capazes de limpar com segurança paisagens marcadas pela radiação – com perspectivas promissoras para o tratamento de resíduos radioativos – mas também transformar a energia hidráulica e aumentar os níveis de nutrição das árvores.

A tecnologia subterrânea NSPS foi instalada em Chernobyl entre novembro de 2019 e setembro de 2020 e acelerou significativamente a decomposição de elementos radioativos, aproveitando a energia existente no solo em um processo sustentável.

Ele usa uma série de tubos de formato específico, com comprimento e distância designados entre si, o que permite que os radionuclídeos se descontaminem naturalmente em um ritmo muito mais rápido do que os 24.000 anos que levariam por conta própria.

Doze meses após sua implantação, as substâncias radioativas Cs137, Sr90 e Am241, foram reduzidas em 47%, em média.

A metodologia e o rigoroso processo de medição foram conduzidos por especialistas ucranianos como Sergiy Kireiev, que é o encarregado de cuidar da planta desde seu limite de segurança, décadas atrás.

“Esses resultados são notáveis”, disse Kireiev, Diretor Geral da SSE Ecocentre em Chernobyl. “É a primeira vez em 35 anos que tal tecnologia conseguiu reduzir o nível de radioatividade no solo e no ar de forma significativa. Esta é uma verdadeira esperança para toda a área.”

“Esta redução de 12 meses na radioatividade nos permitirá trazer esta parcela de volta ao seu nível original de radioatividade em um período de 5 anos”, explica Frank Muller, cofundador e CEO da Exlterra.

“Também queremos oferecer nossa solução rapidamente em outros locais problemáticos ao redor do mundo, incluindo Fukushima no Japão.”

Aproveitando as próprias partículas de alta velocidade da natureza

A tecnologia NSPS usa conceitos científicos de física de partículas e energia nuclear para resolver o problema de contaminação severa. Ele aproveita em particular as partículas de alta velocidade, também conhecidas como pósitrons, para direcionar essa força que ocorre naturalmente para os isótopos radioativos no solo e quebra as ligações que os mantêm unidos.

Isso é feito com segurança sob a superfície do solo e nenhuma radioatividade é liberada no solo ou acima do solo no ar, de acordo com Exlterra. Assim que o pósitron entra em contato com o isótopo radioativo, ele se reúne a um elétron e se aniquila de volta à sua matéria original.

“O que parecia impossível agora é uma realidade”, disse o presidente e CTO da Exlterra, Niemczyk, no anúncio da tecnologia.

“NSPS é uma inovação que permite que os pósitrons se acelerem naturalmente em um sistema passivo para remover áreas contaminadas. Ele aproveita as fontes de energia renováveis ​​presentes na natureza para acelerar consideravelmente o processo natural de decomposição de contaminantes no solo. ”

“Isso é o que torna esta invenção única – ela usa energias naturais para resolver uma poluição industrial sem recorrer a substitutos químicos ou manipulação do solo.”

Uma revolução científica com múltiplas aplicações

Além de tratar a radioatividade, a tecnologia NSPS também pode ser usada para tratar outros tipos de contaminação do solo, incluindo metais pesados ​​e substâncias perfluoroalquílicas, que são altamente problemáticas para o meio ambiente.

“Estamos apenas no início da aplicação virtuosa dessa tecnologia”, diz o inventor Niemczyk.

“Tal como acontece com nossas outras tecnologias comercializadas com sucesso, demonstramos que podemos usar os recursos da natureza para curar as feridas que infligimos a ela.

O denominador comum de nossas tecnologias, instaladas no subsolo, é o uso de forças naturais e renováveis ​​para alcançar resultados tangíveis”.

A descoberta da tecnologia NSPS de Niemczyk é apresentada em um novo livro, Grounds for Freedom: Saving Chernobyl, do jornalista RJ King, que também criou um site SavingChernobyl.com.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações Exlterra

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!