Em 2001, Stephen Hawking alertou que um vírus atingiria a humanidade. Mais perigoso que uma guerra.

Enquanto o mundo ainda sofre a devastação da pandemia de COVID-19, que já dura quatro meses, foram recuperadas as declarações do aclamado físico Stephen Hawking, que advertiu em 2001 que a raça humana poderia se extinguir por conta de um vírus, e não por um conflito bélico.

O renomado cientista destacou a vulnerabilidade dos humanos a surtos infecciosos por vírus, sugerindo que as colônias espaciais seriam a alternativa.

Em 2001, quando este milênio estava apenas começando, Hawking alertou que os humanos provavelmente não chegariam até o ano 3000, e a causa seria um surto infeccioso e suas palavras ganharam vida hoje em dia.

“Embora o 11 de setembro de 2001 tenha sido horrível, ele não ameaçou a sobrevivência da raça humana, como as armas nucleares”, disse o cientista da Universidade de Cambridge na época, em conversa com o The Telegraph, apenas um mês após o ataque terrorista nos Estados Unidos.

“Para longo prazo, estou mais preocupado com a biologia. As armas nucleares precisam de grandes instalações, mas a engenharia genética pode ser feita em um pequeno laboratório. Nem todos os laboratórios do mundo podem ser regulamentados. O perigo é que, por acidente ou por design, acabamos criando um vírus que nos destrói”, acrescentou.

Um ano após esse aviso, eclodiu um surto infeccioso de coronavírus Sars na China, que evoluiu para uma pandemia, com mais de 8.000 infectados.

No entanto, agora, 18 anos depois, com a pandemia do COVID-19, que teve seus primeiros casos no final de 2019, sua previsão parece fazer mais sentido.

Este novo coronavírus já infectou mais de 10.500.000 de pessoas em todo o mundo e mais de 500.000 morreram. No entanto, embora a taxa de mortalidade seja baixa nessa doença, ela mostra como os seres humanos são vulneráveis ​​a novos surtos desconhecidos.

Por esse motivo, Hawking apontou naquele tempo incursões em outros planetas e colônias espaciais como possíveis alternativas para a raça humana sobreviver. Explorações como nos filmes de ficção parecem menos absurdas.

“Eu não acho que a raça humana não sobreviverá nos próximos mil anos, a menos que nos espalhemos pelo espaço. Existem muitos acidentes que podem acontecer com a vida em um único planeta. Mas estou otimista. Vamos alcançar as estrelas”, disse ele.

“Acho que os humanos terão que aprender a viver no espaço”, acrescentou.

Este aclamado cientista britânico, que sofria de esclerose lateral amiotrófica, uma doença diagnosticada aos 21 anos de idade e que impossibilitava a mobilidade,e levou à sua morte em 14 de março de 2018, aos 76 anos.

Seu aviso hoje parece ser uma mensagem a seguir.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru. Com informações de UPSOCL , escrito por Por Cristofer García.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!