A startup mexicana transforma lixo plástico em moradias duráveis ​​e acessíveis para combater a pobreza.

IDEIA ENFRENTA OS DUPLOS PROBLEMAS DE POLUIÇÃO PLÁSTICA E POBREZA EXTREMA COM UMA SOLUÇÃO CLARA

EcoDom, uma startup em Puebla, México, está combatendo os dois enormes problemas de poluição por plástico e pobreza extrema com uma solução muito inteligente. Eles estão usando o lixo plástico do país e reciclando-o em materiais de construção para moradias populares.

Com cerca de 5 milhões de toneladas de plástico consumidas no México anualmente, eles com certeza não têm falta de matéria-prima para trabalhar.

As matérias-primas são abundantes: o México é o 12º maior consumidor de plásticos do mundo, consumindo mais de 5 milhões de toneladas de plástico a cada ano.

Primeiro, o EcoDom começa coletando resíduos de plástico usados ​​de qualquer tipo e, em seguida, classificando-os em um tipo que derreta sem liberar gases tóxicos. Em seguida, eles usam uma máquina para cortar o plástico em pequenos pedaços.

resíduos-do-lixo
Fonte: VisualNews

NO MÉXICO, QUASE 10% DA POPULAÇÃO VIVE EM EXTREMA POBREZA

O México é o 12º maior consumidor de plásticos do mundo, consumindo mais de 5 milhões de toneladas de plástico a cada ano. Criado no estado de Puebla, Carlos Daniel González lembra a prevalência dessa poluição e seus danos à sua comunidade.

“Quando criança, lembro-me de ver todo o plástico e a contaminação que ele causava, para nós e para os animais”, disse González à Unreasonable. “Sempre me preocupei com o meio ambiente, então decidi que precisava criar e liderar uma solução.”

Em 2013, ele fundou a EcoDom para construir casas duráveis ​​e acessíveis usando plástico reciclado. Além disso, González decidiu empregar sua solução ambiental para tratar de outro problema grave em seu país: os mexicanos que vivem em extrema pobreza.

No México, 11,5 milhões de pessoas – quase 10% de toda a população do país – vivem em extrema pobreza. Puebla, onde está sediada a EcoDom, é um dos estados mais pobres do México, com 64% da população vivendo na pobreza. Segundo González, isso geralmente significa que as pessoas em seu bairro não têm as necessidades básicas de alimentação e moradia.

“Vivo em um lugar com muita pobreza e problemas de marginalização”, disse González. “Algumas pessoas vivem em condições realmente deploráveis, lugares que nem dá para chamar de casa. Minha visão é muito clara. Tenho a convicção de ajudar o máximo de pessoas que puder a ter uma vida digna, livrando-me da pobreza extrema, limpando meu país ao mesmo tempo.”

O EcoDom faz isso coletando plástico, derretendo-o e moldando-o em grandes painéis e usando esses painéis como paredes e tetos para construir casas isoladas.

Os painéis têm aproximadamente o mesmo tamanho de uma folha padrão de compensado de construção. Em seguida, o plástico é colocado em um forno a 350 graus C (660F), onde passa cerca de meia hora derretendo.

Uma vez que a mistura esteja macia o suficiente, ela é colocada em uma prensa hidráulica onde é achatada em painéis de aproximadamente 2,5 metros de comprimento, 1,2 metros de largura e 2,5 centímetros de espessura – aproximadamente do tamanho de uma folha padrão de madeira compensada de construção, mas muito mais resistente e resistente à umidade e os elementos.

https://unreasonablegroup.com/articles/ecodomum-story/
Fonte: VisualNews

DEMORA APENAS SETE DIAS PARA CONSTRUIR UMA CASA QUE USA DUAS TONELADAS DE PLÁSTICO

Segundo González, o processo é relativamente simples. Primeiro, a empresa coleta todos os tipos de plásticos usados ​​- de garrafas de refrigerante a brinquedos velhos – e os separa para encontrar os tipos que derretem sem emitir gases prejudiciais. Em seguida, eles colocam o plástico em uma máquina para cortá-lo. As peças são colocadas em um forno que aquece até 350 graus Celsius (acima de 600 graus Fahrenheit), levando cerca de meia hora para derreter todo o material. Por fim, o líquido passa por uma prensa hidráulica, que simultaneamente comprime e cristaliza o plástico na forma dos painéis.

Cada painel tem quase 2,5 metros de comprimento, 1,20 de largura e cerca de 2,5 cm de espessura. As casas têm normalmente cerca de 430-460 pés quadrados (referente a mais de 130 metros quadrados) e contêm dois quartos, mais um banheiro, uma sala de estar e uma cozinha.

A construção de uma casa requer 80 painéis e, com sua capacidade atual, a fábrica da EcoDom produz 120 painéis por dia, transformando e reaproveitando 5,5 toneladas do que antes era lixo plástico.

“Leva apenas sete dias para construir uma casa que usa duas toneladas de plástico”, disse González. Além disso, as propriedades duráveis, impermeáveis ​​e acessíveis do plástico, que lhe proporcionaram uma vantagem competitiva por décadas, também se aplicam a essas casas. “[Uma casa] mantém você aquecido, os custos são baixos, é ótimo para o meio ambiente e vai durar 100 anos sem desmoronar. Estas são apenas algumas das nossas propostas de valor. ”

Assista ao vídeo:

PLASTIC WASTE BECOMES AFFORDABLE HOMES

A new home for under 300 bucks AND it's sustainable? Sign us up!

Posted by Waste-Ed on Tuesday, January 5, 2021

As casas têm vários benefícios: O plástico não se decompõe, o que é um problema até que você o transforme em uma casa que queira durar 100 anos.

Como uma garrafa de plástico, os painéis também não vazam água.

Cada uma das casas da EcoDomum usa 2 toneladas de plástico e com os subsídios governamentais atuais o custo total é de apenas 5.000 pesos (ou aproximadamente $ 280 USD), por casa.

O ECODOM TAMBÉM ESTIMULA A ECONOMIA LOCAL, PAGANDO AOS CATADORES DE LIXO UMA TAXA MAIS ELEVADA PELO TRABALHO

Embora a startup tenha construído dois protótipos de casas, a EcoDom vende principalmente os painéis individualmente – um telhado por 600 pesos (33 USD), uma parede externa por 650 pesos (36 USD) e uma parede interna por 500 pesos (28 USD) – para locais governos e organizações que cuidam da construção de moradias subsidiadas.

As famílias só precisam pagar 5.000 pesos (aproximadamente 280 dólares) por uma casa de mais de 130 metros quadrados.

Além de ajudar o meio ambiente e abrigar os necessitados, o EcoDom também estimula a economia local, pagando aos catadores de lixo uma taxa mais elevada pelo seu trabalho.

Segundo González, os catadores de lixo mexicanos recebem salários abusivos de grandes empresas, em torno de 1,5 pesos (6 centavos) por 1 quilo (2,2 libras).

Ele pensava que se pudesse formar alianças com essas empresas, pagando-lhes para pagar salários mais altos aos seus funcionários, poderia garantir um fornecimento constante de material para os painéis de sua empresa. Funcionou, e ele quase dobrou o salário de vários catadores de lixo.

Até o momento, a startup construiu quinhentos quartos de 135 pés quadrados (40 metros quadrados) para a cidade de Huauchinango, Puebla.

A cidade de Chiconcuhutla contratou a empresa para construir 150 casas de 460 metros quadrados cada. Atualmente, a EcoDom está trabalhando em um contrato da cidade de Pahuatlán para mais 150 casas. Em 2016, a empresa deve se mudar para um armazém maior e começar a se expandir por todo o México.

“Isso tem potencial para crescer exponencialmente”, disse González.

“O problema do lixo é enorme no meu país. Em todo o mundo, existe uma tonelada de lixo. No próximo ano, quero fazer a empresa crescer dez vezes. Primeiro, vamos nos concentrar no México, mas em 3-5 anos, queremos ir para outros países. Existe pobreza em toda parte. O mundo é uma casa para todos e vale a pena lutar para expandir esse negócio. Vou dedicar o resto da minha vida a isso.”

Esperamos que essa ideia seja aplicada aqui no Brasil e no resto do mundo! Existem soluções para a pobreza, o que falta é boa vontade política.

*Traduzido e livremente adaptado por SAG. *Fonte: UnreasonableGroup

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!