Sou feito de fé, cheio de força, inspiração, e tenho orgulho dos meus sonhos e da minha história!

A gente vai andando é pra frente, passo a passo, chutando as pedras, pulando os buracos, chutando portas fechadas e superando cada obstáculo.

De pouco em pouco a gente vai longe, sem precisar correr, sem risco de cair, sem se afobar e sem se perder.

De pouco em pouco a gente vai se ajeitando, vai se moldando, já não esquenta com qualquer coisa, aprende a confiar no próprio taco, aprende a superar os percalços, não cai mais em qualquer conversa e tem sabedoria suficiente pra curtir a vida sem pressa.

Aprendemos a apanhar o suficiente para nos manter em pé até o fim da luta. Sem atalhos, vaidades, mentiras, rasteiras ou disputas.

Devagarzinho a gente vai se entendendo, se compreendendo e descobrindo que não somos máquinas.

Somos falhos, temos medo, vergonha dos erros e receio por algumas decisões precipitadas. Mas também somos feito de fé, somos cheios de força, inspiração, e temos orgulho de nossos sonhos e histórias.

Acreditamos no destino, na força da fé e sabemos que não é necessário correria, maldade ou covardia para se alcançar as glórias.

Para chegarmos lá na frente o melhor caminho é percorrido calmamente, sem se precipitar, com paciência e na paz de cada dia.

Vamos em frente guardando os ensinamentos e somando cada pequena vitória!

De pouco em pouco a gente mostra pro mundo um coração puro, um doce olhar, uma alma bondosa, um brilho forte com a cabeça sempre erguida.

A cada passo a gente aprende a transformar tormentas em brisas.

A gente descobre como deixar colorido um céu cinza.

De pouco em pouco a gente confia muito mais nas mãos de Deus e à Ele entregamos nossa esperança, nossa gratidão e nossa vida! E é assim, de pouquinho em pouquinho que conquistaremos todos os nossos sonhos!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Cleonio Dourado
Escrever é uma fuga que sempre uso. Não tenho temas. Não tenho destinos. Alguns devaneios e desatinos, quem sabe. Solto as palavras ao vento. Viajo ao vê-las viajando pelo ar. Recolho as que voltam nos relentos das manhãs e me lavo em seus afagos. Eu me aguo, renasço. Palavras me acariciam a alma, despertam-me sentimentos, paz, calma. Leio, releio, rascunho e escrevo. Faço dos textos da minha lida, as estrelinhas da minha vida