Essa síndrome do InfanTIozão, (homens que tratam as mulheres que são mães como HQ em liquidação) é muito mais comum do que podemos imaginar!

Em toda roda de mulheres ou grupos de zap, o debate mais frequente é o de mulheres que se sentem menosprezadas por não serem assumidas por homens pelo fato de serem mães.

Um dos fatores determinantes para alguns homens até encararem a maternidade como uma lepra, é o medo da responsabilidade de uma paternidade imposta.

Em outras palavras: medo de comprar um brinquedo pro filho do outro. Vê-se que a profundidade deste ser é igual a de um pires.

Para os psicólogos o fato é que este medo de serem subjugados numa relação com alguém com maior responsabilidade, é incutido muitas vezes pelos pais deles, que sempre alimentaram estas paranoias e inquietudes na sua mente e isto está intrinsecamente ligado ao fator liberdade, mais precisamente, a falta de.

Um homem, ao começar a se interessar por uma mulher que já é mãe, por mais atraído por ela que esteja, começa a criar na cabecinha (a de cima) a historinha do “ E Se”.

Passa um filminho na cabeça do cidadão:

“ E se” o ex dela ficar enchendo o saco; “E se” eu tiver que assumir o papel da paternidade; “E se “ eu tiver que prover algo para um filho que não é o meu; “E se” eu tiver que disputar a atenção dela com a criança; “ E se” a gente só conseguir fazer sexo em horário marcado; “ E se” eu estiver perdendo a chance de conhecer uma mulher descomprometida.

São várias caraminholas que povoam a mente masculina nesse caso.

É claro que a situação das mães solteiras melhorou muito nas últimas décadas, mas, ainda sim, elas sofrem preconceito. Pode até ser indiretamente, mas há relatos de mulheres que penam na hora de encontrar um companheiro para uma relação estável.

A mulher bem resolvida arca com as despesas da sua criança. Ela não depende de um outro homem. Até porque,quem é responsável pela criança é ela e o pai. Mas ser gentil com uma criança de uma mulher que você quer mais do que levar pra cama, não vai fazer cair a sua mão. E se for só pra levar pra cama, ainda assim, também não vai cair sua mão, muito menos desbancar seu posto de machão que pega só mulherão na rodinha dos amigãos. Mostrar que tem com quem deixar a criança para vocês saírem, traz um sopro de vida à relação.

A sociedade impõe esse medo no homem.

Há mães solteiras, mulheres divorciadas, que são indelevelmente seguras de si,outras,não.

A insegurança masculina em assumir uma mulher que é mãe, é gritante, e está enraizada diretamente no fator pânico, ao assumir uma responsabilidade que não é a sua.

Os homens mais infantilizados, que não conseguem se ver numa relação de maior responsabilidade, ao saírem com mulheres que possuem filhos, encaram como se fosse uma HQ em liquidação.

Ficam afoitos por conhecer cada parte da história dela, se envolvem, se encantam, mas ao lerem todas as páginas,deixam de lado e partem para uma história mais excitante.

Felizmente, existe o Homem Nerd Raiz, que é fã convicto, compra a história com paixão e dá o devido valor a ela, demonstrando interesse e fidelidade.

Mas estes fãs ardorosos estão cada vez mais raros.

Mas se analisar bem, com lucidez resolve-se este impasse.

Veja, o útero é o único meio natural de transporte de chegarmos à Terra. Dane-se que já existem incubadoras, até porque, para um macho alfa nascer ,é preciso o cromosso X ,feminino, e o cromossomo Y, masculino.

Juntos, eles formam esse serzinho que está lendo,e viverão cantando “Cromossosmos felizes” até o fim da sua vida. Sem os dois não há Macho Alfa, Beta, nem Gama Zefini.

Posto isto, qual é a realidade por detrás do fenômeno “ Chuta,que é macumba”, que faz muitos homens dispensarem mulheres interessantes pelo fato delas serem mães?

Veja,o fator maternidade desencadeia uma série de responsabilidades, é verdade. São noites mal dormidas, saídas canceladas de última hora, mas volte o relógio no tempo e lembre do que sua mãe passou por você , o quanto ela foi abnegada para te auxiliar a crescer.

Afinal, você ama sua mamãezinha? Ama, né?

A menos que tenha algum distúrbio psicológico, o normal é amarmos e sermos gratos à nossas mães, que nos geraram ao longo de exaustivos e dolorosos nove meses no ventre, e que, fora dele, ainda faz aquela canjinha de galinha de responsa pro neném grande dela quando está doente.

Mulheres que são mães, são naturalmente devotadas e comprometidas. Isto é um bônus, my friend. Larga a mão de ser besta.

Se ela for uma companheira bacana, boa gente, que possua os mesmos ideais, tenha a vibe parecida, facilmente se percebe que realmente vale a pena ficar junto, comprar o gibi e fidelizar a parceria de vida, sendo assim totalmente válido investir na relação.

Claro, não obstante, haverão alguns contratempos, como ela não ter tanto tempo para sair, pois mesmo estando com um parceiro ou qualquer pessoa, ainda pensará no filho. E algumas vezes os encontros serão desencontros por conta de responsabilidades e deveres que ela tem com a criança.

Muitos caras fogem disso pois não são maduros o suficiente em ficar com uma mãe solteira, se envolver e obter vínculos com o filho(a) dela. Porém, esta interação com a criança poderá ser bom não só para a criança , mas para o homem também.

Caso haja uma conexão mais profunda, indubitavelmente o par se formará e a relação ganhará ares de solidez. A finitude ,outrora requerida pela razão, será substituída pela plenitude de ter encontrado um par em plena comunhão entre atração, emoção e razão.

A busca pela parceira ideal está oniricamente ligada à sensação de prazer, tanto sexual, quanto emocional.

Geralmente, os homens que possuem uma vida social mais agitada,que prezam pela saída noturna, desenvolvem uma armadura à prova de mulheres que são mães, por acharem que são caretas ou fiscais da liberdade.

Eles acham que elas não irão acompanha-los em seus programas preferidos para ficarem com os filhos e, antes mesmo de começarem algo, não levam adiante. Mas isto nem sempre condiz com a realidade.

Claro que temos algumas observações bem pontuais aqui que não podem deixar de ser observadas e esclarecidas. Uma vez que se foi acordado colocar uma criança no mundo, é óbvio que não se pode levar 100% a vida que se levava antes de uma criança coexistir no ambiente atual.

Certas decisões terão sim que ser repensadas, afinal, além da sua vida dizer sim respeito a de seu filho,você precisa ter cautela ao tomar decisões ,sempre pensando não só no seu bem estar,mas,a longo prazo,no de seu filho.

Em suma,não dá pra pagar de adolescente que escuta Nirvana no quarto,que dorme 12 horas por dia e come pipoca como janta.

Bom senso,anjo,bom senso.

Não dá pra pirar na batatinha e sair fazendo o que dá na telha. Isto vale tanto para mães,quantos pais, taokei, amores?

A responsabilidade em dirigir bem suas vidas, paralelamente a vida de uma criança, é uma mão de via dupla, não única. Direitos e deveres iguais. Pena que muitos se esquecem disto e colocam todo o peso nas costas apenas de um lado.

O que resulta em uma taxa significativa de mães solteiras bonitas, interessantes e bem resolvidas, amuadas e subjugadas por homens que não as dão o devido valor e a atenção merecida. Alocadas em fileiras de indesejadas e esquecidas, taxadas rudemente como “não-namoráveis”.

Praticamente uma horda Lorde Voldemort: “as que não devemos mencionar”.

Uma tendenciosidade vil e egoísta é não enxergar uma mulher como mulher propriamente dita, mas dizer que ama a mãe, mesmo presenciando o choro dela diante do pai que a diminuiu e não a tratou como companheira de vida e chamar isso de amor.

Um paradoxo gritante e descabido. Mas esta é a forma com que muitos homens enxergam a relação entre seus pais ,com normalidade,e levam este modelo incutido em sua mente.

Abramos os parênteses pois faz-se necessário observar que muitos homens ainda pensam diferente. O diálogo é vital.

Acordar como será a relação do casal com os filhos da namorada, reforçando que o direito à condução das normas e decisões cabe a ela, primeiramente. O namorado, futuro padrasto, será um novo membro na família, prestando auxílio moral,amor,carinho. Cabe a criança e a ele construírem esta relação,tendo a mãe,como ponte.

Caso haja interesse em solidificar a união, aleluia, meu irmão! Corre pro abraço e sejam felizes!

Caso o boy seja vacilão,crianção, eis aqui alguns conselhos que você precisa tatuar na sua alma:

• Não coloque ninguém acima do seu filho. Acima dele, só o criador dele, Deus.

• Não se diminua para caber no mundo de alguém. Quer somar? Pois então que carregue sua preciosa bagagem.

• Deixe ir o que não te pertence, o que não te escolhe,o que não te valoriza, o que não te respeita,o que não te completa.

Não há vergonha em ser mãe solteira, pelo contrário. Ser mãe solteira deveria ser decretado feriado, pois é muito honroso o fato de uma mulher ser tão forte a ponto de encarar o mundo como uma leoa com uma criança no colo, no alto,enquanto as raposas espreitam sua queda, embaixo. As adversidades são constantes e o trilhar, areia movediça.

Ela precisa estudar cada passo. Uma mãe que diz basta a um relacionamento tóxico para criar seu filho num ambiente harmonioso a salvo, uma mãe que encara um parto sozinha sem ter um companheiro para apertar sua mão na hora do grito sufocado,realmente,não pode ser tratada pelos homens como uma mulher normal, pois mulheres normais não encaram estradas pedregosas de salto,mas essas mães tem uma beleza interna surreal, estas,são dignas de aplausos.

Mães, se amem! Homens, as amem!

Não há ato mais sublime do que amar uma criança.

” Cada criança que nasce é uma prova de que Deus ainda não perdeu as esperanças em relação à humanidade. “Rabindranath Tagore.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Daniele Abrantes
Sou jornalista de espírito vintage, que ama compor músicas ,pintar, e escrever sobre assuntos voltados à compreensão das relações humanas e da profundidade da alma. Acredito que as duas maiores forças que possuem o poder de mudar o nosso dia a dia são o Amor e a Empatia. Grata por compartilhar com vocês esta jornada.