Sinais de que você sofreu negligência emocional na infância

A negligência emocional deixa vestígios na personalidade, na confiança e na forma de gerir as relações na vida adulta.

Somos em grande parte o produto de como fomos criados. O papel dos pais é muito mais relevante do que pensamos;

Eles não apenas atendem às necessidades físicas das crianças, mas também moldam seu mundo emocional.

Quando protocolos emocionais pouco adaptativos são registrados nessa esfera, derivados de negligência emocional sistemática durante os primeiros anos de vida, o futuro na vida adulta fica comprometido.

Você pode observar esses traços em si mesmo ou em alguém próximo, mas é preciso saber olhar. E é que geralmente aqueles que sofreram negligência emocional parecem estar bem , parecem ter tudo sob controle.

Geralmente são pessoas gentis, generosas e conciliadoras, cuja companhia é agradável; mas, se você olhar mais fundo, verá rachaduras, feridas e deficiências do passado que continuam a ter consequências na forma como lidam com o que está acontecendo com eles agora.

A negligência emocional ocorre quando as necessidades das crianças são ignoradas.

O que é negligência emocional?

Este é um conceito com o qual você pode não estar familiarizado e não é tão fácil de detectar. Quando o abuso ou agressão ativa ocorre, muitas vezes é claramente visível.

Gritos, insultos ou ameaças são elementos salientes; destacam a passagem dos acontecimentos como aquele instrumento desafinado.

Agora, a negligência emocional implica uma falta, algo que era necessário, que deveria ter sido, mas não foi obtido. E há certas necessidades que não foram atendidas e cuja demanda ignorada talvez não fosse tão fácil de apreciar.

Então, como ocorre a negligência emocional? Os tutores:

– Ignoraram as necessidades da criança; especialmente os emocionais.

– Eles ridicularizaram e menosprezaram suas emoções.

– Eles recompensaram formas de enfrentamento ou gestão emocional que não eram nada adaptativas, como violência ou indiferença.

– Eles não faziam, ou raramente faziam, a criança se sentir protegida e com algum controle sobre seu ambiente.

Raramente demonstravam afeto ou amor incondicional.

Frases como “se não…, não te amarei mais” podem ser muito eficazes para fazer uma criança fazer o que queremos, mas também podem ser extraordinariamente perigosas para seu diálogo interno.

Com base nessas experiências, a criança aprende que suas emoções não são importantes e que não são aceitáveis . Ele entende que ninguém vai aceitá-los e que, ao expressá-los, vai aborrecer as pessoas que ama. Assim, para sobreviver (e tendo em conta que depende totalmente dos adultos), opta por desligar-se deles e reprimi-los.

Sinais de que uma pessoa sofreu negligência emocional

Foi visto que cuidadores insensíveis e receptivos fazem com que um vínculo de apego inseguro se desenvolva entre eles e o bebê.

Isso marca a personalidade, a confiança e a maneira de gerenciar os eventos que ocorrem na esfera social, e se manifesta em comportamentos e atitudes que têm um impacto muito importante na vida adulta.

Assim, para reconhecer alguém que sofreu negligência emocional na infância, você pode procurar os seguintes sinais:

– Ele é uma pessoa agradável. Ela se preocupa muito em agradar, em cumprir exatamente o que os outros esperam dela.
Podemos dizer que este é o seu reforçador mais poderoso e, portanto, é muito vulnerável a quem quer fazê-lo, consciente ou inconscientemente.

Antecipando um possível conflito, ele opta por ceder sistematicamente.

Um de seus principais medos é que alguém possa considerá-la uma pessoa má. O que a torna muito sensível às críticas. Quando alguém expressa desgosto ou discordância, ela se sente muito desconfortável; Embora a pessoa que reclama não a esteja identificando como responsável, não é incomum que ela peça desculpas e também pelo acusado.

– Ele não quer conflitos com ela, mas também não os quer perto dela.

– Ele raramente fala sobre suas emoções ou compartilha como se sente.

– Você tem muita dificuldade em realmente confiar nos outros.

– Ele vive com um sentimento constante de tristeza e vazio que parece se arrastar por onde passa; É como uma espécie de sombra.

Essas atitudes refletem as principais ideias que a pessoa extraiu de sua infância: minhas emoções não são importantes, não são válidas e, ao compartilhá-las, apenas incomodarei os outros ou eles me rejeitarão por isso.

Esses mecanismos de defesa poderiam ter sido úteis na época, mas hoje são um fardo e uma limitação que podem afetar o bem-estar pessoal e as relações com os outros.

Como agir sobre isso?

Felizmente, existem várias medidas que podem ser tomadas para reverter essa situação e curar as feridas da negligência emocional.

Entenda o que aconteceu e aceite. Conhecer o conceito de negligência emocional, saber que fomos vítimas dele e nos informar sobre isso pode ser muito útil para entender o que nos acontece. É a partir desse entendimento que podemos abraçar nossa criança ferida e assumir, hoje, nossa posição de adultos.

Trabalhar a inteligência emocional. É um fator fundamental que nos faltou na infância, mas que agora podemos abordar. Expandir nosso vocabulário emocional, aprender a identificar emoções e adquirir recursos para nos expressar e nos regular é essencial.

Comece a priorizar a si mesmo. Ou seja, saber se conectar com o que sentimos, queremos, desejamos ou precisamos antes de nos perguntarmos o que o outro precisa. Estabeleça limites, faça as solicitações necessárias e busque nosso bem-estar. Isso não é egoísta, mas saudável, pois (apesar do que nos fizeram sentir o contrário) temos o direito de fazer barulho, incomodar e ter voz e voto.

Pratique a auto-revelação e permita-se ser vulnerável. Falar sobre nós mesmos, sobre nossas preocupações, medos e sonhos é necessário para poder criar uma intimidade emocional com os outros. Até agora, o medo nos levou a nos trancar atrás de uma parede, mas é hora de baixar a guarda e nos abrir aos outros passo a passo.

Ofereça a si mesmo a validação emocional que te faltava. Um adulto nessa situação precisa trabalhar e melhorar o relacionamento consigo mesmo, fortalecer sua autoestima e se dar aquele apoio, carinho e apoio que não teve na infância. Aprenda a acolher suas próprias emoções, a entender que elas são válidas e lícitas.

Não se culpe ou se force a sentir algo diferente, apenas permita-se ser e acompanhe-se em seus sentimentos com autocompaixão.

Trabalhar em nossa própria gestão emocional e validação é importante para nos sentirmos melhor.

Acompanha a cura

Os traços de negligência emocional começam a desaparecer no momento em que a identificamos. Como apontamos, essa não é uma tarefa fácil, pois pode ser camuflada de muitas maneiras diferentes.

Os pacientes que sofreram negligência emocional costumam chegar ao ambulatório com uma queixa praticamente unânime: há anos me sinto mal, mas não sei por quê – cuidado, se isso acontecer não significa necessariamente que haja negligência por trás disso.

Muitos deles dizem ter ao seu redor pessoas que amam e por quem se sentem amados, um bom emprego e aspirações para o futuro. No entanto, há algo que, por qualquer motivo, não se encaixa.

Em uma segunda instância, nosso objetivo será identificar as formas pelas quais a negligência, se existe, continua a ter influência no presente.

Por fim, o que nos resta é intervir de forma consciente nessa influência. Este não é um caminho fácil, por isso é altamente recomendável procurar a ajuda de um profissional.

*DA REDAÇÃO SAG. Foto de Poonam Dhiman no Unsplash. Com informações LLM.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!