Muitos pais (falamos sobre os dois papéis: pais e mães) geralmente imitam elementos que estavam presentes em sua educação, mesmo que não tenham tido boas lembranças deles, ou que os mesmos tenham causado maus momentos.

Obviamente, nesses casos, quem exerce a educação subsequente se baseia em algo conhecido e leva em consideração que o resultado obtido (eles mesmos) foi satisfatório.

Além do que recebemos em nossa educação, de como eles nos formaram, dos valores que eles incutiram em nós, existe um modelo presente em nossa mente que nos diz o que gostaríamos de ter tido, do que gostaríamos de ter recebido, o que consideramos, em algum momento, o mais importante.

E este é um guia muito bom quando vamos criar nossos filhos, porque quando vemos da posição de adultos que somos, mas com a visão das crianças que fomos, somos capazes de identificar as reais necessidades que eles têm, para sermos mais empáticos e menos apegados ao modo como fomos criados.

Talvez seja fácil lembrar que, mais marcante do que um presente, foram os dias que nossos pais brincaram conosco, aqueles momentos em que nos lembramos com muita clareza e amor.

Talvez não tenhamos tido oportunidade de conversar com eles ou com qualquer um deles e sentimos falta disso, de falar sobre as coisas simples, até as coisas mais complexas.

Muitos pais não tinham esse costume de nos ouvir sem nos julgar, mas outros, pelo contrário, nos motivavam, eram nosso refúgio e fonte preferida de consultas.

Talvez existam muitas coisas em nossos pais que amamos e que gostaríamos de experimentar fazer igual com nossos filhos, mas senhores, tudo que machucou, que semeou medo, que criou divisão, que nos fez sentir sozinhos, que nos fizeram crescer cedo demais … Podemos ignorar, e devemos substituir por outra coisa, por aquilo que gostaríamos de ter recebido naquela época.

Não confie que por eles serem “pessoas de bem”, os fizeram uma pessoa forte! Não acredite que você é quem é porque eles os espancaram para discipliná-los, que, se não fosse por isso, quem sabe no quê você teria se tornado. Não acredite nisso!

Nunca saberemos a resposta, porque não podemos experimentar dois cuidados diferentes da mesma pessoa. Mas sabe-se que a educação desrespeitosa não gera os melhores frutos e que as pessoas formadas em um ambiente pacífico e não violento, com normas estruturadas, amor e respeito, vivem muito mais felizes e com mais disposição diante da vida.

Obviamente, não devemos confundir tratamento respeitoso com uma parentalidade onde reina a anarquia ou a devassidão, porque não estabelecer limites saudáveis ​​que protejam e guiem, que não deem estrutura, também é uma maneira de gerar danos permanentes.

De qualquer forma, como pais, sabemos que não temos um manual, mas que nosso guia deve ser sempre o amor e a proteção!

Que a frustração, a fadiga e o piloto automático não nos invadem, porque sabemos quão importantes são nossos filhos, e eles não merecem pais que façam isso.

Para eles, fazemos tudo, mas às vezes esquecemos de fazer o mais importante: demonstrar amor, dedicar tempo, vê-los crescer, ouvi-los, conhecê-los …

O tempo passa muito rápido e, de repente vemos nossos filhos seguindo seus caminhos e voando com suas próprias asas! Portanto vamos garantir que eles não saiam de casa com feridas e traumas que serão um peso ao longo de suas vidas.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO SEU AMIGO GURU
*Via Rincon del Tibet

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!