Se você consegue ouvir a voz de Deus, audivelmente, você, possivelmente, não está louco!Em entrevista para a CNN, a psicologa TM Luhrmann explica o que podem ser essas vozes que alguns de nós conseguem escutar.

Por TM Luhrmann, Especial da CNN

(CNN) – Na Bíblia, Deus falou diretamente a Abraão. Ele falou diretamente a Moisés. Ele falou diretamente com Jó. Mas para o seu vizinho na rua?

TM: A maioria das pessoas que lê as escrituras antigas entende esses relatos de ouvir a voz de Deus como milagres que realmente aconteceram, mas que não acontecem mais hoje, ou talvez quando o folclore floresce em histórias antigas.

Mesmo os cristãos que acreditam que os milagres podem ser um assunto cotidiano podem hesitar quando alguém lhes diz que ouviram Deus falar audivelmente.

Há uma piada antiga: quando você fala com Deus, chamamos de oração, mas quando Deus fala com você, chamamos de esquizofrenia.

Exceção geralmente não é.

Ouvir uma voz quando está sozinho ou ver algo que ninguém mais pode ver é bastante comum.

Pelo menos uma em cada dez pessoas dirá que tiveram uma experiência assim, se você perguntar sem rodeios.

Cerca de quatro em cada dez afirmam ter experiências perceptivas incomuns entre sono e consciência se você as entrevistar sobre seus hábitos de sono.

E se você perguntar de uma maneira que permita que eles admitam que cometeram um erro, a taxa aumenta ainda mais.

Por outro lado, a esquizofrenia, a mais debilitante de todos os transtornos mentais, é bastante rara. Apenas cerca de uma em cada 100 pessoas pode ser diagnosticada com o distúrbio.

Além disso, os padrões são bastante distintos.

Pessoas com esquizofrenia que ouvem vozes as ouvem com frequência. Eles costumam ouvi-los ao longo do dia, às vezes como uma chuva de som ou um martelo implacável. Eles ouvem não apenas frases, mas parágrafos: palavras sobre palavras sobre palavras. O que as vozes dizem é horrível – insultos, escárnios e piadas desdenhosas. “Sujo. Você está sujo. – Vagabunda estúpida.

Não foi isso que Abraão, Moisés e Jó experimentaram, mesmo quando Deus era mais feroz.

Nos últimos 10 anos, tenho feito pesquisas antropológicas e psicológicas entre evangélicos orientados pela experiência, o tipo de pessoa que busca um relacionamento pessoal com Deus e que espera que Deus responda.

Para a maioria deles, na maioria das vezes, Deus fala em voz baixa que ouvem dentro de suas mentes, ou através de imagens que vêm à mente durante a oração.

Mas muitos deles também relataram experiências sensoriais de Deus.

Dizem que Deus tocou o ombro deles, ou que ele falou do banco de trás e disse, de uma maneira que ouviram com os ouvidos, que ele os amava.

De fato, em 1999, a Gallup relatou que 23% de todos os americanos ouviram uma voz ou tiveram uma visão em resposta à oração.

Essas experiências foram breves: no máximo, algumas palavras ou frases curtas.

Eles eram raros.

Aqueles que os denunciaram relataram não mais que alguns deles, se isso.

Essas experiências não foram angustiantes, embora muitas vezes fossem desconcertantes e sempre surpreendentes.

Pelo contrário, essas experiências muitas vezes fizeram as pessoas se sentirem mais íntimas de Deus e mais profundamente amadas.

De fato, minha pesquisa descobriu que essas experiências sensoriais incomuns são mais comuns entre aqueles que oram de uma maneira que usa a imaginação – por exemplo, quando a oração envolve falar com Deus em sua mente.

As experiências sensoriais incomuns não foram, em geral, associadas a doenças mentais (verificamos).

Eles eram mais comuns entre aqueles que se sentiam confortáveis ​​em se envolverem em sua imaginação.

Eles também eram mais comuns entre aqueles que oravam por períodos mais longos.

A oração envolve prestar atenção às palavras e imagens da mente e dar-lhes significado.

Há algo sobre a prática hábil de prestar atenção à mente dessa maneira que muda – apenas um pouco – a maneira como julgamos o que é real.

No entanto, muitos desses cristãos, que queriam tanto ter um relacionamento de ida e volta com Deus, hesitavam um pouco em falar sobre ouvir Deus falar com seus ouvidos.

Por todos os exemplos bíblicos de ouvir Deus falar audivelmente, eles duvidam.

Agostinho relata que, quando estava no extremo, soluçando aos pés da figueira, ouviu uma voz dizer: “Pegue e leia.” Ele pegou as escrituras e se converteu.

Quando os cristãos que eu conheço ouviram Deus falar audivelmente, muitas vezes passavam pela cabeça deles que eles eram loucos.

Em seu novo livro, ” Alucinações”, o neurologista Oliver Sacks conta sua própria história sobre uma experiência alucinatória que mudou sua vida.

Ele tomou uma boa dose de metanfetaminas quando jovem médico e se estabeleceu com um livro do século XIX sobre enxaqueca.

Ele amou o livro, com sua observação detalhada e sua humanidade.

Ele queria mais.

Enquanto ele pensava em alguém que pudesse escrever mais do que sabia ler, uma voz alta interna disse-lhe: “Seu idiota bobo” que era ele. Então ele começou a escrever. Ele nunca mais usou drogas.

Agora, Sacks não recomenda que ninguém tome drogas assim. Ele acha que o que ele fez foi perigoso e ele teve a sorte de ter sobrevivido.

O que me interessa, no entanto, é que ele se permitiu confiar na voz porque a voz era boa.

Há uma distinção entre vozes associadas a doenças psiquiátricas (geralmente ruins) e aquelas (geralmente boas) encontradas na chamada população normal.

Há outra distinção entre aqueles que escolhem ouvir uma voz, se o conselho é bom, e aqueles que não ouvem.

Quando pessoas como Sacks ouvem uma voz que lhes dá bons conselhos, a experiência pode transformá-las.

Isso é importante porque, frequentemente, quando as vozes são discutidas na mídia ou em torno da mesa da cozinha, as vozes são tratadas inequivocamente como sintomas de loucura. E, claro, a audição por voz está associada a doenças psiquiátricas.

Mas não o tempo todo. De fato, não na maioria das vezes.

Cerca de um terço das pessoas que entrevistei cuidadosamente na igreja onde fiz pesquisas relataram uma experiência sensorial incomum que elas associaram a Deus. Embora achem essas experiências surpreendentes, também as consideram profundamente reconfortantes.

A ciência não pode nos dizer se Deus gerou a voz que Abraão ou Agostinho ouviram. Mas pode nos dizer que muitos desses eventos são normais, parte do tecido da percepção humana.

A história nos diz que essas experiências permitem que as pessoas escolham os caminhos que devem escolher, mas, por várias razões, hesitam em escolher.

Quando o Rev. Martin Luther King Jr. sentou-se à mesa da cozinha, no inverno de 1956, aterrorizado pelo medo do que poderia acontecer a ele e sua família durante o boicote ao ônibus em Montgomery, ele disse ter ouvido a voz de Jesus prometendo:

“Eu estarei com você.” E ele foi em frente.

As vozes podem fazer parte do sofrimento humano, mas também podem inspirar a grandeza humana.

*As opiniões expressas neste comentário foram publicadas originalmente pela CMN e são de exclusivamente da TM Luhrmann. Tradução e adaptação SEU AMIGO GURU.

GOSTOU DESSE TEXTO? NO SEU AMIGO GURU TEM MUITO MAIS! VISITE O SITE E INSPIRE-SE!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!