São as pessoas empáticas que nos inspiram a ser melhores!

Pessoas empáticas sabem como se colocar no lugar dos outros. Elas não apenas os entendem intelectualmente, mas também experimentam as emoções das pessoas ao seu redor.

Elas são pessoas muito sensíveis que se conectam com outras pessoas e captam suas necessidades emocionais de uma maneira especial.

A empatia amplia seus horizontes e pensamentos. Ao compreender outras experiências e pontos de vista, essas pessoas podem expandir sua perspectiva e abraçar novas ideias, uma habilidade chave para enfrentar com sucesso os desafios da vida.

Na verdade, não é por acaso que psicólogos da Universidade de Istambul descobriram que os alunos mais empáticos tendem a obter melhores resultados acadêmicos. A boa notícia é que você não nasce sendo um empata, você aprende a ser.

Qual é o perfil de uma pessoa empática?

1. Eles sentem as emoções dos outros

A principal característica das pessoas empáticas é sua capacidade de perceber e sentir as emoções dos outros.

Em muitos casos, essas pessoas absorvem literalmente os estados emocionais das pessoas ao seu redor, tornando-se uma espécie de esponja emocional.

Elas são capazes de captar e compreender o que alguém está sentindo, mesmo que essa pessoa tenha dificuldade em expressá-lo por meio de palavras.

Pessoas empáticas se conectam em um nível mais profundo com os outros, permitindo-lhes sentir a alegria ou a dor dos outros em primeira mão e torná-las suas.

De fato, tudo parece indicar que no «cérebro empático» os neurónios-espelho são muito mais ativos, o que facilitaria, através de mecanismos de imitação inconsciente, a tarefa de se colocar no lugar dos outros.

2. Elas são muito intuitivas e sabem interpretar a linguagem corporal

Pessoas empáticas costumam ser muito intuitivas. Frequentemente, são levadas por um “sexto sentido” em seus relacionamentos interpessoais.

Por terem a capacidade de ver além das aparências, eles podem perceber melhor as intenções e motivações dos outros.

Na verdade, elas são especialmente hábeis em capturar e interpretar os sinais emocionais que as pessoas enviam a partir das pequenas pistas que fornecem em sua comunicação extraverbal.

Pessoas empáticas podem perceber pequenas mudanças nas expressões faciais, no tom de voz ou nos movimentos corporais do interlocutor que passam despercebidos pelos outros.

Essa capacidade permite que elas detectem inconsistências, mentiras ou dissimulações.

3. Elas estão curiosas sobre estranhos

Pessoas empáticas costumam ter curiosidade sobre estranhos. É por isso que muitas vezes puxam conversa com quem está sentado ao lado delas no ônibus ou no banco de um parque. Elas estão genuinamente interessadas ​​na pessoa ao seu lado porque retêm aquela curiosidade natural das crianças e o desejo de explorar as relações interpessoais.

“Curiosidade empática” não é fofoca, é uma atitude aberta mas respeitosa para com o outro, uma vontade de se conectar respeitando os limites estabelecidos pelo interlocutor.

Este tipo de curiosidade leva ao encontro de duas visões e mundos diferentes que enriquecem ambas as pessoas através de momentos de ligação especial, mesmo que sejam dois completos estranhos.

4. Elas desafiam os preconceitos procurando um terreno comum.

Todos nós fazemos suposições uns sobre os outros e usamos tags para se encaixar em certas categorias.

Não podemos nos livrar completamente de nossas expectativas e preconceitos. No entanto, as pessoas empáticas são muito mais abertas e menos propensas a julgar os outros, sempre dando-lhes o benefício da dúvida.

Ao se colocar no lugar dos outros, os preconceitos dão lugar à compreensão. Elas são capazes de colocar de lado suas opiniões para abraçar as perspectivas dos outros e entender os medos, preocupações e motivações de seu interlocutor.

Na verdade, as pessoas empáticas tendem a se concentrar nas semelhanças, em vez de nas coisas que as diferenciam e separam. São pessoas que constroem pontes em seu caminho, em vez de queimá-las.

5. Esteja totalmente presente e pratique a escuta ativa

Pessoas empáticas podem nos fazer sentir que somos a pessoa mais importante do mundo, pelo menos durante os momentos em que estamos juntos.

Isso porque eles geralmente estão totalmente presentes em suas interações, dando-nos toda a sua atenção e tempo, um presente raro no mundo hiper-distraído em que vivemos.

Pessoas empáticas praticam a escuta ativa naturalmente. Elas se esforçam para tentar entender as prioridades, preferências e motivações de seu interlocutor.

Elas ouvem sem julgamento, com o objetivo de compreender e ajudar. Na verdade, elas geralmente substituem conselhos que podem ser invasivos ou defensivos por perguntas como:

Como você se sente? Que queres dizer? Como você acha que deveria reagir? Como posso te ajudar?

6. Elas são vulneráveis

Uma das características das pessoas empáticas é que elas não têm medo de mostrar sua vulnerabilidade.

Elas têm consciência de que para se conectar em um nível profundo não basta ouvir o outro com atenção e entender o que ele sente, mas que é preciso contribuir com algo pessoal para essa interação, para se expor emocionalmente.

Pessoas empáticas geralmente removem suas máscaras sociais para revelar seus sentimentos e criar aquele vínculo especial que é gerado quando duas realidades humanas se tocam das profundezas de sua fragilidade.

Na verdade, a empatia é uma via de mão dupla que envolve compartilhar tristezas e alegrias sem medo de que o outro tire vantagem de nossas supostas fraquezas.

7. Elas tendem a se sentir oprimidas

Se as pessoas empáticas não aprenderem a controlar essa sensibilidade especial, podem ficar profundamente oprimidas pelas emoções dos outros.

Absorver a raiva, a dor, o sofrimento ou a frustração de outra pessoa pode ser emocionalmente desgastante, a ponto de desenvolver a Síndrome de Burnout de Empatia.

Na verdade, as pessoas empáticas não só demonstram essa sensibilidade quando estabelecem uma relação direta com alguém, mas também podem absorver as emoções que flutuam em um espaço público ou se chocar com imagens e notícias que refletem uma tragédia humana.

Geralmente, essa emoção surge de forma inesperada e os oprime completamente, pois são capazes de se colocar no lugar da pessoa que está sofrendo ou sentindo ansiedade ou estresse com especial intensidade.

Por isso, é necessário que desenvolvam técnicas de gerenciamento emocional que lhes permitam proteger seu equilíbrio psicológico.

Origens:

Baird, A. et. Al. (2011) envolvimento do sistema de neurônios espelho na empatia: um olhar crítico sobre as evidências. Neurociência Social ; 6 (4): 327-335.

Aysun, T. & Seray, M. (2010) A relação entre o clima empático da sala de aula e o sucesso dos alunos. Procedia – Ciências Sociais e Comportamentais ; 5: 231-234.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RPFoto de Avery Cocozziello no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!