Ressentimento familiar: o ódio de quem não perdoa

O ressentimento na família em relação a um determinado membro pode durar a vida inteira. Ressentimento e até ódio se instalam em suas mentes por causa desse elo quebrado, de uma traição que raramente é perdoada.

O ressentimento familiar é como o caruncho que destrói a fundação de uma casa. É uma dor moral justificada ou infundada que persiste em um grupo de pessoas por anos, sendo incapaz de esquecer ou perdoar uma ofensa.

Essa situação é muito comum na dinâmica entre pais e filhos, entre irmãos ou entre outras figuras dessa genealogia entre ancestrais e descendentes.

Se olharmos para a nossa própria família, é muito provável que esta realidade nos seja conhecida . É como ter um nó num laço, uma ferida que continua a arder e que ninguém quer sarar.

Você odeia aquele tio, irmão ou cunhada que, a certa altura, traiu seus pais. Olhamos com ressentimento para aquele primo, aquele avô ou aquela mãe que nos feriu intencionalmente ou não.

O engraçado do ressentimento é que, quando você vive em um ambiente familiar, ele pode ser herdado de uma geração para outra. Há emoções que (metaforicamente) parecem estar impregnadas na cadeia do DNA, que estão inoculadas na mente da criança.

Quando seus pais falam desdenhosamente de uma terceira figura, esse ressentimento penetra profundamente na criança que escuta, assume e se cala sem saber.

O ódio de quem não perdoa é como uma sombra que nos segue. Da mesma forma, não podemos negligenciar o impacto desses modelos parentais que mostram comportamento rancoroso.

“Ele me insultou; me machuque; me derrotou; ele me roubou”… Naqueles que guardam tais rancores, o ódio nunca cessa.” – Buda

O que é ressentimento familiar?

O ressentimento familiar define um padrão atitudinal de ódio, ressentimento e dor moral mantido ao longo do tempo em relação a uma terceira pessoa desse núcleo relacional. O que chama a atenção nessa realidade emocional é que ela atrai alianças.

Raramente há um único rancor. Em média, criam-se vínculos entre alguns membros e outros que reforçam essa experiência negativa e desconfortável.

Além disso, por trás desse sentimento vive a constante ideia de que “foram traídos”. As disputas por questões econômicas e a percepção de que foram deixadas de lado ou ignoradas alimentam essa emoção , a do ressentimento.

Considerar que um irmão, um pai ou um filho foi injusto consigo mesmo pode ser mais doloroso do que a traição exercida por um estranho.

Embora seja verdade que todos temos o direito de desenvolver sentimentos de raiva ou ressentimento em relação a alguém, quando esse sentimento se origina na família, os efeitos são mais adversos.

Decepções e ódios que não podem ser deixados de lado

Nosso avô pode nunca ter perdoado seu irmão por deixá-lo sozinho quando precisava dele. É possível que nossa mãe odiasse o pai porque ele a maltratava.

Também pode ser o caso de nossos pais sentirem ressentimento em relação a um irmão nosso como resultado de um mau comportamento. Há experiências familiares que se alojam na mente coletiva de seus membros na forma de uma narrativa dolorosa.

São decepções que não podem ser abandonadas porque a dor que as sustenta e alimenta é muito intensa. É o sofrimento de um vínculo amputado.

Aquele sobre o irmão que perde o irmão. A filha que perde o pai. O pai que perde um filho. Assim, pesquisas, como as realizadas na Universidade do Pacífico, no Havaí, apontam o quanto o ressentimento e o ódio podem ser destrutivos nas relações interpessoais.

O filósofo Max Scheler apontou em seu livro Ressentimento na moralidade , que esse sentimento é a sequela que fica após uma ofensa ou agressão moral ou emocional.

O complicado é que esse estado se alimenta de memória, de um “reenvio” constante. Quando falamos de relações familiares, a memória é como um elástico: vai e vem repetidamente em direção àquela ofensa de ontem.

Sentir ressentimento em relação a um membro da família é uma das emoções mais difíceis de lidar. É uma memória que persiste.

Ressentimento da família na primeira pessoa

Podemos ser vítimas de ressentimento familiar. Há momentos em que, por motivos justificados (ou provavelmente injustificados), nos tornamos aquela ovelha negra sempre apontada e vilipendiada.

Somos o foco de toda decepção e até aquele nome que um dia deixou de ser pronunciado em casa. São duras realidades que muitos podem estar vivendo na própria pele.

Por outro lado, a situação oposta também pode ocorrer. Também é possível que nós mesmos sejamos aqueles que não podem perdoar certos aspectos dentro da família.

Esta última experiência é mais comum do que pensamos e pode ser mediada por circunstâncias como as seguintes:

– Não ter se sentido amado, valorizado ou respeitado por um ou mais de nossos parentes.
– Sentir-se humilhado por uma ou várias situações.
– Sentir-se traído, não contar com nossos pais e irmãos quando precisávamos deles.
– Ser o filho invisível em uma família onde havia um filho de ouro.

Pesquisas nos dizem que o distanciamento familiar é algo que aparece com frequência. Quem mais e quem menos tem um membro da família com quem não fala, não tem contato e o sentimento de ressentimento persiste.

O ressentimento sempre cobra seu preço: como agir?

O ressentimento familiar é o molde que se espalha e adoece silenciosamente. É esse sentimento que convive com a memória e que nos encapsula, isolando-os uns dos outros.

O mais complexo é que, quando você cresce em uma família onde há ressentimento em relação a alguém, você aprende cedo a odiar.

Não é apropriado, não é saudável ou pedagógico. Famílias implacáveis ​​são como uma espiral de negatividade. No entanto , a forma de abordar essas realidades psicossociais é sempre complexa e delicada.

É verdade que o perdão seria o único mecanismo capaz de libertar aquele sofrimento preso, de curar aqueles laços amputados por uma ofensa ou decepção.

No entanto, nem todos são capazes de dar o passo: de perdoar e construir pontes. O ressentimento geralmente tem o ego e o orgulho como espinha dorsal.

Não é fácil remover as cascas de alguém que vem odiando por meia vida. No entanto, é sempre apropriado reparar as relações familiares enfermas.

Às vezes não há necessidade de uma reaproximação genuína. Mas a capacidade de oferecer perdão para deixar ir sem ódio, para virar a página e nos permitir avançar em liberdade, cada um por si, sem a podridão do ressentimento.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações LMM. Foto de Mahdi Bafande no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!