Respeitar os mais velhos, quem chega primeiro e o hierarquicamente superior (pais, professores e chefes) é questão de maturidade.

Respeitar os papéis que cada um exerce dentro da sociedade é muito mais que maturidade; é um ato de amor.

Cada um deve ser responsável por suas próprias obrigações e afazeres.

Se cada um se limitasse a olhar mais para sua própria vida com certeza seria meio caminho andado para a construção de um mundo melhor com pessoas realmente livres, leves, soltas e felizes.

O que mais se vê, hoje em dia são pessoas que se acham mais que os outras e com esse olhar distorcido de se considerarem os donos do mundo e a última bolacha do pacote, acabam querendo desempenhar as funções que não lhes pertencem, numa atitude de querer excluir o outro, mesmo que de forma inconsciente e involuntária.

Existem inúmeras inversões de papéis. E todas elas, por contrariarem a ordem natural das coisas acabam dando problema para as dois lados, afetando assim todo um sistema, que precisa de ordem para sobreviver.

Com a tecnologia avançada, o livre e fácil acesso a uma quantidade enorme de informações, fez com que o ser humano ficasse dotado de conhecimento e de uma certa forma meio perdido, num emaranhado de muitas e várias ideias.

Tudo na vida tem os dois lados da moeda.

Em algumas circunstâncias o excesso do “saber” fez com que nascesse um processo desafiador, onde cada um passou a mostrar que sabe mais do que o outro, não se importando com princípios e valores. E dessa forma, tem-se visto algumas situações de desordem dentro dos lares, nas escolares e em ambientes de trabalho. Precisamos entender a palavra “respeitar” em todas as suas nuances!

Não tem como perder tempo em achar culpados, pois na realidade não se trata de culpa e sim de falha no sistema que precisa de ordem para andar bem e dar certo.

Na inversão de papéis podemos ver filhos exercendo o papel de pais e vice-versa, subordinados exercendo a função de chefes, alunos querendo ensinar os professores, irmãos mais novos mandando nos mais velhos, maridos e esposas que vêem nos seus parceiros uma continuidade da função dos pais e assim por diante.

A inversão de papéis se tornou pesada. Ela se espalhou e está em todos os lugares, bastando apenas um olhar mais atento para observar.

Dessa forma, o sistema dependendo das circunstâncias pode virar uma bagunça e gerar sérios problemas para ambos os lados, contaminando tudo ao redor.

Tudo que foge da normalidade pode gerar transtornos e desgastes desnecessários, se tornando doentio e gerando escravidão se não forem evitadas.

Prevenir é o melhor remédio. Evitar entrar em círculos viciosos é a melhor solução.

O mundo evoluiu em termos de tecnologia e a humanidade está caminhando para a verdadeira evolução, onde o discípulo supera o mestre pela humildade, pois saberão que para conquistarem um lugar de destaque precisarão de tempo e modo, este não inclui arrogância e nem prepotência e sim vivência e experiência, além do conhecimento.

O sol nasceu para todos e é possível sim lutar por um lugar ao sol, mas de forma que os valores não se percam, principalmente a humildade.

Ninguém precisa ser o outro. Devemos ser nós mesmos e cada um no seu quadrado. Isso passa a ser o suficiente para a verdadeira evolução de um mundo melhor com mais amor-próprio e mais amor ao próximo.

VOCÊ JÁ CONHECE O FACEBOOK E O INSTAGRAM DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS TE FARÃO MAIS FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Idelma da Costa
Idelma da Costa, Bacharel em Direito, Pós Graduada em Direito Processual, Gerente Judicial (TJMG), escritora dos livros Apagão, o passo para a superação e O mundo não gira, capota. Tem sido classificada em concursos literários a nível nacional e internacional com suas poesias e contos. Participou como autora convidada do FliAraxá 2018 e 2019 e da Flid 2018.