Você com certeza já conheceu alguém que não consegue admitir um erro e que possui a necessidade de colocar a culpa de tudo que acontece nos outros. Ou que sempre se vitimiza frente aos problemas da vida, ou que precisa descontar a raiva e a dor que sente por ter que enfrentar algumas situações adversas, se vingando.

Uma pessoa que não consegue lidar com as fortes emoções negativas que a invade, e precisa vomitar todas as suas insatisfações nos outros. Outra que guarda secretamente o desejo de se vingar daquele que ela acredita ser o motivo da sua infelicidade, do seu fracasso, ou do seu desamor.

A vingança é uma empacadora de vidas, ela não nos deixa seguir em frente, e só gera mais violência.

Quando sentimos a necessidade de fazer mal a alguém, ou inconscientemente fazemos com a intenção de que aquele ato nos faça sentir melhor, estamos atentando contra nós mesmos, não apenas contra o outro.

As emoções são frutos da nossa criação interna. Quando mais as alimentamos, mais potente e gordas elas ficam. E se constantemente praticamos e desejamos o mal, coma desculpa de que estamos nos defendendo, ou que precisamos nos defender de pessoas bem piores do que a gente, chega um momento em que não percebemos que nos tornamos “aquele” que mais criticamos.

Criamos aí o conhecido ciclo vicioso.

Vingança, de um lado da gangorra, e violência do outro. Nunca sabemos quem estará por cima e quem estará por baixo, porque nenhum dos dois gosta de ficar por baixo. Sair ganhando é o desejo de quem comete a violência (tanto física quando emocional), e aquele que recebe qualquer tipo de violência, se não entende o benefício do perdão, e está contaminado pelo negativismo, acaba motivado a se vingar, a fazer justiça com as próprias mãos…

Se formos analisar friamente(como os vingativos e violentos fazem), nessa gangarra não há vencedores…

Os sacrifícios que fazemos por amor geram frutos virtuosos, mas as cicatrizes e as dores que resultam da vingança e da violência são profundas e duradouras e nada virtuosas, pelo contrário, são vergonhosas.

Quem possui a mania de descontar seus problemas nos outros, acredita que a culpa de tudo que lhe acontece é de todos, menos dele mesmo!

Quem costuma vomitar suas insatisfações e angustias no primeiro ser humano que aparece, ou planeja vingança com frieza de detalhes, ainda não entendeu que tudo o que acontece com a gente é obra divina para o nosso burilamento interno. Até o mal que nos fazem.

É obra de Deus sim! Nesse momento estamos sendo testados em nossa capacidade de perdoar.

LEIA TAMBÉM: Filme “O lado bom da vida”: Quando as nossas obsessões nos cegam, fica difícil enxergar o lado bom de tudo!
E precisamos estar sensíveis para entender o que Deus quer nos ensinar com aquilo que nos aborrece.

Se continuamos a colocar a culpa de nossos fracassos, nos outros, para evitar o aprendizado que a situação exige, acabamos mergulhando em crises emocionais profundas, que com certeza nos farão afogar em uma lama tóxica que nos fará agir movidos pelo sentimento de vingança, e que não trará benefício algum, apenas arrependimentos.

Se você se considera uma pessoa vingativa, se você culpa os outros por tudo, ou tem alguém na família, um amigo próximo que é meio (ou completamente) violento e culpa Deus e todo o mundo por seus problemas…, incentive a si ou a ele a liberar suas emoções negativas de outras maneiras:

1- Expurgue os seus problemas no papel, não nos outros.

Aprenda a desabafar escrevendo! É um santo remédio!

Mesmo que você não seja bom nisso, escrever é uma das melhores maneiras de eliminar a raiva e todo sentimento negativo que temos dentro.

Se depois de escrever queimarmos o papel, esse ritual, mostra para o nosso inconsciente que tudo aquilo que estávamos sentindo foi queimado, expulso, e não nos pertence mais. Você pode não acreditar, mas funciona! Testa aí e depois me conta como foi!

Praticar esse ritual frequentemente te ajudará a aprender a lidar com aquilo tudo que vem te adoecendo. Com essas emoções que não te fazem bem!

2- Pratique artes marciais

Quando temos uma necessidade de agir de forma agressiva e violenta devemos buscar ajuda dos mestres nas artes marciais, e deixar toda essa energia que canalizamos negativamente, no tatame.

O problema é que algumas pessoas vão aprender algumas dessas técnicas de defesa pessoal e depois utilizam nas ruas, agredindo as pessoas, mas essas são exceções… a regra mesmo são pessoas sendo transformadas pelas filosofias que os professores passam que contribuem para a dissolução dos problemas internos, a melhora da autoestima e da autoconfiança e do controle das emoções.

3- Procure ajuda profissional

Essa ajuda profissional pode ser tanto de um psicólogo ou psicanalista, quanto de alguma terapia holística, chamadas alternativas.

Muitas pessoas estão se beneficiando utilizando a aromaterapia, fazendo tratamentos com óleos essenciais, eu mesma faço o uso, não para esse motivo, mas para atingir um nível mais profundo de autoconhecimento e são incríveis os resultados.

Apenas tenha cuidado porque os óleos essenciais são muito potentes e sim, é necessário acompanhamento profissional durante o uso, mesmo sendo vendido facilmente em farmácias e sites, alguns podem causar muitos efeitos emocionais e algumas pessoas podem não saber lidar com eles. Procure utilizar quando receitados por profissionais, ou seja, por aromaterapeutas, ou naturopatas competentes.

Tenho certeza que esse mal e essa culpa que você guarda aí dentro não te fazem bem. E se vingar pode até te trazer um sentimento de realização momentânea, mas é totalmente ilusória.

Depois de um tempo, o veneno que você aplicou, te contamina por completo, e o vício da vingança se instala. E lá vai você de novo se vingar.

Nessa toada, uma hora a sua consciência uma hora vai pesar. Pode ser que não agora, mas chega uma idade que ela pesa.

Chega uma hora que você se vê sozinho, porque todos que tentam se aproximar, acabam feridos, visto que você começa a preferir ferir primeiro do que esperar que o outro te fira. Você já tem a certeza que vão atentar contra você. Mas tudo isso é fruto da sua mente que foi contaminada pelas suas emoções doentes.

Isso tem nome, chama-se: Mania de perseguição.

Pare de tentar encontrar culpados! Pare de culpar a todos! Pare e se olhe no espelho e seja honesto! E admita a sua própria culpa.

Pare um minuto para analisar quem está perseguindo quem.

Se você se concentrar nessa questão perceberá que seu pior inimigo não é o outro… É você mesmo!

Lava o mal que você carrega dentro, que, assim que estiver tudo bem limpo, ninguém mais será capaz de te ferir, nem você mesmo!

Aprenda a perdoar! Você se sentirá mais leve e feliz e os outros que convivem com você, também!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!