Quantas vezes Jesus te pediu para segui-lo e você disse não?

Todas as vezes que você se queixou com Deus pelos seus problemas, reclamou sobre o que ainda te falta, murmurou por estar cansado, por tantos afazeres e responsabilidades, pela ingratidão de um filho, amigo, marido ou chefe, pelo curso da vida que se modificou e não agradou as suas vontades mais egoístas e sonhos infantis, Deus ouviu.

Durante suas infinitas queixas, Deus permaneceu em silêncio, não foi?

Você conseguiu ouvir alguma coisa? Não ouviu?

Mas você se enganou, ele nunca silenciou, ele falou diretamente a você infinitas vezes através de Jesus e de seus seguidores mais fieis.

Certa vez, um homem reclamou a Jesus:

“Tenho guardado todos esses mandamentos desde que cheguei à mocidade. Que é o que ainda me falta?”

Disse Jesus:

“Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me”.

Ouvindo essas palavras, o moço se foi todo tristonho, porque possuía grandes haveres.

Jesus disse então a seus discípulos:

“Digo-vos em verdade que bem difícil é que um rico entre no reino dos céus”.

Ainda uma vez vos digo:

“É mais fácil que um camelo passe pelo buraco de uma agulha, do que entrar um rico no reino dos céus”[1]. (S. MATEUS, 19:16 a 24; S. LUCAS, 18:18 a 25; S. MARCOS, 10:17 a 25.)

Toda vez que você se preocupa e reclama em oração, Jesus te diz para deixar tudo e o seguir, e você invigilante, não ouve, mas ele planta a sua palavra dentro do seu coração:

“É isso que te preocupa, deixe tudo, doe tudo o que possui aos pobres e siga-me!

E você com seus apegos emocionais e materiais, diz não! Todas as vezes!

Você diz inconscientemente, e as vezes, até consciente:

“Não Jesus, eu não posso te seguir”!

“Eu tenho filhos, preciso ajudá-los, eu tenho funcionários que dependem de mim, eu preciso de mais bens para me sentir mais poderosa e poder comprar mais coisas, viajar, gozar dos prazeres da vida”.

E passa mais uns dias, infeliz que só, você volta a se queixar e infelizmente, continua a fazer um calvário nos ouvidos de Deus e nos ouvidos dos poucos que ainda permanecem ao seu lado, e não entende que a prosperidade não está no ter e sim no ser!

“Quando Jesus explicou os meios de ganhar a vida eterna: “Desfaze-te de todos os teus bens e segue-me”, não pretendeu, decerto, estabelecer como princípio absoluto que cada um deva despojar-se do que possui e que a salvação só a esse preço se obtém; mas, apenas mostrar que o apego aos bens terrenos é um obstáculo à salvação.

Aquele moço, com efeito, se julgava salvo, pois conhecia muito bem os mandamentos, mas era apegado demais aos bens materiais, e às suas condições egoístas, recusava-se à ideia de abandonar os bens de que era dono. Seu desejo de obter a vida eterna não ia até ao extremo de adquiri-la com sacrifício.

O que Jesus lhe propunha era uma prova decisiva, pretendia o deixar livre do que o preocupava os pensamentos.

Ele podia, sem dúvida, ser um homem perfeitamente honesto na opinião do mundo, não causar dano a ninguém, não maldizer o próximo, não ser vão, nem orgulhoso, honrar a seu pai e a sua mãe. Mas, não tinha a verdadeira caridade; sua virtude não chegava até a abnegação. Isso o que Jesus quis demonstrar. Fazia uma aplicação do princípio: “Fora da caridade não há salvação”.

Quantas vezes pedimos para que Jesus nasça em nós, mas o negamos ficando preocupados com migalhas ao invés de buscarmos os tesouros da vida eterna?

A maioria das queixas gira em torno do dinheiro, ou se tem pouco e quer mais, ou se tem muito e por conta dele, outros tantos problemas aparecem, inveja, perseguição, insegurança, responsabilidades, preocupações, e soberba.

Se a riqueza é causa de muitos males, se cria tantas más paixões,” se provoca mesmo tantos crimes, não é a ela que devemos culpar, mas ao homem, que dela abusa, como de todos os dons de Deus”.

A riqueza é uma dádiva, o que o homem faz com ela ou por ela é que o condena!

Siga a Jesus, o mestre de todos os mestres, mas siga de verdade, sem impor condições, sem exigir que ele magicamente resolva os seus problemas, que na verdade são frutos do seu egoismo infantil em não querer acatar os ensinamentos que estão impregnados neles.

Siga também as palavras daqueles que já passaram por aqui, que não foram considerados Messias, mas deixaram seus legados, siga também as orientações daqueles que ainda estão entre nós, e que diariamente nos trazem lições valiosas, mas que, você e seu orgulho ferido, inconscientemente sempre nega.

Todas essas vezes, que você se vitimizou, acusou o outro dos seus problemas, interferiu em seu livre-arbítrio, desconjurou, condenou, julgou, você negou Jesus!

Vamos juntos buscar os tesouros da vida eterna que na vontade de Deus se cumpre e se faz! A partir de agora em nós, e em todos os nossos! Prezados irmãos!

Paremos de criar conflitos, de fazer “picuinha”, de cobrar de Deus que nossa vida seja perfeita aos nossos olhos. E, principalmente, paremos de fazer da vida dos outros um inferno, pois esse inferno que vemos no outro e fazemos, habita em nós.

Nosso egoísmo por vezes é doentio, e precisamos acordar para isso urgentemente!

Também por isso Jesus disse:

Doe tudo aos pobres e siga-me!

Ele quis dizer que o que te aflige, se possui raiz em glorias, conquistas, desejos materiais, ou de vangloria de seus filhos terrenos, todos esses queres são por demais pequenos, e não merecerá você o reino dos céus, por mais que você pareça honesto aos olhos dos homens da Terra, parecer não é ser.

Portanto, em tempo, mude seu comportamento.

Devemos abrir os braços para o alto e pedir perdão por todos os anos que nos queixamos, por nunca termos agradecido o suficiente, por termos tentado controlar a tudo e a todos durante toda a nossa vida até aqui, como se deuses fossemos, e como se todos tivessem que seguir os nossos desígnios, e não nós, tivéssemos que seguir e aceitar com amor, os desígnios de Deus.

Pensemos.

*Com informações de Kardecpedia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, palestrante, produtora e editora de conteúdo do Resiliência Humana e do Seu Amigo Guru. Seu interior é intenso, sempre foi! Transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhores, para nós, e para o outro!