A bondade se encaixa em uma vida feliz. Uma nova análise de décadas de pesquisa mostra que, quando somos gentis com os outros, somos mais saudáveis ​​e felizes.

Todos nós sabemos que é bom ser gentil com os outros. A gentileza é uma virtude importante para manter relacionamentos, o que ajuda a construir uma sociedade confiante e cooperativa.

Você também pode ter ouvido que a bondade o torna mais feliz e saudável. Mas o que isso significa para você? Que atos de bondade nos farão mais felizes e quem tende a se beneficiar mais?

Uma revisão recém-publicada de décadas de pesquisas sobre bondade fornece algumas respostas.

Neste artigo, os pesquisadores analisaram os resultados de 126 artigos de pesquisa olhando para quase 200.000 participantes de todo o mundo.

Todos os estudos que eles escolheram tiveram que atender a certos critérios, como incluir apenas adultos e relatar bons dados estatísticos.

Alguns eram experimentos, onde as pessoas praticavam a gentileza para observar seus efeitos, enquanto outros apenas pesquisavam as pessoas sobre como elas eram gentis e felizes.

Os estudos mediram o bem-estar de várias maneiras, incluindo saúde mental e física.

Como esperado, as pessoas gentis tendem a ter mais bem-estar.

O pesquisador-chefe, Bryant Hui, ficou surpreso com o fato de que o relacionamento não era mais forte do que antes, mas ele ainda estava animado com os resultados.

“Embora a relação geral entre comportamento pró-social (gentil e prestativo) e bem-estar seja fraca, visto que tantas pessoas ao redor do mundo agem pró-socialmente, o efeito modesto ainda pode ter um impacto significativo em um nível social”, diz ele.

Um pequeno efeito como este – uma média de todas as experiências dos participantes – às vezes pode ocultar outros padrões que acontecem abaixo da superfície. Então, ele e seus colegas consideraram quando a gentileza poderia ter um impacto maior em nosso bem-estar.

Uma coisa que descobriram foi que as pessoas que realizavam atos aleatórios e informais de gentileza, como levar uma refeição para um amigo enlutado, tendiam a ser mais felizes do que as pessoas que realizavam atos mais formais de gentileza, como se voluntariar em um refeitório.

É possível que a ajuda informal possa preencher nossas necessidades psicológicas mais básicas de autonomia e relacionamentos íntimos, e é por isso que pode levar a uma maior felicidade.

Os pesquisadores também descobriram que pessoas que eram gentis tendiam a ser mais elevadas em “felicidade eudaimônica” (um senso de significado e propósito na vida) do que em “felicidade hedônica” (uma sensação de prazer e conforto).

Talvez isso faça sentido, visto que ser gentil envolve esforço, o que tira o conforto, mas poderia fazer as pessoas se sentirem melhor com elas mesmas e com suas habilidades, o que daria um sentido de significado.

Ser gentil trouxe maior felicidade para as mulheres do que para os homens.

De acordo com Hui, isso pode ocorrer porque, em muitas culturas, espera-se que as mulheres sejam mais gentis do que os homens; então, eles podem ter mais a ganhar com isso.

E os participantes mais jovens experimentaram mais felicidade quando eram gentis do que os participantes mais velhos, talvez por razões de desenvolvimento, diz ele.

Os adultos mais jovens estão em um estágio da vida em que tendem a descobrir sua identidade e buscar ativamente o propósito e o significado da vida que a bondade pode trazer, menos do que prazer e conforto.

Que outros benefícios específicos a gentileza pode ter? Os pesquisadores descobriram que as pessoas gentis tendem a ter maior autoestima e um senso de auto eficácia.

Em menor grau, eles também experimentaram menos depressão e ansiedade e melhoraram a saúde física – com os vínculos com a saúde sendo mais fortes em adultos mais velhos.

Hui não sabe ao certo por que agir de maneira gentil pode ter esses efeitos diferentes em grupos diferentes, mas ele aponta para as teorias apresentadas pela pesquisadora Elizabeth Midlarsky:

Ser gentil pode nos fazer sentir melhor sobre nós mesmos como pessoa ou sobre o significado de nossas vidas, confirme nossa auto competência, distraia-nos de nossos próprios problemas e estressores, dê-nos uma sensação calorosa ou ajude-nos a estar mais socialmente conectados com os outros.

Tudo isso pode melhorar potencialmente nosso bem-estar – reduzindo nosso estresse, melhorando nosso humor ou proporcionando comunidade – e pode ter mais importância em diferentes estágios da vida também.

Ao compreender a conexão entre gentileza e bem-estar, Hui acredita que os pesquisadores podem criar estudos melhores que levem em consideração todos os fatores relevantes, e os inovadores poderiam criar práticas de gentileza mais eficazes.

No futuro, ele espera que existam aplicativos de gentileza ou programas online que possam alcançar mais pessoas, gerando um impacto maior em todo o mundo.

Nesse ínterim, diz Hui, a maior lição de sua pesquisa é algo que ele ouviu o Dalai Lama dizer há muito tempo: “Se você quer que os outros sejam felizes, pratique a compaixão. Se você quer ser feliz, pratique compaixão.”

“Ajudar os outros é uma virtude universal e uma maneira muito acessível e econômica de beneficiar os outros e nosso próprio bem-estar”, diz ele.

“Como diz o ditado, ajudar os outros é ajudar a si mesmo.”

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações GGB. *Foto de Jeremiah Lawrence no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!