Quando o mundo ignora as nossas ideias nos sentimos sozinhos!

Sentir-se invisível não é agradável e pode até ser uma experiência dolorosa. Quando estamos em uma situação embaraçosa, a invisibilidade parece um super poder.

Na verdade, em algumas circunstâncias, passar despercebido pode até mesmo nos salvar de um conflito ou nos tirar do perigo.

Mas quando os outros nos ignoram, ignoram nossas ideias e transmitem nossos sentimentos, podemos nos sentir subestimados, sozinhos e desconectados. Como disse o psiquiatra Donald Winnicott,” esconder-se pode ser divertido, mas não ser encontrado é um desastre”.

Com o tempo, essa sensação de invisibilidade pode se tornar crônica, fazendo com que nos sintamos rejeitados e insignificantes. Podemos começar a sentir que não somos o suficiente, como se não tivéssemos a menor importância. Essa experiência de invisibilidade pode acabar corroendo nossa autoestima e autoconfiança.

As principais razões pelas quais podemos nos sentir invisíveis

Experimentar rejeição social, seja acidental ou intencional, pode alimentar sentimentos de invisibilidade. Os preconceitos, por exemplo, contribuem para que as pessoas se sintam invisíveis, pois há grupos que ignoram abertamente suas ideias e violam seus direitos.

Quando uma pessoa não recebe validação emocional em tempos difíceis, ela também pode se sentir invisível.

A ausência de empatia nos outros o impede de se conectar emocionalmente, o que o faz se sentir sozinho e isolado, como se não existisse.

Também podemos nos sentir invisíveis e menosprezados quando outros não reconhecem nossos direitos fundamentais de afirmação.

Se eles não nos tratam com respeito, mas em vez disso tentam impor sua vontade e decisões, podemos sentir que não contamos.

Essa sensação de invisibilidade também se manifesta quando nossas opiniões não são levadas em consideração e nosso direito de expressar nossa discordância é retirado de nós.

Também podemos nos sentir ignorados quando os outros relegam nossas necessidades para segundo plano, de modo que ficam permanentemente insatisfeitos.

Em suma, nos sentimos invisíveis quando as pessoas ao nosso redor não validam nossa identidade, mas a ignoram, nos afastando e nos impedindo de tomar decisões importantes.

Quando o problema não é outro

Às vezes, podemos nos sentir invisíveis porque carregamos uma história de negligência emocional na infância. Se nossos pais prestaram pouca atenção a nós e não atenderam adequadamente às nossas necessidades emocionais, é provável que esse sentimento de insignificância e rejeição nos acompanhe até a vida adulta.

Geralmente ficamos hipersensíveis a situações de rejeição ou invalidação, uma vez que estas nos fazem retornar automaticamente à nossa infância. Essas experiências podem distorcer nossa percepção da realidade e nos fazer sentir invisíveis quando, na verdade, contamos para outras pessoas.

Nestes casos, podemos nos referir a quatro situações em que a pessoa pode se sentir invisível:

O “nada” absoluto. Podemos nos sentir absolutamente invisíveis quando as pessoas mais importantes para nós, como nosso parceiro ou nossos filhos, se comportam como se não existíssemos.

Geralmente é porque eles estão muito sobrecarregados com seus próprios problemas, mas também podem ser pessoas muito egocêntricas ou manipuladoras que usam a indiferença como punição e meio de controle.

Cegueira parcial Nestes casos, não somos completamente invisíveis, recebemos atenção, mas é uma atenção residual ou superficial.
Podemos nos sentir assim, por exemplo, quando falamos com uma pessoa, mas ela realmente não nos escuta e depois de um tempo não lembra mais de nada da conversa.

Também podemos nos sentir invisíveis quando interagimos com pessoas que não nos entendem ou não têm interesse em saber como somos.

Invisibilidade autoprotetora. Às vezes, a invisibilidade pode ser “positiva”. Nos oceanos, por exemplo, os peixes que vivem nas áreas mais profundas não precisam ficar invisíveis porque lá tudo é escuro, enquanto os que vivem na superfície emitem flashes de luz deslumbrantes para que seus predadores os confundam com flashes de água.

Em contraste, os animais que vivem em águas intermediárias, a zona pelágica, não têm essas opções.

É por isso que a maioria dos peixes invisíveis vive lá. A invisibilidade os ajuda a sobreviver em um mar de predadores.

Invisibilidade para proteger os outros. Nem sempre tentamos nos tornar invisíveis para nos proteger, às vezes fazemos isso para proteger os outros.

Por exemplo, em famílias disfuncionais ou onde os adultos têm problemas sérios, as crianças podem tentar passar despercebidas para não representar um fardo extra.

Se sentirmos que o melhor que podemos fazer é nos tornar invisíveis, relegamos nossas necessidades para segundo plano e tentamos nos minimizar.

Em outros casos, sentir-se invisível pode ser o resultado de expectativas irrealistas. Pessoas narcisistas, por exemplo, que exigem atenção extrema, podem se sentir invisíveis quando não a estão recebendo.

No entanto, isso não significa que não sejam importantes para os outros, mas apenas que às vezes ficam para trás, pois é justo.

As consequências de se sentir invisível

Dificuldades para se conectar com outras pessoas. Quando nos sentimos invisíveis, podemos desenvolver mecanismos de defesa que nos fazem pensar que não precisamos de nada nem de ninguém.

Tentamos lidar com essa vulnerabilidade ocultando algumas necessidades que não são satisfeitas.

Isso pode fazer com que nos fechemos para dentro de nós mesmos, incapazes de fazer conexões emocionais profundas com os outros.

Negligenciando-nos emocionalmente. Ao nos sentirmos invisíveis, podemos chegar a pensar que nossas necessidades não são importantes.

Na verdade, as vítimas de abuso e negligência geralmente aprendem a ignorar suas emoções e suas necessidades mais básicas. Guardamos tudo dentro e não expressamos o que gostaríamos, o que acaba nos prejudicando.

Não estabelecendo limites saudáveis. Às vezes, após anos de invisibilidade, quando uma pessoa finalmente nos vê, podemos nos sentir tão especiais que faremos de tudo para manter essa atenção.

Isso pode nos colocar em uma situação de dependência emocional, porque podemos estar dispostos a tolerar demais e cair em relacionamentos abusivos.

Comportamentos compensatórios. Em alguns casos, a invisibilidade pode levar a comportamentos compensatórios que nos ajudam a obter a atenção e o afeto de que precisamos.

Na verdade, é comum no transtorno dissociativo de identidade, o que é reforçado quanto mais atenção recebemos de pessoas que são importantes para nós.

Em qualquer caso, é importante ter em mente que todos, em menor ou maior grau, precisam de validação. Podemos deixar de ser invisíveis recorrendo a comportamentos mais assertivos e reafirmando a nossa identidade.

Fonte: Schore, A. (2001) Os efeitos do trauma relacional precoce no desenvolvimento do cérebro direito, afetam a regulação e a saúde mental infantil. Saúde Mental Infantil ; 22: 201-269.

Mosquera, D. (2018) Os efeitos de se sentir invisível: Compreender a conexão com quebras de apego precoces e negligência. Boletim informativo da ESTD; 7 (1): 1-8.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RT. Foto de BBH Singapore no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!