Quando devemos cortar o contato com uma pessoa para sempre?

Cortar o contato e o relacionamento com um amigo, membro da família ou até mesmo um parceiro nunca é fácil. No entanto, há casos em que isso não é apenas recomendado, mas necessário. Analisamos essas situações.

Vamos admitir, muitos de nós já nos fizemos essa mesma pergunta mais de uma vez.

Geralmente, nós nos fazemos essa pergunta quando nos encontramos naquela situação pessoal em que alguém nos traz mais problemas do que alegrias.

Há quem, de repente, seja como o espinho de uma roseira, uma figura que pica, que dói no meio do nosso jardim de relacionamentos.

Há aqueles que não hesitam em reagir e simplesmente fecham a porta para aquela pessoa depois de deixar claro para ela o quão exaustos estão.

Outros, por outro lado, se afastam aos poucos, permitindo que o vínculo esfrie por conta própria. Por outro lado, também há aqueles que simplesmente cortam todo contato e deixam o silêncio e a distância agirem como uma resposta óbvia.

Tudo é legal e respeitável. No entanto, até chegarmos a esse ponto, costumamos nos debater nas dúvidas e nos labirintos da contradição.

Temos medo de fazer mal, estamos preocupados em causar dor a pessoas que talvez tenham passado metade de suas vidas ao nosso lado. No entanto, apesar disso, a dor que nos causam pesa mais e daí a importância de tomar a melhor decisão possível.

Analisemos agora esta questão.

5 situações em que devemos cortar o contato com uma pessoa para sempre

Desconforto, consciência culpada, ruminação constante, indecisão… Poucas coisas são mais problemáticas do que perceber que certas relações poluem excessivamente nosso espírito. São essas encruzilhadas vitais nas quais somos forçados a decidir alguma coisa.

Devo me afastar dessa pessoa para sempre ou devo ter paciência e entender que os relacionamentos, sejam eles amigos, familiares ou parceiros, são difíceis?

O campo da psicologia evolutiva nos fornece uma informação interessante sobre esse assunto, sobre a qual vale a pena refletir.

Robin Dunbar é uma antropóloga, psicóloga e bióloga evolutiva britânica especializada na área de relações humanas.

Em um de seus estudos, ele aponta que o neocórtex evoluiu quando começamos a reduzir o número de relacionamentos entre nossos grupos sociais.

Como bem sabemos, por muito tempo nossos ancestrais foram nômades. Esses grupos variaram entre 150 e 200 indivíduos.

Agora, pouco a pouco, esse número de pessoas foi reduzido para criar unidades menores com as quais sobreviver da caça ou da coleta. A redução de indivíduos também minimizou conflitos e ganhou em interação, harmonia e sobrevivência.

O que podemos deduzir disso? As vezes menos é mais. Na jornada da vida é sempre bom saber com quem contar e com quem não contar. E o fato de ser assim não é bom nem ruim; Faz parte da nossa essência, do nosso princípio de sobrevivência e bem-estar.

Vamos, portanto, entender quando cortar o contato com uma pessoa para sempre.

1. Com você deixo de ser eu: relações em que sua identidade se dissolve

As vezes acontece. Às vezes, mantemos relações em que o outro é sempre prioridade. O que esse amigo, parente ou parceiro quer, pensa, precisa, pensa ou deseja é mais importante.

Quase, sem saber como, acabamos nos dissolvendo nessa figura alienígena, a ponto de não nos reconhecermos mais. Algo assim não é saudável ou recomendado. Colocar distância é a melhor solução.

2. Quando você sempre quer algo em troca de mim: a instrumentalização do vínculo

Se nos perguntarmos quando cortar para sempre o contato com uma pessoa, o egoísmo é um elemento determinante . Perceber que sempre nos procuram, nos ligam ou esperam algo específico de nós deve nos deixar desconfiados. Isso ocorre em praticamente qualquer relacionamento: amigos, familiares, colegas de trabalho…

Há pessoas que nos fazem cativos de seus pedidos e demandas sob a eterna frase “eu faria isso por você” . Mas sejamos claros, carinho, afeto e respeito não exige. A reciprocidade parte da liberdade, do eu te dou, tu me dás, porque a gente quer e ninguém nos impõe.

3. Você me machucou e não posso mais permitir: a ferida do narcisismo

O narcisismo é aquela sombra sorrateira que muitas vezes se esconde atrás de um colega de trabalho, amigo de infância ou membro próximo da família.

São figuras que vão além do comportamento egoísta: manipulam emocional e psicologicamente. Eles usam chantagem para mantê-los sob controle, eles procuram nos subestimar para brilhar sua auto-estima.

Manter esse tipo de relacionamento por um tempo excessivo pode aniquilar nosso equilíbrio psicológico. Uma pausa no tempo pode nos manter inteiros.

4. A pessoa finge ser o que não é: falsa afeição

Se estou me perguntando quando cortar o contato com uma pessoa para sempre, há uma referência importante: o falso afeto.

Existem figuras próximas que distorcem completamente o que deveria ser uma amizade, um relacionamento familiar ou mesmo um relacionamento. Porque quem te ama nunca mentiria ou te decepcionaria continuamente.

O amor falso, como a amizade falsa, muitas vezes se baseia no medo da solidão. Não importa se eles não te amam; sua angústia com a ideia de ficar sem ninguém os leva a continuar nutrindo esse relacionamento, mesmo que os sentimentos e afetos não sejam autênticos.

5. Quando você e eu não somos mais os mesmos

Nós pessoas mudamos. O tempo nos faz amadurecer, nos guiar por outros interesses, caminhar para outros caminhos e até porque não, deixar de sentir o mesmo carinho por alguém que antes parecia ser um pilar indiscutível em nossas vidas.

O amor se apaga e há até amizades que murcham com o passar dos anos . Sentir que isso não é um ato de egoísmo ou traição, é supor que as mudanças acontecem e que, como tal, devem ser aceitas.

Não podemos negar as evidências. Quando sentimos que não somos mais os mesmos, que nós e outras pessoas mudamos, é melhor aceitar a realidade.

Nutrir um vínculo que não é mais autêntico não tem sentido e pode prejudicar ambas as partes. Abandonar a outra pessoa será um ato de maturidade e também de necessidade.

Para concluir, além da dificuldade de se despedir, de distanciar ou deixar aquela relação esfriar, está o nosso bem-estar. Também o princípio de ser coerente entre o que sentimos e o que fazemos. Vamos pensar sobre isso.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações LLM.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!