Como Deus se torna um terapeuta?

Nunca me ocorreu pensar em Deus como terapeuta, só quando comecei a passar algum tempo na igreja evangélica é que comecei a estudar mais o assunto.

Como muitos espectadores seculares, no começo eu estava interessado em acreditar na maneira como pessoas como eu pareciam experimentar a realidade de uma maneira fundamentalmente diferente.

Eu queria saber como as pessoas adquiriam evidências de que o agente invisível estava realmente lá. Logo, porém, fiquei tão intrigado com o tipo de conversa que as pessoas tiveram com esse agente invisível e com a maneira como essas conversas pareciam mudá-las.

Eu estava passando um tempo em uma comunidade cristã de Vineyard, que é uma igreja evangélica carismática.

As manhãs de domingo eram bem mansas. Ninguém caiu, morto pelo espírito. Normalmente, ninguém falava em línguas, pelo menos em público. Mas as pessoas esperavam experimentar Deus como pessoa.

Eles falavam em ter um relacionamento pessoal com Deus. Quando eles falavam com Deus, eles esperavam que Deus falasse de volta.

O que diabos isso significa?

As pessoas diziam que Deus falaria de volta!

Eu pensei preguiçosamente em participar de uma missão e, dois domingos depois, sentei ao lado de um estranho na igreja e ele acabou organizando uma viagem missionária às Filipinas.

“Você sabia que Deus queria que você fosse”, disse.

As pessoas também disseram que Deus falou através da Bíblia, através de versículos que pareciam pular e agarrá-lo, de modo que elas sabiam que Deus queria que prestassem atenção especial.

“Eu estava lendo sobre Deus, levantando presbíteros para orar pela igreja”, explicou, “eu sabia que o versículo era realmente importante … eu apenas senti isso.

Eu apenas senti que realmente falava comigo.

E alguns dias depois, uma amiga me pediu para fazer parte da equipe de oração e foi tipo, uau, era isso que eu queria. E disse que sim.

Mas a maneira mais importante pela qual Deus falou de volta estava na mente das pessoas.

As pessoas precisavam pensar de forma diferente para experimentar isso.

Eles precisavam pensar em suas mentes, como contendo uma pessoa externa, de modo que, quando sonhavam com uma conversa, a vivenciavam como diferente de apenas conversar consigo mesmas.

Nenhum sonho antigo faria isso.

As pessoas falavam sobre o desenvolvimento de ‘discernimento’, sobre aprender a escolher quais pensamentos que vinham de Deus e não deles mesmos.

Os Pensamentos que vinham de Deus eram aqueles em que você não estava pensando; pensamentos que lhe davam paz; pensamentos que pareciam consoantes com a natureza de Deus.

“Não esperamos”, explicou o pastor, “que Deus queira que alguém se corte ou diga a eles para pular de uma ponte. Isso não é Deus.”

Eles foram encorajados, no entanto, a sonhar acordado: ir passear com Deus e tomar um café com Deus, e permitir-se experimentar o sonho como real.

Eles costumavam ter dificuldade em levar esses devaneios a sério a princípio, e sempre os tratavam com um leve toque epistemológico.

No entanto, com o tempo, eles descobriram que reconheceram o que chamavam de voz de Deus e experimentaram isso, uma voz interior como não a sua. “É um tipo diferente de voz”, disseram as pessoas.

É exatamente nesse contexto que Deus se torna um terapeuta.

Quando os congregantes falam sobre seu relacionamento com Deus, eles parecem pensar em Deus como algum psicanalista benigno e complacente.

Às vezes isso é explícito.

“É como conversar com um terapeuta”, alguém me disse, “especialmente no começo, quando você está revelando coisas profundas no seu coração e profundamente na sua alma, as coisas que foram rejeitadas e negadas”.

Mesmo quando os congregantes não chamavam Deus de terapeuta, eles ainda tratavam Deus como um, conversando com ele sobre seus medos, preocupações e dores.

E assim como você espera que seu terapeuta fique furioso e ainda mantêm o relacionamento, os congregantes gritavam com Deus com uma espécie de raiva da criança (como eles imaginavam) e ainda assim o Deus deles continuava a ouvir pacientemente e a entender.

Outra mulher colocou desta maneira:

“Com Deus, como eu posso fazer uma birra na frente de Deus e Deus pode dizer, ‘está tudo bem em ficar chateado. Vamos resolver isso um passo de cada vez.”

A pessoa pode ser infantil, insegura, irritável, irracional, indignada. Ela não precisa se preocupar que os sentimentos de Deus sejam feridos.

Funciona?

Para algumas pessoas, pensei que sim, e quando dei aos cristãos questionários psicológicos padrão, as pessoas que concordaram que “sinto o amor de Deus por mim diretamente” também ficaram menos solitárias e menos estressadas.

Essas conversas sonhadoras são o que a psicóloga Mary Watkins chamou de “diálogos imaginários”, conversas entre o eu e o outro que acontecem na mente.

Ela pensou que eles eram terapêuticos porque a realidade à qual alguém responde é sempre parcialmente de sua própria criação, e um terapeuta imaginado (um Deus imaterial necessariamente deve ser imaginado) pode, assim, recriar essa realidade tão efetivamente quanto a humana.

Quando Deus se torna esse terapeuta, sentimos um entendimento diferente da psicoterapia comum porque o “terapeuta invisível” é mais poderoso que qualquer terapeuta humano e também mais perfeito.

Como Deus também é invisível, os membros humanos do grupo se posicionam em seu favor, mas não é necessário atribuir suas imperfeições ao terapeuta.

Mas enquanto o terapeuta humano treina o cliente, pega o dinheiro do cliente e vai embora, Deus permanece por toda a eternidade. E isso tem suas vantagens.

*Via Psychology Today. Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!