Quando aprendi a gostar de passar um tempo sozinho me senti ungido por Deus

A importância de encontrar tempo para ficar sozinho – por Swami Krishnananda

Viver sozinho é algo que geralmente, encaramos com medo porque, embora seja fácil entender o significado linguístico de ‘viver sozinho’, não é tão fácil entender sua implicação.

Se construímos um pequeno quarto e moramos lá sozinhos, sem mais ninguém morando naquele quarto em particular, pode-se dizer que estamos vivendo sozinhos. Mas o sentido de ‘viver sozinho’ é um pouco diferente de está só em um quarto sem nenhum contato externo.

Quando estamos angustiados por vários motivos, sentimos vontade de estar sozinhos. Nós não gostamos de uma multidão de pessoas sentadas ao nosso redor.

Quando estamos em estado de perigo, ameaçados por forças que não podemos entender e sem esperança de apoio de fontes disponíveis, sentimos uma sensação de solidão que é diferente do significado gramatical de estar sozinho.

Quando estamos no deserto, quando somos privados de todas as nossas posses, quando amigos e parentes não estão próximos, sentimos uma sensação de solidão.

Quando tudo o que consideramos querido e próximo é tirado de nós, uma condição na qual qualquer um pode entrar a qualquer momento, encontramos um estado de solidão.

Não podemos explicar o que é doçura, embora possamos descrever açúcar, cana-de-açúcar, mel, etc. Não podemos explicar adequadamente ou dar uma definição do que significa doçura, a menos que comamos algo que seja doce. Da mesma forma, não podemos explicar satisfatoriamente o que é essa solidão, por que ocasionalmente temos um desejo interno de viver sem nenhum contato.

Esse desejo de liberdade do contato pode ser despertado por instintos religiosos internos ou por fatores que podem ser totalmente sociais.

Imagine que fatores sociais levariam alguém a um estado de solidão. Quando alguém perde pai, mãe, irmã, irmão, perde o emprego e, somado a isso, está com a saúde debilitada e não recebe simpatia de nenhum canto do mundo, o que você sente? Você não sabe se está vivo ou morto, e mesmo assim você existe.

Como já mencionei, quem não esteve nessa condição não consegue entender o que é esse estado, assim como a fome não pode ser conhecida por uma pessoa que não tem fome.

Só uma pessoa pobre e faminta sabe o que é fome. Um milionário que faz quatro refeições por dia não pode saber o que é fome.

Da mesma forma, essa individualidade peculiar que existe em cada um de nós, que fala em uma linguagem própria em diferentes momentos do tempo, nos dá uma ideia de qual poderia ser nosso destino final.

As pessoas no mundo são tudo menos sábias, embora todos passem por homens de sabedoria, gênios e mestres em ciência e outros enfeites. Mas há um conjunto de circunstâncias que chamamos de natureza sob cuja lei parecemos estar vivendo, e que não parece se importar com o que consideramos como aprendizado, sabedoria e perspicácia científica.

A natureza pode bater até mesmo nas pessoas mais instruídas, e a natureza já fez isso.

Lançou ao vento muitos gênios que nasceram, grandes homens que pisaram esta terra, governantes, gênios científicos, filósofos, trabalhadores sociais e filantrópicos.Por que a natureza se comporta assim, como se não se importasse com os homens?

Ela não se importa comigo, ela não se importa com você, ela não se importa com ninguém que nasceu nesta terra. Todos foram para uma terra do desconhecido.

A atitude da natureza é algo muito misterioso, e a natureza se importa muito com o que chamamos de aprendizado, conhecimento, aquisição. Se não obedecermos à lei da natureza – que é, pelo menos em certo sentido, uma face do que realmente parece ser, do que realmente é e do que deveria ser – e se nossa atitude em relação à natureza é uma de descuido, uma atitude de ‘não me importo’, uma presunção de arrogância e uma importância que realmente não nos pertence, então a natureza mostrará suas garras.

A natureza é juíza e professora ao mesmo tempo. Como professora, como instrutora, ela nos dá oportunidades de aprender pela experiência. Todos os dias passamos por vários tipos de experiência, e cada experiência pela qual estamos passando é uma oportunidade de aprendizado.

As percepções e cognições, as experiências, prazeres e dores da vida são várias lições que nos são transmitidas pela lei da natureza; devemos ganhar sabedoria com essa experiência, mas não aprendemos nada desse tipo.

Aproveitamos essas oportunidades como oportunidades dadas para a indulgência de nossos sentidos ou como uma oposição que nos é infligida pela natureza, e então reclamamos que a Providência está contra nós, Deus é cruel e outras queixas que temos. vem fazendo há séculos.

Essas queixas da humanidade contra a natureza e o Criador são inúteis porque a natureza não tem parcialidade de nenhum tipo. Ela não se importava com Mahatma Gandhi, não se importava com Júlio César, não se importava com Alexandre ou Napoleão ou mesmo com o avô dessas pessoas. Nenhuma dessas pessoas poderia fugir da lei da natureza.

Ela puxa a cortina para qualquer um.

Pode ser um imperador ou um mendigo; Não faz diferença. Quando a cortina é fechada, há uma ordem de saída. Pode ser você, pode ser eu, pode ser qualquer outra pessoa.

A pergunta que fiz foi: “Por que a natureza se comporta assim, como se não tivesse pena de nós?”

Recentemente, houve um acidente aéreo. Por que a lei funciona dessa maneira? Pensamos que é algo cruel, algo oposto ao bom, algo que não pode ser considerado justo ou justo, mas a lei da natureza é o princípio último da justiça.

Todos os princípios de justiça de acordo com nossos códigos de lei, nossas leis feitas pelo homem, são apenas símbolos, cópias dessa eterna justiça da natureza. Podemos ser cruéis, mas a natureza e Deus não podem ser cruéis.

As atividades e eventos erráticos que aparentemente ocorrem em nossa vida e no mundo exterior que parecem anti-sociais, anti-bem e anti-prosperidade são todos exemplos de nossa incapacidade de lidar com a maneira como a lei da natureza funciona – ou de outras maneiras. palavras, para colocar mais precisamente, a maneira pela qual a lei de Deus opera.

O princípio da lei é a obediência, a obediência, o relacionamento e a ação de acordo com seus mandatos. O princípio da justiça, que pode ser equiparado ao princípio da lei operando na natureza, é a obediência implícita que a natureza exige dos indivíduos que habitam o plano terrestre.

A imparcialidade com que esta lei funciona é a razão pela qual às vezes somos levados a dores intensas que não podemos explicar, e às vezes somos colocados em altos pedestais e tronos que consideramos como bênçãos da natureza e de Deus.

A razão das calamidades, catástrofes, cataclismos, nascimentos e mortes, dores e agonias, pobrezas e as várias vicissitudes da vida é a imparcialidade da lei da natureza.

Quando há uma perturbação agonizante de todo o sistema físico devido a uma doença complicada que nos atingiu, não dizemos que a lei do corpo não funciona adequadamente. De fato, é precisamente pelo fato de que o sistema corporal funciona de acordo com um princípio e uma lei que essa catástrofe ocorreu, de modo que não podemos dizer que a lei divina ou a lei natural devam sempre significar prazer e satisfação no sensação de prazer sensorial.

Temos que mudar um pouco nossa atitude em relação às coisas. Na verdade, não há nada que precise ser mudado neste mundo, e não precisamos tentar mudar nada em nenhum lugar deste mundo. Tudo está em perfeita ordem, mas o que precisa ser mudado é a atitude de cada um em relação às coisas.

Não podemos mudar o mundo porque o mundo não foi criado por nós, então quem somos nós para mudá-lo? Já existia antes mesmo de nascermos. Quem criou o mundo nesta ordem, desta forma, neste sistema planetário metodológico, etc.?

Se queremos ser protegidos pela lei da natureza, pela lei de Deus, temos que obedecer à lei. Se queremos ser bons cidadãos, temos que respeitar a lei do país; então somos bons cidadãos porque conhecemos a lei, e o sistema administrativo nos guardará, nos protegerá e cuidará de nós.

Os sentidos são muito perniciosos. Eles tentam nos enganar com a crença de que estamos realmente em posse do infinito entrando em contato com objetos, mas os objetos são, como são colocados no espaço e no tempo, opostos ao infinito do eu, são por vezes, levados a esta condição de isolamento – pode ser por uma catástrofe nacional ou um incêndio ou um cataclismo ou por várias razões – este eu interior parece manifestar-se e afirmar-se.

Quando estamos profundamente angustiados, queremos fugir para uma floresta. Não queremos falar com ninguém por um dia, pelo menos, porque estamos com tanta dor. Algo aconteceu conosco; não podemos explicá-lo. De repente, vamos embora e ficamos ali sentados até que nosso fardo seja liberado.

Você só sente uma angústia profunda quando está sozinho porque está se identificando com a sua personalidade e não com a sua alma.

O Manusmriti dá uma passagem maravilhosa que diz que tudo vem a ser sozinho.

Você não vem com outra pessoa como seu amigo quando nasce neste mundo. Você vem absolutamente sozinho. Você não traz nada quando vem, nem mesmo uma tira de pano.

Você não pode trazer nem mesmo uma agulha quebrada. Você vem absolutamente sozinho no sentido literal, e de maneira semelhante você também vai. Você não pode chamar seus amigos: “Eu vou. Você também vem comigo.”

Nenhum amigo irá com você. Eles dirão: “Oh, me desculpe. Você mesmo vai.” Então você vai sozinho.

O que você fez neste mundo, você tem que suportar. As ações que você realiza neste mundo secretamente, ocultamente, encobertamente, como se não fossem vistas pelas pessoas, serão demonstradas publicamente um dia ou outro.

Temos uma personalidade tão maravilhosa, e essa maravilha das maravilhas, que é o eu dentro de nós, Deus sentado dentro de nós, busca expressão na infinidade de sua natureza, e tem que ser expressa.

Então, para concluir, o que eu aconselho é que todos encontrem um tempinho todos os dias para sentarem sozinhos e pensarem sobre a seriedade da vida que estamos vivendo neste mundo.

A vida que vivemos não é uma piada: “Oh, de alguma forma eu posso viver da maneira que eu quiser.”

Nada desse genero.

Não pode haver nada mais sério do que a vida, não pode haver nada mais misterioso do que a vida, e não há nada mais incompreensível em sua estrutura do que a própria vida.

Para isso, para obter esse conhecimento, para entrar no caminho divino, a essência, a substância dentro de nós, que é realmente o universal se afirmando na vida cotidiana, temos que controlar e restringir as atividades dos sentidos e não ouvir a voz deles.

Temos que pensar através do espírito e não pensar através dos sentidos.

Deus também pensa talvez, mas Ele pensa através do espírito. Seu ser, pensamento e ação são idênticos, enquanto no nosso caso, nosso ser, pensamento e ação são diferentes. Eles não são idênticos.

Quando ação, pensamento e ser tornam-se idênticos, alcançamos a Divindade e alcançamos isso quando aprendemos a gostar de ficar sozinhos.

Deus nada mais é do que a identidade de ser, consciência, ação, poder e bem-aventurança. Isso nós alcançamos pela graça dos Mestres, a graça do Guru, pelo estudo das escrituras, pelo trabalho, serviço e atividade altruístas diários, pelo serviço e honra dos anciãos.

*DA REDAÇÃO SAG. Foto de Allef Vinicius no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!