Aprender a identificar se o problema é meu ou se é do outro deixou a minha vida mais leve e feliz! Se o problema diz respeito a mim, eu o identifico, o acolho e busco soluções para ele, mas se o problema é do outro, e eu resolvo me portar como “salvadora da pátria”, acabo o impedindo de aprender, de se fortalecer com as lições da vida, e trago para mim pesos desnecessários.

Quantas vezes a vida parece um caos e tentamos de todas as formas resolver os problemas que se apresentam, mas muitos deles não são nossos, não fomos nós que os criamos, e muito menos são as lições que devemos aprender com a vida, mas eles caem no nosso colo, devido a uma aproximação “consciente” que fazemos quando “tentamos ajudar”.

Poxa, tem gente que tem a síndrome da “boazinha”, que para se sentir bem tem que se sentir necessária, indispensável, magnânima, e para isso, tenta ser onipresente, onisciente e onipotente! Mas deixa eu te falar: essas características não existem em ninguém de pele e osso. E posso dizer isso de carteirinha porque nesse quesito já fui “sócio-atleta”, digo isso porque esse “ritual” massacrante já me fez suar a camisa, literalmente.

A mania penitente de tentar ajudar mesmo quando o outro não solicitou ajuda nenhuma é uma interferência nefasta do ego.

O ego diz para nós: “Você é mais equilibrado, você tem mais condições financeiras, você tem contatos, é influente, você pode resolver os problemas daquela pessoa x”.

E aquela pessoa x, geralmente é alguém bem próxima, um parente, esposa, filho, uma amiga e assim por diante, mas dificilmente é alguém que realmente precisa de ajuda, como pessoas carentes, famintas e sem teto, por isso, percebe-se aqui, nesse caso, mais uma necessidade de ser admirada e valorizada pelas pessoas dentro do seu meio social.

Essa atitude é um mecanismo que o ego usa para tentar levantar a nossa autoestima e afagar a nossa vaidade, isto é, para nos sentirmos bem, precisamos desesperadamente ajudar alguém próximo que “acreditamos” estar em uma situação que, ao nosso ver, poderia ser melhor.

Quando nos colocamos prontamente para ajudar, quase que tentamos criar um problema na vida do outro para justificar a nossa “necessária” presença, estamos nos colocando em uma posição mais elevada e o ego nos diz:

“Você é melhor do que ele, você é mais capaz, ele não conseguirá sem você. Sinta-se feliz por isso!”

Por que devemos parar de carregar pesos desnecessários?

Eu gosto de dar o meu exemplo para que ninguém fique ofendido, então, direi que por algum tempo fiz isso, alguns bons anos… Preciso falar a verdade…

Por muito tempo eu me coloquei como “salvadora da pátria” e tudo começou na minha infância. Eu realmente acreditava, com 8, 9, 10, 11 anos que eu poderia ajudar os meus pais. Hoje eu penso nisso e dou risada da minha prepotência, porque eu já me achava melhor do que eles, sendo uma pirralha.

Com o passar dos anos isso foi se intensificando à medida que eu ia deixando o ego me dominar. E com o passar dos anos, com essa “necessidade de ajudar” a vida passou a ser um fardo muito difícil de carregar.

A vida estava tão difícil, parecia que todas as pessoas do meu ciclo precisavam desesperadamente de mim, mas quando percebi que na verdade, eu é que precisava desesperadamente deles para me auto afirmar, tudo ficou muito claro.

Quando finalmente eu entendi isso?

Uma hora a ficha cai para todo mundo, uns demoram mais, outros são mais rápidos e percebem que essa dinâmica não é saudável, simplesmente se cansam de tanto sofrimento e param de querer buscar soluções para a vida alheia.

A minha ficha caiu quando, depois de um tempo envolvida em um assunto que não me dizia respeito, e que me fazia muito mal, resolvi abandonar o meio de campo. Fui para o vestiário, tomei um banho gelado e não quis voltar pro jogo, abandonei literalmente a vida de salvadora profissional, e amarrei as chuteiras legal. Fui para casa! Para minha casa interna!

E foi a melhor coisa que eu fiz, passei a buscar pelo autoconhecimento e isso não quer dizer que deixei de ajudar as pessoas, que não faço caridade, que virei uma egoísta convicta. Só parei de tentar ajudar quem pode se virar sozinho!

Fiz intensas vivencias curativas, me deparei com esse meu “ego pavão”, com as minhas fragilidades e carências afetivas que me levavam a querer ser o “salvador da pátria” o tempo todo. E me senti livre da sensação de que eu poderia ajudar, mesmo aqueles que nem queriam ser ajudados.

Hoje sei identificar quando o problema é meu, chegou para mim e tem que ser resolvido por mim, e quando o problema é do outro e deve ser resolvido pelo outro, no tempo dele, e na hora que ele desejar resolver.

É até uma questão de não interferir no plano de aprendizado que Deus escreveu para ele, e principalmente, no seu livre-arbítrio.

Entendi que o que eu acredito ser bom para o outro, não necessariamente é o melhor para ele. E passei a me abster. E me permiti parar de carregar pesos desnecessários!

Nessa constante identificação das vontades do ego, passei a não mais dar ouvidos para ele, e a nutrir minha autoestima de outras formas, fazendo o que eu realmente gosto de fazer, e cuidando da minha saúde mental.

Atualmente, sempre que alguém muito próximo me conta algum problema, eu apenas escuto, e deixo Deus me inspirar, talvez venha um bom conselho, ou se por acaso estiver ao meu alcance dar uma forcinha, e essa for solicitada, faço a tentativa, mas não mais me martirizo.

Hoje apenas escuto, oro em silêncio, e sigo minha vida.

Quando o ego vem querendo tomar conta de tudo, eu simplesmente digo a ele:

ESSE PROBLEMA NÃO É MEU!, “Me chama de astronauta e me dê espaço!”

Me apropriei dessa frase que escutei um dia, e sinceramente não sei quem é o autor, e se alguém souber, me conte nos comentários porque achei genial, e adoraria agradece-lo pois todas as vezes que a utilizo é libertador para mim!

Eu caio na gargalhada toda vez que falo mentalmente essa frase e me sinto uma astronauta de verdade, no meu próprio espaço e tempo.

Parei de carregar pesos desnecessários!

Pessoas próximas estavam literalmente sugando as minhas energias, e me sinto em paz, pois finalmente consegui ver: Opa, eu também tenho problemas, deixa eu cuidar aqui dos meus.

Aprendi que se o problema não é meu, se eu me meter, poderá ficar pior, portanto, melhor dar tempo ao tempo, ele se encarregará de resolver o que tiver que ser resolvido!

Carregar pesos desnecessários? Não obrigada!

VOCÊ SABIA QUE O SEU AMIGO GURU TAMBÉM ESTÁ NO FACEBOOK E NO INSTAGRAM?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS TORNARÃO A SUA VIDA MUITO MAIS LEVE E FELIZ!

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, palestrante, produtora e editora de conteúdo do Resiliência Humana e do Seu Amigo Guru. Seu interior é intenso, sempre foi! Transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhores, para nós, e para o outro!