Qualidade do ar melhora até 60 % no mundo com isolamento

Dois estudos publicados na revista acadêmica americana Geophysical Research Letters, mostram que a poluição por dióxido de nitrogênio no norte da China, na Europa Ocidental e nos Estados Unidos diminuiu em até 60% no começo do ano, em comparação com o mesmo período no ano passado.

A poluição por dióxido de nitrogênio vem dos gases produzidos por veículos, usinas e indústrias e, com a redução dessas atividades e o isolamento social, o mundo está respirando melhor.

O reflexo disso, é que a qualidade do ar melhorou não só nestes países como no resto do mundo.

No entanto, os pesquisadores alertam que não há como garantir que os baixos níveis serão mantidos depois que as medidas de distanciamento social e fechamento do comércio chegarem ao fim.

Inédito

A queda nas emissões não é vista desde que a qualidade do ar começou a ser monitorada, nos anos 90.

Segundo a cientista Jenny Stavrakou, coautora de um dos estudos, isso não acontecia desde os Jogos Olímpicos de Verão de 2008 em Pequim, na China, quando o país se comprometeu a reduzir a poluição a curto prazo.

Emissões mundiais

Stavrakou e seus colegas usaram medições de satélite da qualidade do ar para estimar as mudanças na poluição por dióxido de nitrogênio nos principais epicentros do surto: China, Coréia do Sul, Itália, Espanha, França, Alemanha, Irã e Estados Unidos.

Eles descobriram que a poluição por dióxido de nitrogênio diminuiu em média 40% nas cidades chinesas e 20 a 38% na Europa Ocidental e nos Estados Unidos durante o bloqueio de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019.

No entanto, o estudo constatou que a poluição por dióxido de nitrogênio não diminuiu em relação ao Irã, um dos países mais antigos e mais atingidos.

Os autores suspeitam que isso ocorra porque os bloqueios completos não estavam em vigor até o final de março e, antes disso, os pedidos de permanência em casa eram amplamente ignorados.

Qualidade do ar na China

O segundo estudo analisou as mudanças na qualidade do ar no norte da China, onde o vírus foi relatado pela primeira vez e onde os bloqueios foram mais rigorosos.

Brasseur analisou os níveis de dióxido de nitrogênio e vários outros tipos de poluição do ar medidos por 800 estações de monitoramento da qualidade do ar no nível do solo no norte da China.

Brasseur e seu colega descobriram que a poluição por partículas diminuiu em média 35% e o dióxido de nitrogênio diminuiu em média 60% após o início dos bloqueios, em 23 de janeiro.

No entanto, eles descobriram que a concentração média de ozônio na superfície aumentou.

O ozônio se forma a partir de reações complexas envolvendo dióxido de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis, gases emitidos por uma variedade de produtos domésticos e industriais.

Embora a qualidade do ar tenha melhorado bastante em muitas regiões, o ozônio de superfície ainda pode ser um problema, de acordo com Guy Brasseur, cientista atmosférico do Instituto de Meteorologia Max Planck em Hamburgo, Alemanha, e principal autor de um dos novos estudos.

“Isso significa que, apenas reduzindo o [dióxido de nitrogênio] e as partículas, você não resolverá o problema do ozônio”, disse Brasseur.

Com informações da Exame e Science Daily. VIA SNB.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!