Por que as pessoas estranham quando mães e filhos adultos são próximos?

Sou mãe solteira de um filho que criei sozinha desde que ele tinha 4 anos. Ele é um estudante universitário bem-humorado e responsável, atleta da Primeira Divisão; ele tem uma namorada adorável com quem frequenta a faculdade fora do estado.

Não muito tempo atrás, enquanto ele estava em casa para uma visita e sua namorada estava do outro lado do país visitando a família dela, fui convidada para o casamento de um amigo do trabalho. Como o convite me oferecia um acompanhante- dizia até “traga a família!” – pedi a meu filho que se juntasse a mim.

Parecia uma ideia razoável. Não estou namorando ninguém (na verdade, não estou interessada neste ponto da minha vida em buscar um relacionamento – sou feliz sozinha) e meu filho é minha família inteira.

Ele e eu nos divertimos muito no casamento, já que (ao contrário de sua mãe) ele gosta de se socializar e conhecer novas pessoas. Ele e eu não dançamos juntos – dancei em grupos com amigos do trabalho e ele dançou com muitas pessoas – mas nos sentamos juntos, é claro.

Na segunda-feira, muitos dos meus colegas de trabalho mencionaram o quanto gostaram de conhecê-lo, e a noiva foi adorável sobre isso, mas algumas pessoas fizeram comentários sarcásticos sobre ele ser meu “encontro”.

Isso não foi dito de maneira brincalhona ou amigável – foi definitivamente maldoso, crítico e desaprovador.

Outra colega de trabalho solteira compareceu com sua filha adolescente e ninguém chamou a filha dela de “encontro da sua mãe.

Desde então, venho pensando muito nisso e percebendo que, na cultura popular, uma mulher ir a um evento com seu filho adulto é considerada esquisita.

Quando um casal participa de um evento com seus filhos em comum, ninguém diz que é um “encontro” – é um passeio em família; quando pai e filha saem juntos, é “fofo”; e quando é mãe e filha, é a “noite das meninas”. “Viagens de garotas” de mãe e filha ou férias em família com filhos em idade universitária não são consideradas estranhas, mas Deus proíba um filho adulto e sua mãe de tirarem férias juntos?

Não estou usando meu filho para preencher um espaço em minha vida. Se eu quisesse um encontro naquele espaço, poderia conseguir um.

Obviamente, quando meu filho se casar ou viver com alguém (ou mesmo se a namorada dele não fosse do outro lado do país), eu não esperaria que ele a deixasse em casa e me acompanhasse. Mas me ressinto que ele e eu não possamos mais fazer as coisas como uma família sem as pessoas julgarem desse modo. Problema meu ou deles?

Cara leitora,

O patriarcado é real – e feio – com certeza. E eu simpatizo: é injusto que as duplas de mãe e filho adulto sejam alvo de provocações ou mesmo de zombaria e desdém abertamente de uma forma que outros casais de filhos adultos e seus pais não são.

Mas sua preocupação com os comentários estúpidos feitos por “algumas pessoas” (quando a maioria era gentil) e a sua conclusão de que “ele e eu não podemos mais fazer as coisas juntos como uma família” – para não mencionar uma pitada de “tu protestas demais”- são o que me preocupa aqui.

Quando algo que as pessoas dizem sobre nós nos incomoda a esse ponto, isso sugere que está tocando em algo que nos preocupa.

A verdade é que não importa o que as outras pessoas pensam sobre o seu relacionamento com seu filho (se é que elas pensam alguma coisa sobre isso). É você que está preocupada com isso? (Ou melhor: tem certeza de que não está preocupado com isso?) Ele está? A namorada dele?

A resposta para a pergunta que você me faz é (obviamente, eu acho) se as “pessoas” não gostam quando você e seu filho aparecem juntos em lugares, o problema é deles.

Mas a questão é: se a reação deles a incomoda tanto, o problema é seu também.

Amaldiçoar o patriarcado é uma de minhas atividades favoritas, e encorajo você a ir em frente e fazer isso – e não apenas amaldiçoar, lutar contra ele. Mas o quanto você se preocupa com isso, eu examinaria mais de perto por que você se sente tão mal e se está sendo completamente honesta consigo mesmo sobre seu filho e o papel dele em sua vida … e suas próprias necessidades e expectativas.

Se você se preocupa, você dá asas para as especulações. Deixe isso pra lá e vá ser feliz com o seu filho ou mesmo, sozinha!

*DA REDAÇÃO SAG. Foto: morsa/getty imagens

SE VOCÊ VIVE UM PROBLEMA EM SUA VIDA E QUER UM CONSELHO, ESCREVA A SUA HISTÓRIA E ENVIE PARA [email protected] O PRÓXIMO CONSELHO PODE SER O SEU!

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!