Todos cometemos erros. Nós não somos infalíveis, mas muitas pessoas possuem uma grande dificuldade em admitir que estão erradas!

Todos cometemos erros, e nós os cometemos com mais frequência do que gostaríamos de reconhecer.

Alguns erros são pequenos e irrelevantes, como não comprar leite porque temos “certeza” de que ainda temos em casa.

Outros são mais importantes, como confundir o cronograma de uma entrevista de emprego e perder essa oportunidade.

Outros erros marcam pontos de inflexão em nossas vidas, como perder um parceiro por causa do medo de compromisso.

As três maneiras de lidar com os erros

Ninguém gosta de estar errado. Nós não fazemos isso de propósito. De fato, geralmente vivemos os erros como experiências emocionais desagradáveis.

No entanto, o que é realmente importante não é o erro, mas como reagimos quando percebemos que estamos errados.

O que fazemos quando estamos atrasados ​​para a entrevista de emprego e perdemos essa oportunidade?

Alguns simplesmente admitem que estavam errados:

“Esqueci a hora da consulta, da próxima vez terei que anotá-la na minha agenda”.

Essa é a reação mais madura, porque implica não apenas reconhecer a responsabilidade, mas também tomar medidas para que isso não aconteça novamente.

Admitir e aprender com nossos erros nos permite entrar em uma espiral de crescimento.

Outros sugerem que eles estavam errados, mas sem reconhecer abertamente seu erro:

“Se não fosse pelo trânsito, eu teria chegado a tempo.

Da próxima vez terei que sair mais cedo.

Nesse caso, embora a responsabilidade não seja assumida diretamente, pelo menos a lição é aprendida.

Não é o ideal. Mas pelo menos é alguma coisa.

Outros, no entanto, se recusam veementemente a reconhecer seu erro e até responsabilizam os outros:

“Os entrevistadores devem prever possíveis atrasos, é injusto eles não terem me dado uma segunda chance!

“Nesse caso, não apenas a responsabilidade pessoal é rejeitada, mas alguém é responsabilizado pelo que aconteceu e você pode até negar os fatos ou distorcê-los para se adequar à sua visão pessoal.

Por que algumas pessoas reagem assim?

Para o ego frágil, erros são ameaças

O erro tem uma conotação negativa que é impressa com fogo em nossa mente desde os primeiros anos de vida.

Uma educação baseada principalmente no prêmio por sucessos e na punição por erros estabelece um precedente negativo, fazendo com que algumas pessoas tentem evitar erros de todos os modos possíveis – e impossíveis.

Essas pessoas estão convencidas de que os erros as tornam inúteis e as expõem à humilhação ou desaprovação social.

De fato, um estudo realizado na Universidade de Stanford revelou que a dor social ativa os mesmos circuitos cerebrais que a dor física.

Como resultado, o cérebro interpreta qualquer ataque ao ego, desde críticas leves até rejeição direta, como dor física.

O medo da reação social, portanto, geraria resistência ao reconhecimento de erros.

No entanto, quem teme a reação social é porque tem um ego frágil.

As pessoas que não se sentem confiantes e dependem da aprovação de outras pessoas costumam ver os erros como situações profundamente ameaçadoras, de modo que seu ego não as tolera e nega.

Para essas pessoas, aceitar que elas estão erradas é um duro golpe para a auto-estima, e por isso colocam em prática um mecanismo de defesa que as leva a distorcer a realidade para que ela se adapte às suas ideias.

Muitas vezes, também são pessoas muito rígidas, que não recuam nem um pouco em suas ideias e não reconhecem que cometeram erros, mesmo diante de fatos irrefutáveis.

Essa rigidez psicológica não é sinônimo de força, como eles querem acreditar, mas de fraqueza.

Essas pessoas não se apegam à sua visão dos fatos por convicção, mas para proteger seu ego.

Quem não reconhece seus erros, portanto, é uma pessoa psicologicamente frágil.

Círculo vicioso ou espiral de crescimento? Você decide!

Admitir que estamos errados pode ser um golpe para qualquer ego.

É necessário ter muita força emocional e sólida auto-estima para reconhecer nossos erros e assumir a responsabilidade.

Mas se somos incapazes de reconhecer nossos erros, não podemos corrigi-los.

Como resultado, mergulharemos em um círculo vicioso condenado a tropeçar indefinidamente com a mesma pedra. E isso é ainda pior.

Neurocientistas da Michigan State University descobriram que, quando cometemos um erro, dois sinais rápidos são gerados em nosso cérebro.

Uma resposta inicial indica que algo deu errado. Uma segunda resposta mais longa indica que estamos tentando corrigir o erro.

O interessante é que os cérebros de pessoas que pensam que podem aprender com seus erros reagem de maneira diferente.

O segundo sinal é muito mais intenso, o que significa que seu cérebro está trabalhando duro para corrigir o erro, prestando mais atenção.

Pessoas com uma mentalidade rígida e que não reconheceram seus erros, no entanto, não mostraram esse nível de ativação, o que significa que não estão corrigindo o erro.

Como resultado, seu desempenho foi pior, pois eles estavam constantemente enganados.

Reconhecer erros não é uma sensação agradável. Podemos nos sentir mal, mas talvez essa seja precisamente a chave.

Neurocientistas da Universidade Estadual de Ohio descobriram que pessoas que pensavam apenas no fracasso tendiam a procurar desculpas pelas quais não tinham sucesso e não se esforçavam mais quando se deparavam com uma situação semelhante.

Essas pessoas estavam procurando justificativas para pensar que o erro não foi culpa deles ou que suas consequências não foram tão tremendas quanto pareciam.

Eles costumavam desenvolver pensamentos auto-protetores como ” não foi minha culpa ” ou ” eu não poderia ter feito melhor, mesmo que tentasse”.

No entanto, as pessoas que se concentraram em suas emoções após um fracasso tentaram mais ao enfrentar uma situação semelhante.

Essas pessoas demonstraram pensamentos de melhoria como” Vou me esforçar para melhorar da próxima vez”.

Isso significa que podemos usar emoções a nosso favor, como indicadores que nos ajudam a aprender com nossos erros e nos esforçamos para evitá-los no futuro.

De fato, o único grande erro que podemos cometer é recusar rigidamente e persistentemente reconhecer nossos erros, pensando que isso é um sinal de força ou convicção, porque na realidade é o contrário: é um sinal de imaturidade e fragilidade.

Fontes:

Nelson, N. et. Al. (2018) As emoções sabem melhor: a vantagem das respostas emocionais versus cognitivas ao fracasso. Journal of Behavioral Decision Making , 31 (1): 40-51.

Sturgeon, JA & Zautra, AJ (2016) Dor social e dor física: caminhos compartilhados para a resiliência. Dor Manag; 6 (1): 63–74.

Moser, JS et. Al. (2011) Cuidado com seus erros: Evidência de um mecanismo neural que vincula a mentalidade de crescimento a ajustes pós-erro adaptativos. Ciência psicológica ; 22 (12): 1484-1489.

*Via Ricon Psicologia. Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!