Pessoas que justificam demais: por que eles fazem isso?

Há pessoas que não sabem comunicar sem recorrer a desculpas e justificativas. Por trás desse comportamento está a insegurança e aquela constante tentativa de não aceitar seus erros e sempre se mostrar infalíveis e perfeitos.

Pessoas que são excessivamente justificadas tendem a se desgastar. Eles nos cansam porque vemos neles uma tentativa forçada de parecerem eficazes, de mostrar que não estão errados, que o que fizeram não correspondeu a algo casual, mas a um propósito premeditado. Quem está dia após dia obcecado por demonstrar infalibilidade, o que ele revela claramente é um alto nível de insegurança.

Agora, é verdade que todos nós podemos precisar nos justificar em um momento específico.

Às vezes, podemos não nos sentir alinhados com nossos valores e comportamentos e precisamos ser consistentes.

Recorrer à justificação de vez em quando é compreensível e até aceitável, mas transformá-la em um estilo de vida é dar desculpas e desculpas num escudo doentio.

Por exemplo, ter um parceiro que tem uma justificativa para cada descuido ou erro acaba desintegrando o relacionamento.

Ter colegas de trabalho que fazem desse recurso uma constante que dificulta o cotidiano do trabalho, nos faz vê-los com desconforto e desconfiança. São, sem dúvida, situações de alto desgaste.

“Quem é bom em dar desculpas raramente é bom em qualquer outra coisa.” Benjamin Franklin

Pessoas que se justificam excessivamente: chaves para por que o fazem

O escritor latino Publio Siro dizia que todo vício tem sua desculpa. Poucas coisas são tão verdadeiras. Um exemplo disso são as reações cognitivas demonstradas por pessoas que fumam. Assim, estudos como os realizados na Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, mostram que, quando alguém tenta parar de fumar e não consegue, o uso de desculpas é frequente.

Verbalizações como “Estou passando por muito estresse” ou “É impossível parar de fumar quando você tem um companheiro ou colegas que também fumam” costumam ser as mais utilizadas. Pessoas que são justificadas pelo excesso de traço também mostram uma baixa auto – estima depois que o medo é escondido para dar uma imagem ruim.

Desta forma, o uso constante de desculpas, pretextos e autojustificativas faz com que percam a credibilidade mais cedo ou mais tarde. Ou seja, eles finalmente acabam demonstrando o que querem evitar.

Dar explicações e nos justificar não é a mesma coisa

Antes de aprofundar por que há quem faça desse recurso uma prática comum, é importante saber diferenciar uma explicação de uma desculpa . A primeira tem a ver com esclarecer algo, dar detalhes, esclarecer, ilustrar, creditar ou elucidar. Agora a justificativa vai um pouco mais longe e o que se busca é demonstrar que algo é justo, correto ou válido.

Por exemplo, justifica-se quem fez algo errado para garantir e fazer com que os outros vejam que o que foi feito tem sentido e propósito . “Se eu menti para você sobre essa informação, é porque eu queria protegê-la; se copiei naquele exame foi porque precisava passar a todo custo porque senão vão me negar a bolsa ”.

Ou seja, de certa forma, pessoas que se justificam excessivamente também estão evitando responsabilidades e não querendo enfrentar certas realidades.

O poder da dissonância cognitiva e seus efeitos

Quem recorre a justificações acha necessário defender-se porque sabe que certas coisas não se harmonizam com os seus valores, crenças, com o que ia fazer e finalmente não fez, etc. Chamamos isso de dissonância cognitiva e define aquelas situações em que você tem duas cognições opostas (pensamentos) e sofre por isso.

A dissonância fere, incomoda e perturba em qualquer circunstância, pois ataca diretamente o próprio autoconceito e autoestima .

Por exemplo, se sempre defendi o ambientalismo e o veganismo, pode ser contraditório que eu tenha um carro que polui excessivamente e também coma carne.

Para me defender e evitar dissonâncias cognitivas, posso inventar as mais fabulosas justificativas para tentar convencer os outros de que meu comportamento é lógico. Embora obviamente, esses argumentos nem sempre farão sentido ou lógica. É o que acontece com as pessoas que se justificam excessivamente, que mais cedo ou mais tarde perdem a credibilidade.

A tendência de justificar duas idéias ou crenças contraditórias é bastante comum. Isso é feito por pessoas obcecadas em salvaguardar seu autoconceito e reduzir o incômodo gerado pela dissonância cognitiva.

Pessoas justificam demais e a necessidade de evitar arrependimentos

Claude Steele, da Universidade de Stanford, já conduziu um estudo no final dos anos 1990 para nos mostrar a necessidade de as pessoas se justificarem para manter a integridade de si mesmo. Agora, há outro fator interessante a considerar: reduzir o arrependimento.

Um fato comum que muitas vezes vemos é como as pessoas que cometem comportamentos repreensíveis se justificam para não admitir o erro e também reduzem o caruncho do remorso.

Por exemplo, se me comprometo a realizar um projeto com uma equipa de pessoas e, por fim, os abandono, vejo-me na obrigação de justificar-me dizendo-lhes, por exemplo, que podem fazer este trabalho muito melhor sem mim porque têm melhor habilidades e competências.

Além de uma má justificativa, é uma falsidade, mas com esse argumento, apaziguo minhas mágoas, me sinto melhor e saio do caminho.

Portanto, como podemos ver, a psicologia das justificativas tem uma grande complexidade por trás dela. O mais adequado em todos os casos é fazer uso desses recursos cognitivos em raras ocasiões. Caso contrário, perderemos a credibilidade.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações LMM

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!