Personalidade obsessiva: vício, controle e dificuldade de desconectar.

A personalidade obsessiva é caracterizada por extrema rigidez e constante ruminação. Agora, não é uma desordem, mas uma tendência geral do personagem.

Todo mundo conhece ou já encontrou alguém que podemos dizer que tem uma personalidade obsessiva. No entanto, rótulos como “ele está obcecado” muitas vezes levam a mal-entendidos e estigmatização. Em vez de ajudar, eles alcançam o efeito oposto.

Neste artigo você vai aprender mais sobre o perfil de personalidade dos obsessivos, bem como ver esclarecidos outros pontos importantes, como o que os diferencia das pessoas que sofrem de transtorno obsessivo-compulsivo. Não o perca.

O que é uma obsessão?

Do ponto de vista da psicologia, uma obsessão é uma ideia, crença, imagem mental ou hábito que invade repetidamente a consciência da pessoa e compromete a capacidade de controlar a linha de pensamento. Ou seja, a pessoa não tem a capacidade de parar de pensar no objeto da obsessão e cai em uma ruminação que se alimenta.

No entanto, uma obsessão patológica não é o mesmo que ter uma personalidade obsessiva. Este último marca uma tendência mais relacionada a um traço de personalidade do que a um transtorno. Nas linhas a seguir você pode ver o perfil da personalidade obsessiva.

O que é personalidade obsessiva?

A personalidade obsessiva não é um transtorno, mas uma tendência geral do caráter de uma pessoa que não produz desconforto ou interferência na vida cotidiana.

Em geral, são indivíduos que, ao encontrarem uma atividade de que gostam, ficam “fisgados”, ou seja, realizá-la produz cada vez mais reforço – ao invés de habituação.

Nas sociedades desenvolvidas – marcadas por um estilo de vida organizado e disciplinado – é mais comum o caráter do indivíduo tender à obsessão, uma vez que a alta produtividade do trabalho, a eficiência e o trabalho árduo são reforçados pelo sistema.

Quando esse arquétipo de personalidade começa a se aproximar do preocupante, muitas vezes recebem advertências do meio ambiente, pois negligenciam outros aspectos de sua vida, como relacionamento interpessoal ou lazer. No entanto, muitas vezes eles não percebem que estão obcecados.

Transtorno de personalidade obsessiva

Como você leu acima, o objeto de obsessão desse tipo de perfil se reforça a cada vez que é realizado. Mas onde está o limite entre “Eu sou assim” e “Eu tenho um problema”?

Não existem medidas objetivas para marcar o limite de quantas horas você passa na academia, ou jogando videogame, ou mesmo trabalhando, por exemplo.

Diante da necessidade de delimitar o patológico, o DSM-V estabeleceu que quem sofre desse transtorno costuma apresentar um padrão geral de preocupação com a ordem, o perfeccionismo e o controle.

Eles se caracterizam por uma acentuada falta de espontaneidade e chega a um ponto que seu comportamento não produz resultados positivos em sua eficiência e produtividade, mas sim o contrário.

A ruminação é outro dos aspectos mais importantes desse transtorno, e muitas vezes anda de mãos dadas com ansiedade e pensamentos fatalistas.

Quando essas pessoas tomam consciência do problema, geralmente afirmam que não têm a capacidade de interromper os pensamentos obsessivos, e começa o medo do surgimento de suas próprias obsessões.

Diferenciação de personalidade obsessiva de TOC

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é um transtorno de ansiedade, não de personalidade . Na verdade, as pessoas que vão à consulta geralmente se referem diretamente a obsessões ou compulsões, mas os transtornos obsessivos geralmente se referem primeiro à ansiedade ou ao estresse.

Nessa imagem, há obsessões específicas associadas a compulsões que ajudam a eliminar a ansiedade que causam. Estes últimos tendem a ser muito rígidos e têm um caráter ritual. Além disso, a pessoa tem plena consciência de como isso afeta sua vida, pois lhe causa sofrimento.

Enquanto no transtorno de personalidade obsessiva pode levar a episódios de estresse ou ansiedade, no caso do TOC estes podem atingir o nível de episódios de depressão maior ou ansiedade generalizada, entre outros.

Notas finais: como manter as obsessões sob controle

Embora esse estilo de personalidade não deva levar a um transtorno, ainda é importante manter a tendência patológica sob controle. Para fazer isso, aqui estão algumas ideias:

Identifique o vício: uma boa auto-observação é importante para detectar a tempo se você está caindo em algo que não pode controlar. Ouça e analise o ambiente, pois é de onde vêm os sinais de que algo está errado.

Recupere o controle: se você duvida que algo o esteja perseguindo, existem várias técnicas para verificar, como passar uma semana sem fazer aquela atividade que demora tanto.

Treine a habilidade de se desconectar: crie espaços onde a mente se afasta da obsessão ou realize atividades para mudar o curso do pensamento.

Por fim, podemos enfatizar que é importante diversificar e combinar as fontes das quais nosso bem-estar se origina. Desse modo, como é o caso da economia, quando uma faceta sofre, poderemos manter o equilíbrio com a boa deriva das demais.

*DA REDAÇÃO SAG. Foto de JD Mason no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!