Como passar um tempo sozinho me ajudou a superar a minha solidão:

“Se você fica sozinho quando está sozinho, você está em má companhia.” ~ Jean-Paul Sartre

Passei a maior parte da minha vida cercado de pessoas, e provavelmente é por isso que nunca percebi que estava sozinho.

Durante a maior parte da minha vida adulta, os únicos momentos de silêncio que tive para mim mesmo foram no início e no final do dia. Caso contrário, minha mente foi inundada com tagarelice, notificações e distrações.

Esse barulho constante me permitiu mascarar as profundezas da minha solidão. Fui bombardeado com textos e distrações o tempo todo, mas não tinha conexões mais profundas.

Com o passar dos anos e eu ficando cada vez mais ocupado, descobri que realmente tomei medidas para reduzir meu tempo sozinho. Assistia TV até adormecer; Eu checaria meus e-mails de trabalho logo de manhã.

Olhando para trás, a situação era óbvia – eu morria de medo de ficar sozinho com meus próprios pensamentos – mas, na época, só achava que estava sendo produtiva ou simplesmente não gostava de ficar entediada.

Não percebi meu problema até que meu laptop quebrou de repente. Uma tarde fria, quando eu estava enrolado no sofá, pronto para alguma nova garota, ele inesperadamente desligou e eu me deparei com meu próprio reflexo na tela preta. Meu telefone estava sem carga.

Sem distrações, trabalho ou mídia social ocupando minha mente, cheguei à conclusão abrupta de que, apesar de todas as minhas atividades e convites, eu estava profundamente sozinho. E isso estava me deixando profundamente infeliz, mesmo sem perceber.

Naquela tarde, descobri que tinha medo de ficar sozinho. Eu olhei para o meu relacionamento comigo mesmo e descobri que estava faltando.

A perspectiva de ficar preso em minha própria empresa era tão assustadora para mim que me fez entrar em ação.

Eu tinha ficado tão bom em encher minha mente de tagarelice que não sabia quem eu era quando estava sozinho.

Definitivamente, sou um dos muitos americanos que passam mais de cinco horas por dia em seus telefones, de acordo com um relatório da State of Mobile de 2017 – nunca realmente sozinho, afinal. Mas eu não sabia como começar a me relacionar comigo mesmo.

Eu não queria depender apenas dos outros, então fiz um plano para construir esse relacionamento comigo mesmo.

Decidi então estar atento ao meu tempo intencionalmente sozinho.

Primeiro, consegui um espaço para estar comigo mesmo. Então, identifiquei os momentos em que achava mais difícil ficar sozinho. Finalmente, descobri os obstáculos.

Isso me deixou com uma estratégia sólida de três períodos: eu tinha cerca de três períodos de tempo durante o dia em que poderia passar um tempo sozinho e consciente.

Minhas manhãs e noites eram as mais difíceis para mim. E meu telefone foi o principal motivador para me impedir de atingir meus objetivos.

Meu plano era ter três seções de tempo sozinho: tempo ativo sozinho, tempo para meditar e tempo para fazer algo que não envolvesse uma tela. Mas antes de fazer isso, tive que remover o maior obstáculo: meu telefone.

Mesmo que me mantivesse conectado ao mundo, estava me impedindo de desenvolver um relacionamento mais profundo comigo mesmo.

Percebi que o uso mais pela manhã e à noite, então investi em um despertador antiquado e decidi seguir uma regra estrita de proibição de telas após as 21h.

Normalmente, minha manhã começava comigo olhando para as notificações do meu telefone. Em vez disso, levantei-me e fui dar uma caminhada de quinze minutos no meu bairro.

No começo, foi chato – eu estava desesperado por distração. Porém, quanto mais eu fazia isso, mais me via capaz de perceber o canto dos pássaros, pensando nos meus planos para o dia, desvendando os sentimentos confusos do dia anterior e ansioso para minha primeira xícara de café.

Também trabalhei em uma meditação de cinco minutos. Na época, a meditação era nova para mim, então imaginei que cinco minutos seriam curtos o suficiente para começar a adquirir o hábito.

Eu rapidamente percebi que precisava investir em um aplicativo para fazer meditação guiada, o que realmente me ajudou a ficar consistente e obter benefícios reais com isso.

Finalmente, enchi minhas noites com leitura e pintura. Ambas as atividades são manuais, o que significa que eu não poderia verificar meu telefone enquanto as fazia.

Consegui redescobrir meu amor pelos livros e, embora não seja muito bom em pintura, o processo de produção de arte tangível ajudou a preencher a lacuna à noite, quando normalmente eu pegaria meu telefone.

Pesquisas comprovam que a solidão é prejudicial ao seu bem-estar físico e emocional, mas você não precisa necessariamente olhar para fora de si mesmo para curá-la.

Todas as minhas mudanças de hábito apontavam para uma conclusão final: você não pode depender dos outros para se sentir melhor consigo mesmo.

Aprender a ficar bem sozinho foi crucial para minha jornada comigo mesmo. Você não pode se envolver em relacionamentos reais com outras pessoas até que tenha um relacionamento sólido consigo mesmo.

Para mim, levou um momento crucial para trazer para casa a realidade da situação. A partir daí, eu precisava ficar um tempo sozinho – não apenas um tempo sem outras pessoas fisicamente presentes, mas um tempo sem distrações, notificações, telefonemas ou e-mails.

Tempo que pertenceu apenas a mim.

Finalmente, precisou de ajustes. Tentei fazer isso com meu telefone, mas percebi que era impossível, então o removi.

Eu originalmente tentei fazer uma caminhada de meia hora, mas o tempo longe de qualquer dispositivo me estressou. Quando comecei a meditação, pensei que poderia fazê-lo sem um aplicativo, mas descobri que mergulhei em padrões de pensamento negativo ou adormeci.

O que quero dizer é que não acertei na primeira tentativa. O mais importante para mim foi aquele momento de realização.

A partir daí, fui capaz de continuar tentando até encontrar métodos que funcionassem para mim. Os resultados foram surpreendentes a longo prazo. Tenho uma imagem melhor de mim mesma e descobri que meu relacionamento com os outros melhorou.

Como me dedico a sentir meus sentimentos em vez de afogá-los em um borrão de notificações e fugas, de modo geral, estou mais presente e autoconsciente do que costumava ser, o que me ajuda a me manter mais autoconsciente e centrado.

Hoje em dia, quando as coisas ficam difíceis – e isso acontece, como uma parte inevitável da realidade – sou capaz de sacar minhas reservas e seguir o fluxo.

Foi desconfortável, foi difícil, foi frustrante, mas definitivamente valeu a pena.

E você, já experimentou ficar sozinho para vencer a solidão? Parece incoerente pra você? Conte pra gente nos comentários.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações TB. Foto de Caique Silva no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!