“Pare de negar a Deus”, Rabino diz que esse é o segredo para superar o PECADO ORIGINAL

Independente de qual seja a sua religião, leia esse artigo e depois comente se você concorda ou discorda da vi~so do rabino, mas antes, leia!

O rabino Rami Shapiro respondeu a perguntas dos leitores da revista S&H que desejavam saber “Como você supera o pecado original?”

“O Pecado Original é estar separado de Deus”, respondeu o rabino. Como cristão, supero essa separação pela minha crença em Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador”.

Como superar o pecado original?

A ideia do Pecado Original como sendo separado de Deus é baseado na premissa de que alguém pode ser separado de Deus. Eu “supero” o Pecado Original negando sua premissa: Assim como uma onda não pode ser separada do oceano que a agita, você não pode “ser” separado de Deus. Você não pode alcançar o que você já tem.

Sou ateu, mas acredito na energia maior do universo. Ainda posso me chamar de ateu?

Um ateu é alguém que não acredita em um Deus criador sobrenatural e autoconsciente, a quem se ora e de quem recebe recompensas e punições. Por esta definição eu também sou ateu.

Chamar a mim mesmo de ateu, no entanto, coloca o Deus que não experimento no centro de minha identidade. Prefiro me identificar com o que experimento do que com o que não experimento. Se você deve se rotular, sugiro que faça o mesmo.

Que lições você acha que nós aprendemos com essa pandemia? Que lições você gostaria que aprendêssemos?

Não sei se aprenderam alguma coisa com essa pandemia, mas foi isso que aprendi sobre nós durante essa pandemia:

1) a recusa em usar máscaras me diz que nossa compaixão raramente supera nosso egoísmo;

2) a popularidade das teorias da conspiração me diz que nossa capacidade de pensamento crítico é superficial e facilmente sobrecarregada;

e 3) a contínua recusa em ver pandemias virulentas e eventos climáticos catastróficos como características da mudança climática me diz que preferimos nos esconder atrás de fantasias egoístas em vez de lidar honestamente com duras realidades.

O que eu gostaria que aprendêssemos é o seguinte:

1) as habilidades emocionais para fortalecer nossa capacidade de compaixão e justiça;

2) as habilidades intelectuais para interromper o pensamento irracional;

e 3) as habilidades espirituais para ver a interdependência da pessoa e do planeta e a obrigação do primeiro de servir e proteger o último (Gênesis 2:15).

Eu sou lésbica. Meus pais são muito conservadores e se recusam a comparecer ao meu próximo casamento. Como posso fazê-los mudar de ideia?

Você não pode, nem deve tentar. Deixe seus pais saberem que você os ama e que você ficaria feliz em tê-los em seu casamento, e que você entende se eles não puderem. Observe os dois “e” sem nenhum “mas”. O “Mas” pode ter um tom de julgamento que você deve evitar.

Se seus pais ainda se recusarem, deixe sua decepção (e raiva?) de lado da melhor maneira possível e concentre-se em tornar o dia do seu casamento glorioso para você e sua noiva.

Três advertências:

1) não internalize a recusa de seus pais: isso é problema deles, não seu;

2) não permita que as ações de seus pais envenenem seu relacionamento com sua esposa, culpando-a de alguma forma por sua posição;

e 3) aumentar seu amor um pelo outro tão fortemente que, se seus pais chegarem a vocês dois, vocês dois estarão abertos para recebê-los.

O magnata do setor imobiliário Robert Bigelow está oferecendo um milhão de dólares por provas que provem que o ego sobrevive à morte. Que provas você apresentaria para vencer isso?

Não que um milhão de dólares seja algo desprezível, mas se eu pudesse provar que o ego sobrevive à morte, eu poderia ganhar muito mais dinheiro criando uma nova religião.

Não posso provar isso, porém, porque o ego não sobrevive à morte.

O ego (nosso sentido de “eu”, “me”, “meu”) depende de nosso corpo físico e emerge com o tempo depois que nascemos.

Quando meu corpo morre, meu ego morre com ele. E por isso sou grato.

Eu entendo a morte como o abandono do eu e o despertar como o Eu – não uma personalidade separada identificável como “eu”, mas a vivacidade criativa e dinâmica impessoal que se manifesta como tudo e todos.

Prefiro que o Sr. Bigelow ofereça um milhão de dólares para melhorar a vida neste mundo do que provar uma vida após a morte em algum outro.

Eu costumava ser um crente, mas o COVID me roubou isso. Como posso viver sem fé?

É importante fazer uma distinção entre crença e fé. Pense na crença como um mapa e na fé como uma bússola.

Um mapa informa onde você esteve, onde está e para onde está indo. Se o mapa for preciso, não haverá surpresas ao longo do caminho.

Uma bússola simplesmente o orienta na direção que você deseja ir e não lhe diz nada sobre o caminho em si.

O que você perdeu é a crença: você não confia mais na precisão do seu mapa. Mas você ainda pode cultivar a fé e as qualidades de curiosidade, abertura, humildade e não saber que a fé incorpora.

Caminhar pela vida com uma bússola, em vez de um mapa, deixa você aberto para se envolver com cada momento como ele é e, não, como seu mapa diz que deveria ser.

*DA REDAÇÃO SAG. Sobre o autor – Rabino Rami Shapiro – Rabino Rami Shapiro é um premiado autor, ensaísta, poeta e professor.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!