“Pare de me perguntar se ela é minha filha só porque eu sou negra e ela é branca”, diz mãe.

“Desde o dia em que nasceu, meu bebê é julgado pela cor de sua pele”, disse Ena Miller, que explicou que sua filha foi discriminada por enfermeiras e estranhos na rua.

Embora com o passar dos anos e a sociedade se modernizando, a discriminação em razão da cor da pele e o racismo são problemas que continuam muito presentes na população, principalmente no cotidiano.

Um desses casos foi revelado por Ena Miller , uma mulher negra que contou sua história em um artigo da BBC . Segundo Ena, desde que deu à luz a filha Bonnie, uma onda de comentários e situações discriminatórias começou.

E é que sua filha nasceu com uma cor de pele mais clara que a dela, o que, segundo Ena, fez com que muitos questionassem sua maternidade. “ Desde o dia em que nasceu, meu bebê foi julgado pela cor de sua pele”, disse Ena.

A primeira vez que passou por uma situação dessas foi no hospital, quando uma enfermeira perguntou o que ela queria para o café da manhã.” Antes que eu pudesse responder, ela perguntou: “Esse é o seu bebê? Eu previ que a próxima coisa que ela diria seria um elogio: ‘Ele é adorável!’ ou ‘Suas bochechas são tão rechonchudas!” Ela narrou. Mas não foi isso que aconteceu.

pare-de-me-perguntar-se-ela-e-minha-filha-so-porque-eu-sou-negra-e-ela-e-branca-diz-mae
Ena Miller

Ena disse que a cor da sua pele gerou uma série de comentários feitos por estranhos todos os dias. “Pessoas que não me conheciam ficava à vontade para perguntar se eu era mãe da Bonnie ou comentar sobre a cor da pele dela (…)

!Pare de perguntar se meu bebê é só meu porque eu sou negra e ela é branca”, explodiu ela.

Além disso, ela explicou que seu parceiro era branco, então Bonnie era mestiça, algo que as pessoas não entendiam muito bem e que constantemente perguntavam a ela.

pare-de-me-perguntar-se-ela-e-minha-filha-so-porque-eu-sou-negra-e-ela-e-branca-diz-mae1
Ena Miller

Os comentários que ela recebeu nas redes sociais ao postar uma foto da recém-nascida também foram recebidos pessoalmente. “Cinco semanas depois de deixarmos o hospital, uma bela caminhada se tornou desagradável. Um homem apareceu gritando agressivamente: “Por que seu bebê é tão branco? Ele nos cercou muito furioso”, disse Ena.

Segundo ela, o homem gritou com raiva: “É o que acontece quando você acerta um alvo! Olhe pra ela, olhe pra ela, olhe pra ela. Por que é tão branca?”.

Ena disse que “não estava preparada para lidar com isso”, mas que conseguiu encontrar abrigo no caso de Wendy Lopez, uma senhora de 60 anos que passou pelos mesmos problemas que Ena quando deu à luz sua filha Olivia há 28 anos.

Olivia também teve que viver experiências semelhantes à de Ena, assim como muitas outras famílias cujas experiências estão no blog sobre a criação de filhos mestiços escrito por Fariba Soetan, que é metade iraniana, metade inglesa e tem 3 filhas com seu marido nigeriano .

Essas famílias lutam há muitos anos para não serem discriminadas, por isso, ano após ano, novas iniciativas surgem para poder compartilhar seus testemunhos para enfrentar o racismo.

Está na hora de parar de expressar opiniões desse tipo. Respeito é bom e todo mundo gosta.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações UPSOCL.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!