Papa escreve um prólogo ao livro de um padre que trabalha para salvar as mulheres da rua.
“Peço desculpas por todos os católicos e crentes que se aproveitaram de você, abusaram de você e estupraram você. Peço desculpas por todos os homens que fizeram você sofrer.

Foram as palavras sinceras do Papa Francisco durante o seu encontro, em 12 de agosto de 2016, com um grupo de ex-prostitutas resgatadas e protegidas pela comunidade italiana “Papa Giovanni XXIII”.

Agora, o papa queria continuar dando seu apoio às pessoas que trabalham para ajudar as mulheres presas na rede de prostituição, escrevendo um prólogo para o livro “Mulheres Crucificadas.

A vergonha do tráfego contada a partir da rua” (Donne crocifisse. O vergogna della tratta raccontata dalla strada, ed Rubbettino) de Aldo Buonaiuto, sacerdote da Comunidade“ Papa Giovanni XXIII ”, que publica o informal site do Vaticano Il Sismografo .

O papa relembra esse encontro com mulheres resgatadas da prostituição, o que foi chocante para ele: “Eu não achava que lá encontraria mulheres tão humilhadas, quebradas, testadas. Mulheres realmente crucificadas ”, acrescenta. “Lá respirei toda a dor, a injustiça e o efeito da opressão.”

“Tendo ouvido as histórias pungentes e muito humanas dessas mulheres pobres, algumas delas com o bebê em meus braços, senti o forte desejo, quase a exigência de pedir desculpas pela verdadeira tortura que tiveram que suportar dos clientes, muitos dos quais que são chamados cristãos … ”

O papa condena a prostituição forçada sem paliativos: “Uma pessoa nunca pode ser colocada à venda”. ” Qualquer forma de prostituição é uma redução à escravidão, um ato criminoso, um vício nojento que confunde fazer amor com os instintos de desabafar torturando uma mulher indefesa” .

“A mentalidade pela qual uma mulher é explorada como se fosse uma mercadoria para usar e jogar fora é patológica. É uma doença da humanidade, um modo errado de pensar a sociedade.

Libertar esses pobres escravos é um gesto de misericórdia e um dever para todos os homens de boa vontade. Seu grito de dor não pode deixar pessoas e instituições indiferentes. Ninguém pode virar o rosto ou lavar as mãos do sangue inocente que derrama nas ruas do mundo ”.

“Conhecendo as histórias por trás do número chocante de tráfico, entende-se que se uma demanda tão alta por clientes não for interrompida, não será possível lutar efetivamente contra a exploração e a humilhação de vidas inocentes”, conclui o papa.

*Com informações de Aleteia. Livremente traduzido e adaptado: REDAÇÃO SEU AMIGO GURU.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!