Pais controladores provocam profundas feridas emocionais em seus filhos.

Os relacionamentos pais-filhos podem despertar culpa, ressentimento e várias feridas emocionais.

Algumas pessoas têm o privilégio de ter excelentes laços entre pais e filhos. No entanto, em termos gerais, as relações entre pais e filhos são complicadas e não tão satisfatórias como gostaríamos.

Rancor, culpa, dependência e ambivalência são emoções muito presentes.

Mas por que isso acontece? E, mais importante, o que podemos fazer para resolver isso?

Todos nós conhecemos adultos que acham que passar tempo com os pais é uma obrigação ou uma experiência agridoce; talvez porque seus pais sejam percebidos por eles como intrusivos, invasivos, controladores ou manipuladores.

Da mesma forma, existem muitos pais que sentem que seus filhos são frios e ingratos, sentindo-se pouco satisfeitos com o relacionamento.

Quem está certo e quem é culpado?

Na verdade, muitas vezes é a própria dinâmica do vínculo, e não as próprias pessoas, responsável por isso. Mas não tem como separar uma coisa da outra. A dinâmica só muda quando os envolvidos mudam.

Por que os relacionamentos entre pais e filhos são tão complicados?

A principal razão pela qual esses relacionamentos entre pais e filhos são tão complicados, conflitantes ou dolorosos é porque esse é o vínculo principal. Ou seja, o primeiro que vivenciamos ao nascer e o que mais influencia em nosso desenvolvimento mental e emocional.

O vínculo do filho com os pais é o mais intenso e isso também o torna o mais exigente.

Cada ato, cada gesto e cada palavra dos adultos impactam a criança e molda sua percepção de si mesma e do mundo. Por isso, o fracasso de um dos pais, a falta que essa fonte possui, prejudica em um nível muito mais profundo do que se viesse de qualquer outra pessoa.

Essa grande demanda pode levar os pais a viverem o vínculo com ansiedade e culpa. Além disso, pode levar as crianças a se ressentirem profundamente da rejeição, do abandono e de outras mágoas emocionais que podem surgir desse relacionamento.

As expectativas não são realistas

Por outro lado, as expectativas são a fonte de muitos dos conflitos e sofrimentos que acompanham as relações entre pais e filhos.

O que acontece é que muitas vezes nos sentimos magoados, decepcionados ou frustrados porque nossos pais não são “como achamos que deveriam ser”. E os pais também criam muitas expectativas em relação aos seus filhos.

Mas o que isso significa? Eles simplesmente não atenderam às nossas expectativas; embora estes fossem, em muitos casos, rígidos e irrealistas.

Porém, por não refletir, podemos arrastar o ressentimento daquela criança que não conseguiu o que precisava e que continua a reagir até hoje quando percebe em seus pais o que a magoa por ela não ter se curado.

Mas as expectativas não atuam apenas em uma direção. E também é muito comum que os pais esperem características e realizações muito específicas de seus filhos.

Assim, quando estes não são cumpridos, é percebido como um ataque pessoal, como se fosse uma ofensa que este filho se atrevesse a seguir o seu próprio caminho.

Falta de limites

Finalmente, o elemento que faz com que os conflitos persistam e aumentem muitas vezes é a falta de limites. Frequentemente, permitimos a nossos pais e filhos comportamentos que não toleraríamos de mais ninguém.

Por exemplo, quando uma criança agride seus pais ou se aproveita deles, os limites estão sendo transgredidos.

Quando um pai insulta ou ofende o parceiro de seu filho, isso também está acontecendo. Por que toleramos isso? Porque às vezes confundimos a proximidade deste link com o direito de cruzar as linhas vermelhas.

Como melhorar o relacionamento entre pais e filhos?

Como você pode ver, o relacionamento entre pais e filhos contém uma forte carga emocional que se desenvolve ao longo dos anos. No entanto, existem algumas etapas que podemos seguir para curar feridas:

Assumir a responsabilidade por nós mesmos. Isso implica, como crianças, aceitar que nossos pais fizeram o que podiam e que tudo aconteceu de uma determinada maneira. Não podemos mais mudar esse passado; Mas, como adultos, somos os únicos responsáveis ​​por nosso bem-estar.

Ajuste as expectativas. Como pais, não podemos esperar que nossos filhos se conformem aos nossos desejos; devemos permitir que estejam em todas as fases de sua vida. Da mesma forma, devemos lembrar que ser pai não significa ser perfeito e nossos pais não são obrigados a cumprir nossos ideais do que um pai ou uma mãe deveriam ser.

Seja assertivo. Ou seja, poder comunicar nossas necessidades, emoções e solicitações com respeito. E, da mesma forma, estabeleça limites quando sentirmos que a outra parte está se superando.

Em suma, se todas as nossas relações podem funcionar como um espelho, a que temos com os nossos pais e os nossos filhos, devido à sua intensidade especial, constitui um dos reflexos mais nítidos.

No entanto, o trabalho pessoal, a revisão de expectativas e a cura de feridas emocionais são a maneira mais direta de transformar esses laços. E, mudando a perspectiva, podemos abordá-los de uma forma muito mais saudável.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações LMM

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!