Os narcisistas são mais propensos à depressão: Entenda por quê.

Por Valeria Sabater

Pode parecer irônico para muitos, mas as pessoas narcisistas são muito propensas à depressão.

A má gestão de suas emoções, o limite da frustração constante e, às vezes, até mesmo o peso da falta de educação dos pais traça esse tipo de realidade.

Depressão narcisista, uma realidade muito comum, em que consiste?

Egoísmo, atitude bombástica, falta de empatia, necessidade de atenção, relações conflituosas … Quando traçamos o perfil de um narcisista raramente nos ocorre que, entre esse alívio psicológico, a ansiedade, o desamparo e até a ideação têm uma lacuna para o suicídio.

No entanto, a depressão narcisista é um fato e uma realidade que ocorre com mais frequência do que pensamos.

Há quem diga que nos últimos anos este tipo de personalidade tem surgido cada vez mais.

As causas? Fatores educacionais, cultura, uma sociedade cada vez mais egoísta e individualista … Agora, o fato desse aumento não é totalmente claro.

O que fica evidente é que ainda não sabemos tudo sobre esse perfil de personalidade.

Para começar, eles não são todos iguais. O transtorno de personalidade narcisista, por exemplo, cai em um espectro.

Ou seja, haverá pessoas que mostrarão apenas certos traços, certos comportamentos exagerados e alguns outros comportamentos arrogantes.

Por outro lado, há aqueles que se situam naquele pólo mais extremo em que aparecem as mais nocivas inveja, manipulação, comunicação violenta e o desejo obsessivo de estar acima dos outros.

Nesta variabilidade comportamental mais ou menos patológica, existem raízes comuns: problemas relacionais, má gestão das emoções, a sensação de não se sentir compreendido e pensamentos suicidas.

A mente de um narcisista é mais complexa do que podemos pensar. Assim, e embora gerem em média rejeição e desconforto, é preciso entender um pouco melhor o subterrâneo de seu universo mental.

Depressão narcisista: sintomas, causas, tratamento

O narcisismo considerado isoladamente e separado do distúrbio psicológico como tal tem uma base positiva.

Todos nós “precisamos”, de certa forma, daquela autoimagem positiva que nos permite valorizar-nos, valorizar- nos e ter um bom sentido de autoeficácia.

Esses traços que tendemos a atribuir ao narcisista comum contêm, na verdade, algumas dimensões que, usadas apropriadamente, nos beneficiam.

Agora, do lado oposto, temos aquele narcisismo extremo que distorce completamente os traços aceitáveis.

Homens e mulheres definidos por essa condição desejam desesperadamente que os outros lhes ofereçam o que lhes falta.

É uma necessidade quase absoluta que os guia a monopolizar relacionamentos, a desejar alcançar o sucesso escalando os outros a todo custo, mesmo cometendo atos antiéticos.

Por trás dessa ânsia de possuir, de ser o centro das atenções e engolfar os outros para acumular poder ou admiração, existem inúmeras deficiências e abismos psicopatológicos.

Além disso, na prática clínica, sabe-se que pessoas com transtorno de personalidade narcisista apresentam graves problemas de saúde mental e, principalmente, depressão (Clarkin, Yeomans & Kernberg, 1999; Stone, 1990).

Sintomas de depressão narcisista

A depressão narcisista pode apresentar grande variabilidade.

Às vezes, podemos ter indivíduos com comportamentos violentos e defensivos que fazem da raiva uma tela para esconder o sofrimento interno.

Outras pessoas, por outro lado, apresentam um comportamento mais passivo, evasivo e introspectivo.

Vamos ver, no entanto, quais são as pistas para esse tipo de depressão:

– Deterioração nas relações sociais e sensação constante de não se sentir compreendido.

– Sentimentos de solidão e isolamento.

– Mudanças de humor constantes: instantaneamente eles são dominantes e autoconfiantes e depois de dias eles se fecham em suas mentes, eles ficam apáticos e sem vontade de sair de casa.

– Eles mostram um sentimento de frustração por nunca serem capazes de alcançar o que desejam.

– Eles sofrem de angústia e tristeza que são camufladas por raiva e irritabilidade constantes.

– Falta de confiança no futuro, desesperança e negatividade constante.

Pensamentos suicidas são comuns na depressão narcisista.

Quais são as causas?

Os médicos David Kealy Olivier Laverdière, da Universidade de British Columbia, no Canadá, realizaram um estudo sobre depressão narcísica.

Se nos perguntarmos o motivo pelo qual uma pessoa com essa realidade psicológica e comportamental deriva dessa condição, a origem estaria nos seguintes gatilhos:

O narcisismo tem duas dimensões relacionadas, mas distintas: grandiosidade e vulnerabilidade.

A grandiosidade é definida por um ego inflado, pela necessidade de explorar os outros … Por sua vez, a vulnerabilidade muitas vezes vem do fator educacional, parentalidade pobre, deficiências emocionais geralmente sofridas na infância.

Assim, algo que sempre esperam dos outros é o seu reconhecimento, validação e compreensão.

No entanto, o que eles obtêm de seu ambiente é hostilidade devido ao seu comportamento.

A maioria se distancia deles e isso os frustra, desespera … Acumulam tantas emoções contraditórias que não sabem como lidar com elas e, aos poucos, vão construindo as bases dos transtornos depressivos e ansiosos.

Por outro lado, todas essas experiências acabam traçando nelas o sentimento de inutilidade.

Sentem vergonha de si mesmas, se odeiam … Mas, ao mesmo tempo, procuram esconder seus defeitos até ficarem mais distantes e deprimidas.

Terapia psicológica para tratar a depressão narcisista
Como se trata um narcisista com depressão?

Não é fácil para alguém com transtorno de personalidade narcisista ir à terapia.

Da mesma forma, quem dá o passo também não está comprometido com o processo.

No entanto, às vezes podem ser vistos em situações extremas, como uma primeira tentativa de suicídio. Nestes casos, é importante trabalhar os seguintes aspectos:

Faça-os ver as distorções que aplicam no processamento das emoções.

Devem ser fornecidas estratégias para que eles entendam e gerenciem esses sentimentos dolorosos.

Eles devem trabalhar a autoaceitação e conceitos como gratidão, perdão e autocompaixão.

Acima de tudo, é importante abordar o trauma subjacente que frequentemente ocorre nessas condições psiquiátricas. Em muitos casos, a origem está em uma infância complicada. Também em todo relacionamento rompido.

Eles serão orientados a aprender a interromper pensamentos negativos repetitivos e estabelecer uma reavaliação positiva.

Resiliência, crescimento pós-traumático, empatia, resolução de problemas ou habilidades sociais são aspectos que também devem ser levados em consideração.

Para concluir, a depressão narcisista é um evento muito comum e muitas vezes negligenciado.

Essas situações precisam ser detectadas e tratadas antes que ocorram situações limítrofes.

A mudança, por mais desafiadora que pareça, é possível nesses casos.

*Com informações LMM. *Foto de Luiz Felipe no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!