“O tempo cura tudo”, dizem eles. No entanto, a verdade é que o tempo não cura as feridas , somos nós que devemos sarar com o tempo.

Pensar que o tempo é solução garantida para nossos problemas, conflitos e sofrimentos gera uma atitude passiva que geralmente acaba alimentando um estado abjeto em que crescem a frustração, a insatisfação e a dor.

Na verdade, um estudo realizado na Universidade do Estado do Arizona descobriu que, embora tenhamos a capacidade de nos curar de eventos traumáticos, muitos dos eventos significativos de alteração de vida continuam a nos afetar vários anos depois, tantas pessoas que demoram muito mais do que o esperado recuperar.

Portanto, deixar nossa cura emocional nas mãos do tempo não é exatamente a aposta mais segura ou inteligente que podemos fazer. E há diferentes razões que o apoiam.

Por que o tempo não cura todas as feridas?

1. A dor tende a piorar antes de melhorar

Pensar que o tempo cura tudo equivale a acreditar que a cura emocional segue um processo linear no qual a dor diminui gradualmente com o passar dos dias. No entanto, aqueles que sofreram uma perda dolorosa sabem que esse não é o caso.

Os primeiros dias geralmente não são os piores porque, quando o golpe é muito forte, mecanismos de defesa, como a negação, são ativados para nos proteger, pois atuam como uma “anestesia emocional” durante os primeiros dias ou semanas.

Quando seu efeito começa a se desvanecer e percebemos a verdadeira magnitude do ocorrido, a dor contida volta a brotar e pode nos atingir com maior intensidade do que no início.

Portanto, não é surpreendente que o sofrimento piore semanas ou mesmo meses após o evento doloroso.

Além disso, a intensidade da dor que sentimos durante todo esse tempo costuma ser extremamente variável, de modo que dias “bons” são intercalados com dias “ruins”. Esses altos e baixos emocionais fazem parte do processo.

2. Nem todo mundo melhora com o tempo.

Como regra geral, 18 meses após uma perda significativa, a maioria dos sintomas mais intensos característicos do luto tende a diminuir, da tristeza geral à insônia, raiva, anedonia ou pesadelos. No entanto, essa regra não se aplica a todas as pessoas.

Existem aqueles que passam por um duelo complicado e permanecem paralisados ​​de dor. No caso do luto puro , por exemplo, ficamos presos em um dos estágios, pois deixamos de processar emocionalmente a perda.

Nosso mundo interior não é reestruturado para aceitar o que aconteceu, seja porque a realidade cria sentimentos que são opressores para lidar ou porque acreditamos que deixar a dor é uma traição à pessoa que nos abandonou.

Portanto, embora todos tenhamos um poder natural de cura interior, cada caso é diferente e nem sempre é possível avançar sem a ajuda de um profissional que pode canalizar emoções e ideias mal adaptadas.

Podemos nos tornar muito resilientes, mas também é importante estarmos cientes de nossos limites e entender que a passagem do tempo não é garantia de cura.

3. O tempo passa extremamente devagar quando está sofrendo

O tempo pode ser uma medida objetiva para os físicos, mas para aqueles que sofrem, torna-se extremamente subjetivo. Quando estamos doentes, por exemplo, o tempo passa muito devagar.

Os minutos que temos de esperar para que os medicamentos façam efeito podem parecer uma eternidade.

Na verdade, neurocientistas da Universidade de Lyon descobriram que a dor e as emoções negativas alteram nossa percepção do tempo, tornando-o mais lento.

Esses pesquisadores apontam para o córtex insular anterior, uma área do cérebro que integra os sinais de dor do corpo, mas também é um componente crítico envolvido na integração da dor, autoconsciência e sentido do tempo.

Eles sugerem que a estimativa do tempo e a autopercepção podem compartilhar um substrato neural comum e que, quando nos sentimos mal, focamos muito em nós mesmos, contribuindo para a impressão de que “o tempo para”.

Portanto, dizer que o tempo cura tudo é um eufemismo. Quando estamos sofrendo, os minutos parecem horas e as horas se transformam em dias que passam lentamente.

Por isso, quando a adversidade bate à nossa porta, parece-nos que sofremos o indizível e pensamos que a dor não terá fim. Nossa percepção do tempo é alterada.

4. O tempo leva à resignação, não à cura

As feridas da alma não cicatrizam como as feridas do corpo – pelo menos nem sempre. Ficar sentado esperando, sem fazer nada para processar essa dor ou trauma, não leva diretamente à cura, mas sim à resignação silenciosa.

Quando o tempo passa e a dor não diminui porque não processamos o que aconteceu, um estoicismo se sente em casa que pouco tem a ver com o crescimento que ocorre após o trauma, mas sim se assemelha mais ao desamparo aprendido e ao conformismo de quem já foi renderizado.

O tempo pode nos ajudar a tolerar melhor a dor porque nos acostumamos com suas dores, mas não necessariamente nos ajuda a superá-la e emergir mais fortes ou com uma nova visão.

Na verdade, em muitos casos, pode nos levar à anedonia e à depressão, fazendo-nos desistir da autocura.

5. O trauma é atemporal

Nenhum trauma ocorre imediatamente nem tem data de validade. Um estudo conduzido na Uniformed Services University of Health Sciences revelou que 78,8% dos soldados gravemente feridos não mostraram sinais de trauma dentro de um mês do evento, mas apareceram sete meses depois.

No trauma de início tardio, por exemplo, o impacto emocional permanece aparentemente inativo, mas pode aparecer mais tarde.

Da mesma forma, as memórias traumáticas intrusivas podem persistir por muito tempo depois que o evento desencadeador passou e são tão nítidas quanto quando vivemos a experiência original.

No caso de flashbacks, pesadelos ou pensamentos e imagens intrusivas, nosso cérebro não diferencia a realidade das memórias, então a dor e o sofrimento que experimentamos são muito intensos.

Até que processemos essas experiências e as integremos em nossa memória autobiográfica, não seremos capazes de subtrair seu impacto emocional, de modo que continuarão a doer quase como no primeiro dia.

Em qualquer caso, é difícil saber quando vamos nos recuperar de um acontecimento doloroso. Embora saibamos que o sofrimento dói, não dói da mesma forma para todos.

É por isso que a cura emocional é uma jornada pessoal, muitas vezes repleta de altos e baixos.

Origens:

Rey, AE et. Al. (2017) A dor dilata a percepção do tempo. Relatórios científicos da natureza ; 7: 15682.

Infurna, FJ et. Al. (2016) Resiliência aos principais estressores da vida não é tão comum quanto se pensava. Perspect Psychol Sci ; 11 (2): 175-194.

Solomon, CG & Shear, MK (2015) Luto complicado. The New England Journal of Medicine ; 372 (2): 153-160.

Grieger, TA et. Al. (2006) Transtorno de estresse pós-traumático e depressão em soldados feridos em batalha. Estudo comparativo Am J Psychiatry ; 163 (10): 1777-1783.

Shear, K. et. Al. (2005) Tratamento do luto complicado: Um ensaio clínico randomizado. JAMA , 293 (21), 2601-2608.

Royden, L. (2019) O tempo realmente cura todas as feridas? In: Psychology Today.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RT. Foto de Joel Mott no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!