Algumas coisas o tempo leva. Outras levam algum tempo para gente se desprender. O importante é transitar dentro da ideia de que é preciso viver em paz, fechando ciclos, desapegando do que já se foi.

Colocando dentro do peito uma sinceridade de consentimento, dizendo a si mesmo que a vida foi feita de partes e trechos de caminhos, feita de reencontros, desencontros… e de proximidades, quando o coração resolve dizer sim.

Também foi feita de inteirezas e bons sentimentos que couberam dentro de cada instante ocupando um lugar de destaque na parede da alma.

Algumas coisas a gente pede para ficarem mais tempo, outras pedimos para sair.

Algumas coisas são pra sempre. São momentos eternos que ficam enquanto permanecemos aqui.

E ficam feito bilhetes espalhados pelos cantos dos nossos cômodos como forma de saudade de tudo que também nos envolveu e nos apaixonou.

Essa é a resposta que damos a ele, e a tudo que atravessamos.

Todos os milagres, todas as curas, todas as transições as quais nos propomos diante de algo que nos alavanque nos fazendo sair de dentro da caixa, sem medo, assinando tratados de paz, são inesquecíveis.

Algumas coisas são inesquecíveis, alguns sorrisos soam como lembretes de que é preciso prosseguir.

É esse o recado do tempo. Levar a vida não como um fardo pesado, e sim, como algo a ser tratado com mais leveza, menos culpa e menos pesar.

O tempo afasta, aproxima e nos ensina a dizer adeus.

Ele é mestre e nós somos seus discípulos.

Devemos todos os dias agradecer pelos seus ensinamentos e por tudo que superamos com nossa força interior.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Sil Guidorizzi
Sou Paulista, descendente de Italianos. Libriana. Escritora. Cantora. Debruço-me sobre as palavras. Elas causam um efeito devastador em mim. Trazem-me â tona. Fazem-me enxergar a vida por outro prisma. Meu primeiro Livro foi lançado em Fevereiro de 2016. Amor Essência e Seus Encontros pela Editora Penalux. O prefácio foi escrito pelo Poeta e Jornalista Fernando Coelho. A orelha escrita pelo Poeta e jornalista Ivan de Almeida. O básico do viver está no simples que habita em mim.